Xadrez da imprevisibilidade total, por Luis Nassif

Peça 1 – os fatores que antecederam a crise

Nosso colunista Fábio de Oliveira Ribeiro fez um belo apanhado sobre a imprevisibilidade das ciências sociais, a incapacidade de prever eventos. A posteriori, é possível identificar uma série de fenômenos que precederam a crise atual:

  1. A mudança social na estrutura do Judiciário, Ministério Público e alta burocracia pública, mudando a vocação, de servidores públicos para membros de classes elevadas.
  2. Do mesmo modo, a ascensão social de excluídos, que passam a se identificar com as classes de maior renda e a considerar que sua ascensão se deveu  à seu próprio mérito – o que também não deixa de ser verdade.
  3. A degradação progressiva da política, sem que fosse enfrentada por nenhum dos partidos hegemônicos, PSDB e PT.
  4. A estratificação desses partidos, impedindo a renovação e o acolhimento dos novos atores políticos que surgem com as redes sociais, movimentos sociais e com as organizações não-governamentais.
  5. O protagonismo político por parte do Judiciário e do MPF, inicialmente com o surgimento dos juízes vingadores e, depois, com a AP 470, do mensalão. E, agora, com o atrevimento de Ministros como Luis Roberto Barroso, pretendendo transformar o Supremo em criador de leis.
  6. O televisionamento das sessões do STF, acabando com o pudor de Ministros pelos holofotes e tornando os mais fracos alvos fáceis da lisonja ou da ameaça dos meios de comunicação, reduzindo a vocação contra hegemônica da casa.
  7. A estratégia do combate à corrupção como instrumento da geopolítica norte-americana e a adesão do Brasil aos acordos da OCDE para crimes financeiros, sem uma avaliação consistente sobre o interesse nacional.
  8. O protagonismo político da velha mídia, visível desde o impeachment do Fernando Collor e acentuando-se a partir do mensalão, com o discurso diuturno do ódio, praticado especialmente após 2005.
  9. Em cima desse cadinho, a desorganização final do mercado de informações com as redes sociais e com a explosão dos fakenews (leia a propósito os artigos: O desafio de garantir a credibilidade das notícias sem manipulação, por Luis Nassif e Os fake news como estratégia de censura aos blogs oposicionistas, por Luis Nassif).

Peça 2 – os fatores atuais

Hoje em dia, quem disser que sabe o que vai acontecer, mente. Poucas vezes, na história do país, houve cenário tão imprevisível.

De concreto, os seguintes fatores estimuladores do caos:

Discurso de ódio

Cria quadro imprevisível, onde tudo pode ocorrer, inclusive a naturalização de atentados e mortes.

Desmonte institucional

Não há figuras referenciais no Executivo, Legislativo, Judiciário, partidos políticos, sociedade e mídia. Como resultado, o baixo clero assume o protagonismo em todos os poderes, com exceção das Forças Armadas.

Falência dos partidos

Bons ou maus, os partidos contribuíam para institucionalizar as disputas políticas, especialmente nos grotões. Abre-se caminho, agora, para outras formas de organização, especialmente o crime organizado.

Crime organizado

Já ocupa extensões consideráveis do território nacional, especialmente na periferia das regiões metropolitanas. Tem fechado acordos com governos estaduais.

Indefinição política

Nem centro-esquerda, nem centro-direita conseguem se entender sobre candidaturas e alianças. A cada dia de indecisão, mas se fortalece o fator Bolsonaro

Fakenews

A desmoralização do jornalismo e das notícias, permitindo a disseminação de notícias inverídicas e de ceticismo em relação às notícias verdadeiras.

 

Nesse quadro, há a possibilidade de vários tipos de detonadores – de eventos capazes de explodir o paiol. Ontem, no Twitter, por exemplo, o jornalista Ricardo Noblat estimulava o público a atacar Ministros do Supremo nos aeroportos; a senadora Ana Amélia incentivava ruralistas gaúchos a agredir a caravana de Lula.

Em suma, é o quadro ideal para o aparecimento de táticas oportunistas e irresponsáveis.

Some-se a indefinição eleitoral.

Embora, no caso Marielle, muitos vissem oportunismo da Globo, permitindo aos seus jornalistas o exercício da indignação visando tirar a bandeira da esquerda, tenho para mim que foi também uma postura de cautela, ante a iminência da eclosão de movimentos terroristas, em cima do ódio plantado na última década.

As denúncias contra o MBL e outras organizações de direita também caminham nesse sentido. Mas são movimentos difusos, medrosos. Falta à mídia inteligência estratégica e coragem editorial para investir contra o monstro que ela ajudou a nascer e a se multiplicar.

A maneira como a Globonews e o Estadão – hoje em dia, os arautos mais estridentes do estado de exceção – investiram contra os Ministros do Supremo, é sintomático da perda de referenciais desse pessoal.

Ainda não se deram conta – assim como a esquerda – que o adversário, hoje em dia, não é Lula, o PSDB ou o PT, mas a iminência do país ser transformado em um enorme México, com a violência saindo das periferias e tornando-se instrumento de luta política.

A informação de que o grande operador do PSDB em São Paulo, Paulo Preto, negociava com lideranças do PCC, não deve espantar. A cada dia que passa, mais se institucionaliza o poder do PCC, visto como mal menor, em contraposição aos pequenos grupos de traficantes.

Lula poderia ter sido o grande agente de conciliação nacional, o avalista de um pacto unindo centro-direita e centro-esquerda. Mas o país permitiu que se jogasse fora o ativo Lula.

Hoje em dia, não há um interlocutor de fôlego, para falar pela esquerda ou pela direita. Ambos, centro direita e centro-esquerda, estão igualmente fragmentados.

Peça 3 – o caos no mercado da informação

Some-se a isso tudo a emergência dos fake news, do uso de robôs e outras formas de tecnologia para manipular a opinião público. O quadro traçado por Charile Wazel, no Buzz Feed, é assustador.

Trata-se não apenas de simular novas realidades, manipulando imagens, voz e declarações, mas também do descrédito do mercado de notícias, com o ceticismo que recai sobre todas as notícias. E isso em um país, como o Brasil, onde há tempos a velha mídia deixou de lado qualquer veleidade de respeito aos fatos. O bordão “antes de espalhar a notícia, confira se saiu em algum órgão de mídia” será de baixa validade no país, devido ao histórico de manipulações da última década.

Hoje em dia, não há instituições sancionadoras das notícias, quando até Ministros da mais alta corte, manipulam informações em proveito de suas posições políticas – como foi o caso do Ministro Luís Roberto Barroso, valendo-se de estatísticas não confiáveis sobre decisões do STJ para reforçar seu argumento contra as apelações em terceira instância.

Há um sentimento crescente no ar, de pessoas vendo o carro caminhar em direção ao barranco Bolsonaro. A iminência do desastre poderá despertar algum sentimento de sobrevivência.

Em suma, há uma contagem regressiva para o desastre. Será um período de grandes turbulências, com uma pequena probabilidade de despertar a racionalidade dos agentes políticos.

79 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Octavio Pires 1

- 2018-03-28 13:06:19

um retirante "arretado"

Não há nada de novo "no front"!!! É apenas a história de uma luta de classes!!!. Nada mais!!!!. E acho errado qualquer comparação com o facismo, porque no facismo, ou nazismo, seja como for, os malucos de lá prestaram atenção nas condições de vida da população e a melhoraram muito. Aqui o que se tem é apenas uma estúpida luta de classes mal arranjada e nal lutada- , simples assim. Não é nova no Brasil e basta lembrarmos de Getúlio ou mesmo do Jango!!!n E Juscelino e Jânio E também da UDN!!!Ocorre que agora bateram de frente com um nordestino retirante arretado, um gênio da política, cheio de carisma, que resolveu bater de frente com eles e não recuar- pelo menos até agora-,enquanto os "sociólogos e outros que tais,  se debruçam sem descanso em novas teorias e interpretações da sociedade". E creio que é assim mesmo que se deve proceder, poruqe como sabemos não adianta muito interpretar o mundo. A coisa certa a fazer é modificá-lo!!! (Marx) E A melhor maneira de resolver os problemas é seguindo em frente (lenin). A propósito , se isso importa, sou paulista e paulistano, e nasci na mesma maternidade que o Paulo Maluf. (nossa!!!) A diferença maior é que nunca tive o dinheiro dele. Tampouco terei!!! Mais um detalhe: um país ou estado que permite a juiz de primeira instância proceder como aquele merda de Curitiba, vai esperar  o quÊ de si mesmo? E são tão burros, mas tão burros, que estão tenttando destruir o maior "amortecedor social " que o país jamais produziu: Lula E estão indo de encontro a Bolsonaro, um milico covarde e sem vergonha e sem pudor, um inútil idiota preconceituoso e ignorante, indevidamente adjetivado como fascista. Fosse isso ...Um detalhe ainda, quando na 2ª guerra Getulio se aproximou dos USA, os nazistas enviaram uma carta a ele dizendo: "vocês serão eternamente lacaio deles (do USA).

Franci

- 2018-03-28 11:54:02

A instabilidade politica que

A instabilidade politica que se vê hoje é culpa da insegurança jurídica criada pela operação lava jato

No afã de se condenar Lula os procuradores de curitiba sequer se deram ao trabalho de levantar provas concretas e robustas contra o petista, ficaram na convicção e apresentaram um triplex como prova de corrupção, triplex que nunca saiu do nome da empresa à qual pertenceNão foram encontradas contas na Suíça, não foi encontrado bunker com milhões de dólares ou reais escondidosA população não se convenceu da culpabilidade de Lula, até porque juristas de renome também contestaram a sua condenação sem provas sólidas Aí é que reside o problema: a lava jato e o judiciário não conseguiram provar a culpabilidade de Lula perante seus milhões e milhões de eleitores, ficaram no achismo e na convicção e isso não é suficiente para um eleitor conscienteApoiado pela globo, veja, estadão e folha, instrumentos de mídia notoriamente anti esquerdistas e críticos da gestão do PT, apoiaram a lava jato com o objetivo de retirar Lula da próxima disputa eleitoral, o que contribuiu em muito pra insegurança institucional e jurídica atualComo não conseguem convencer seu eleitorado de que Lula é culpado, seus adversários políticos lançam novas estratégias para frea-lo, a mais nova é uma serie de canal stremming colocando até a culpa da corrupção de partidos políticos antigos aliados, e hoje adversários, no ex-presidente LulaIntelectuais, políticos e juristas constitucionalistas criticam a seletividade real da lava jato e alertaram sobre seu uso politico e no que se sucedeu após a condenação de Lula pelo juiz da primeira instância: a subida de Temer, este sim pego com a boca na botija, com uma aprovação menor do que o mosquito aedes aegypti, um governo cheio de corruptos saindo pelo ladrão e a justiça de mãos amarradas esperando os partidos de direita, pegos no flagra nos esquemas de corrupção, salvarem o país  

Raul Capablanca

- 2018-03-28 01:51:22

2

dois cu'véio.

tamo fu

Álvaro Noites

- 2018-03-27 20:46:37

Pois é. Dizem que corremos o

Pois é.

Dizem que corremos o risco de termos uma guerra civil.

Eu mesmo acho é que teremos um genocídio a ser praticado pelos fascistas. Não existe guerra quando um dos lados está totalmente desarmado.

J. Ademir

- 2018-03-27 20:31:51

Perfeito! Tem  seitas  que

Perfeito! Tem  seitas  que acham que o mundo começa com eles. É a chamada síndrome de Milne.

Para eles  existe apenas o cone de luz do futuro. O objetivo maior é criticar quem mentalmente ou na prática lhe tome espaço.

Dada as condições não é contribuir para um bem maior, o progresso,  a melhoria de vida da população, pois a libertação

verdadeira tudo  será apenas por  eles ou através deles. Como diria Mojica, infelizmente á a realidade da América Latina. 

apgortega

- 2018-03-27 16:45:52

Solte os Burros

Foi o que fizeram a Mídia, os Políticos corruptos e o Judiciário. Mas o fim ainda está longe.

Pedro Augusto

- 2018-03-27 16:41:28

Manda   http://mundovelhomund

Manda

 

http://mundovelhomundonovo.blogspot.com.br/2018/03/manda.html

 

 

    

j.marcelo

- 2018-03-27 12:07:25

O cidadão do mundo Lula e
O cidadão do mundo Lula e candidato ao nobel da paz não deve assustar o próprio mundo (no caso,as superpotências) com sua proposta de união da Al,esta união tem q ser prioritariamente sobre questões humanitárias,a geopolítica deve ser secundária (estou piscando com um dos olhos)Lula deve esquecer se estará ao lado de Gandhi ou Mandela(preso)o foco após as caravanas deve ser o mundo(até às eleições)já aqui no Brasil, não deve haver enfrentamentos por parte do PT no caso Lula preso ou não,e sim a ENTREGA DE FLORES(literalmente)aos fascistas, baderneiros DEVEM SER ELES!

Rei

- 2018-03-27 05:23:31

Xadrez da previsibilidade repetitiva de Arkx

1-Tudo de ruim é culpa do Lulismo

2-Quem discorda de Arkx é Lulista e segue uma seita

3-O Lulismo é responsável pelo Golpe que ele mesmo sofreu

4-A reação do Lulismo ao Golpe agravou o Golpe

5-O Lulismo deve parar de defender Lula e passar a apoiar novas lideranças que só Arkx conhece

6-O Lulismo existe mesmo sem Lula e antes do governo Lula, aliás só Arkx domina a definição de Lulismo

7-Fotos de Lula com qualquer pessoa servem para embasar argumentos... assim como vídeos no Youtube que Arkx repassa de canais que só ele conhece

8-Criticar Aécio, Serra, Globo ou Hitler é uma perda de tempo... o inimigo é Lula. Critia-lo fortalece a esquerda.

9-Apesar de Lula ser o único capaz de levar a esquerda ao poder, apoia-lo ou defendê-lo é burrice... devemos focar a defesa em imbecis que a Globo, PSDB e a Veja adoram ter como adversário

10-O Governo Lula não deixou nenhum legado e foi puro marketing... milhões saírem da pobreza, prêmio da Unesco, reconhecimento internacional... tudo balela... por isso devemos apoiar aquele super legado de Freixó.

11-Não é necessário apontar nenhuma solução para os problemas... basta apenas criticar o Lulismo e relaciona-lo com o problema... por ter criado o problema ou por não ter reagido ao problema da forma que Arkx considera certa

12-Ao ser criticado se faça de vítima de ataquer e violência

13-Retire seus argumentos da página do MBL ou RevoltadosOnline e adapte para a esquerda... trocando Riachuelo por PSOL.

14-Depois da direita destruir Lula completamente podem ficar tranquilos que as próximas lideranças de esquerda serão todas 100% respeitadas.

[email protected]

- 2018-03-27 05:05:56

De Saco Cheio

Tô de saco cheio de análises, explicações, diagnósticos sobre os fascistas, com xadrezes e não xadrezes, com protestos na rede, manifestações na mídia, nos blogs, no raio que o parta, e o básico, o elementar, nada, não há ninguém que tenha condições que o faça acontecer:

1. Ao menos que um grupo de, gente, instituições, partidos, etc., representativos e com capacidade operacional e/ou recursos, se juntem para criar, urgente, um movimento unitário pela Defesa da Democracia no Brasil, com o objetivo de agregar milhões de brasileiros dispersos e sem ação, que desejam o mesmo e estão em busca de um caminho em que possa se juntar a um, mais um, mais outro, até estarmos todos juntos, fortalecidos e organizados, para fazer valer o que pensamos e queremos para o país, a partir da restauração da DEMOCRACIA, através da realização de eleições livres, sem interferências não cabíveis, de quem quer que seja.

2. Dar nome, rosto, marca e consistência visual ao movimento.

3. Criar o Portal do movimento, para juntar os dispersos, unificar e organizar o movimento e, principalmente agendar os eventos em níveis, estadual e municipal.

4. Continuar organizando e ir fazendo acontecer o movimento, a partir desse básico, para juntar os dispersos e agendar ações de construção e consolidação prática do movimento na ocupação do espaço público, para organizado protestar e fazer valer nossos direitos e as obrigações de quem tem responsabilidades a serem cumpridas.      

cesarcardoso

- 2018-03-27 03:10:31

A saída pela força e mais comentários

É óbvio que, em toda situação de imprevisibilidade e instabilidade, a solução clássica é sempre a do surgimento do strongman, do generalissimo, do líder militar que usa a força para estabilizar o país. É e sempre foi assim.

O que pode se dizer, e isto é verdade, que nem candidatos a generalissimo temos, o que complica qualquer saída da crise pela força. E não, Bolsonaro não é candidato a strongman, porque nunca liderou tropa na vida e estamos falando da força clássica, a força militar.

Dito isto...

As denúncias contra o MBL e outras organizações de direita também caminham nesse sentido. Mas são movimentos difusos, medrosos. Falta à mídia inteligência estratégica e coragem editorial para investir contra o monstro que ela ajudou a nascer e a se multiplicar.

O ataque ao MBL e quejandos surge como parte do escândalo Cambridge Analytica, e a mídia vai fazer o suficiente pra ficar confinado a isso. A mídia vai bater no MBL o suficiente pra assustar os anunciantes e tirá-los do Facebook, nem mais, nem menos.

Embora, no caso Marielle, muitos vissem oportunismo da Globo, permitindo aos seus jornalistas o exercício da indignação visando tirar a bandeira da esquerda, tenho para mim que foi também uma postura de cautela, ante a iminência da eclosão de movimentos terroristas, em cima do ódio plantado na última década.

Pela lógica do "quanto pior, melhor", que os filhos do Doutor Roberto deixam correr solto na Globo, o que melhor poderia acontecer é o surgimento de terrorismo de esquerda, ou do "morro descer". Se estão com medo disso acontecer, é porque, justamente, não existe alguém com mão-de-ferro à espreita para usar isso para assumir tudo.

Marcos Antônio

- 2018-03-27 01:46:24

Absurdo sem fim!

É muita raiva apenas por votos!

São os bilhões que querem aqueles que compraram este golpe...

E depois do jogo aberto cada um faz sua parte na peleja...

Juízes, procuradores, fazem isso por acreditar na pureza de sua classe...

Hitler também achava isso...

Mas quem comprou o golpe, não pestanejará em descartar nenhum de seus próprios jogadores!

Absurdo sem fim, mas olhando friamente só o STF pode reverter o golpe que ele mesmo causou...

As chances de isso acontecer são mínimas...

Júnior 5 Estrelas

- 2018-03-27 01:15:10

Sabe do respeito que lhe
Sabe do respeito que lhe tenho.Quem vc apresenta em alternativa a Lula/Lulismo?Ficar martelando em cima do maior lider de massas do Pais,massacrado impiedosamente pelo nazi-fascismo,faz de ti um neo Barroso.Vindo de você esses posicionamentos me causa surpresa e decepção.

arkx

- 2018-03-27 00:01:03

Xadrez da imprevisibilidade total

pô! mas parece que vcs não se tocam!

se eu fosse um cara mal intencionado, se estivesse afim de sacanear, e de esculhambar com o debate, se estivesse afim de aparecer, de me promover, de alavancar determinada posição, vcs estariam fazendo exatamente o era preciso prá isto.

se toquem gente! pensem! pensem! e eu ainda tenho que ler que sou eu o burro!

por favor, leiam o excelente comentário do jruiz AQUI.

esta área de comentários é um eco-sistema, uma biosfera de inteligências e sensibilidades, de visões do mundo e de modos de reagir, de posturas políticas e de potenciais de ação.

com muita honra, dou minha particular contribuição para a diversidade desta biosfera virtual.

vcs ainda sequer começaram a visualizar as imensas possibilidades de comunicação (e de propulsão de ação) abertas pela web.

por falar nisto, sejam também Guardiões das Águas, porque a Água somos Nós.

vídeo: Guardiões das Águas: Abraço ao Parque de Caxambu - 23/03/2018

[video: https://www.youtube.com/watch?v=KkWd0inN-0U]

.

j.marcelo

- 2018-03-26 22:58:39

Boa noite Arkx,vc está bem!?
Boa noite Arkx,vc está bem!? Sinceramente espero q não sonhe com o Lulismo, é sério, não quero contrariar uma mente tão inteligente quanto a sua !(quem dera eu ter essa inteligência!)

rdmaestri

- 2018-03-26 22:57:01

Que Lulistas?

Acho que és burro, pois nem entendeste com quem falas.

MarFig

- 2018-03-26 22:55:00

Não vi ódio, nem culto a

Não vi ódio, nem culto a personalidade muito menos violência no comentário do Rai. Mas no seu eu vi uma dose cavalar de joseph goebbels. Se tem um fascista aqui é você.

rdmaestri

- 2018-03-26 22:54:27

O gaúcho de Sarmiento nunca existiu.

Os latifundiários sempre combatiam até o último de seus empregados ou escravos, a figura de um gaúcho dono de estância macho é mais uma ficção do que qualquer outra coisa.

jruiz

- 2018-03-26 22:15:17

Comunidades online..

Prezado Nassif, em decorrência do incrível trabalho jornalístico que desenvolve para o país, acho que vc tem poder para tocar a discussão abaixo com a profundidade necessária..

 

"

No Brasil, trilhamos o caminho da convulsão social, não da revolução, à despeito de quem aposta no quanto pior, melhor..

.. é um quadro dramático, em um momento sui generis do comportamento humano, da crise do capitalismo e das condições sócio ambientais..

Entre os inúmeros elementos que alteram a existência humana, chamo a sua atenção para a internet..

.. parece bobagem, alguns ainda acham que é coisa de garotos, mas vc já pode considerar o fenômeno da internet como mais impactante do que a invenção da prensa em 1450.

Havia um mundo antes da prensa e outro depois.. havia um mundo antes da internet e outro, bem diferente, depois..

A gente precisa conversar sobre isso..

.. compreender melhor essas mudanças, entender o impacto que elas terão em vários setores das nossas vidas..

.. sobretudo no exercício da política..

.. sobretudo no Brasil e nos dias atuais.

 

Eu já tentei abordar isso tantas vezes, e no final acho que acabei confundindo as pessoas, e não consegui transmitir a mensagem (rs..).

Vou tentar esse ângulo: a internet é um fenômeno evolutivo. Hoje ela faz mal, mas se os humanos aprenderem a usar, ela poderá ser extremamente benéfica, porque, principalmente, permite a síntese do pensamento coletivo e tem ENORME papel democratizante.

Neste momento, estamos feito ogros tentando dirigir uma Ferrari.

Mas já encontramos vários exemplos de bom uso da internet: o seu site é um deles.

Veja como o GGN é um espaço positivo.

Distribui informação de alta qualidade e permite a interação construtiva..

.. eu tenho consciência do gigantesco trabalho de moderação que está por trás desse ambiente civilizado..

Há um setor que varre do site as participações fake, as agressões em geral, ataques pessoais, trolls, enfim..

De resto, a própria comunidade (os usuários que estão todos os dias por aqui) se encarrega de espantar os desordeiros..

.. humm..

Eu acho que vc tem exata noção do que estou falando..

.. vc tem aqui mais do que um simples site de notícias..

.. as vezes encontro no meu agregador de notícias vários links para uma mesma matéria..

.. mas eu sempre escolho ler no GGN, porque espero ansiosamente pelos comentários..

.. eu desfruto dos comentários.. até quando me criticam, acho positivo..

.. enfim, seu setor de comentários é um patrimônio..

.. podemos dizer que o seu site é quase uma plataforma certificada, vou explicar melhor isso.

 

O interesse capitalista se apropriou da internet (meio) como se apropriou das transmissões de rádio e tv, que, na sua época, poderiam ter revolucionado o planeta, no entanto serviram essencialmente para dominar a raça humana..

.. é o mesmo processo..

A diferença é que vc não podia ter uma rádio ou tv..

.. mas vc pode ter um site na internet..

Essa liberdade era uma ameaça para o sistema, e a solução veio através de sistemas automatizados, que hoje inundam a WEB..

Antes, a uns 10, 15 anos atrás, era necessário um humano para criar e manter um site..

.. atualmente, meu palpite é de que estamos perto de 100% de fake..

Explico: quando falo em 100% fake, não me refiro exatamente ao que existe na internet, mas ao que é percebido pelo grande público, que são coisas diferentes.

É um grande circo, com atrações que foram previamente escolhidas para você e muita coisa é feita por robôs..

.. os comentários e toda a interação que forma valor são fakes.. é manipulação em grau hardcore..

Ou seja, os "Masters" sacaram o potencial da rede como formadora de opinião, e inundaram a WEB com sistemas automatizados, criando e cativando o público como se fossem grande currais.

Os cercadinhos que formam esses currais são os valores do sistema (capitalista decadente)..

.. tá dominado..

.. fica aqui uma suposição: acho que já fazemos parte de experimentos que envolvam o domínio do povo pela WEB para ações que vão além da simples compra de sabonetes.. fiquemos atentos..

 

Nassif, nossa luta é pela verdade..

"E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará".. enfim, é só seguir a instrução..

O problema é que o inimigo semeia a mentira, e percebeu mais rapidamente o potencial da internet e tem muito dinheiro em caixa..

A saída dessa armadilha passa pela criação de "comunidades certificadas".

O excesso de perfis fakes tem 2 consequências imediatas: espalhar a mentira e desacreditar a verdade.

Existem várias tecnologias de certificação de usuários na WEB, não vou entrar no mérito da questão tecnológica.

Quero chamar a sua atenção para o método de certificação mais eficiente, mais simples, barato, aquele que está ao alcance de todos nós, que é o bom e velho relacionamento pessoal.

E para exemplificar vamos mergulhar de cabeça no assunto "política".

 

Recentemente PT e PC do B convidaram o Psol para uma grande frente de esquerda no Rio de Janeiro tendo Freixo com o candidato ao cargo majoritário.

Não vai dar nada, o psolista já pulou fora..

.. mas vamos supor que ao invés disso, se criasse uma plataforma certificada para sustentar uma grande rede de esquerda em todo o estado do Rio de Janeiro, hein?

Imagine aí, uma estruturação geográfica, capilar, grupos e subgrupos chegando a todos os pequenos bairros, vilas e favelas de todas as cidades do Rio de Janeiro..

.. com espaço para a comunidade expor seus problemas, definir as bases nos legislativos (estadual e federal)..

.. imagine uma rede desse tamanho, com instâncias bem definidas de decisão e um padrão de qualidade similar ao que tem no seu site..

.. muita gente.. muito trabalho.. mas também muito voluntário..

Eu não sei se ficou claro essa parte, em redes assim, o troll não consegue participar..

.. o acesso à rede, a participação, e até a exclusão de usuários, depende dos seus vizinhos.. vc é parte de uma comunidade geográfica..

Neste contexto, existem inúmeros meios (fáceis) para certificar o usuário, a começar pela boa e velha cerveja no boteco.

Mas vc ainda pode fazer encontros locais..

.. ações de grupo.

A plataforma certificada se torna um espaço de decisão política, e dentro dela podem ser desenvolvidos inúmeros projetos que vão desde a educação de base (política) até o desenvolvimento de programas, tudo de forma transparente, democrática e auto sustentável.

Já imaginou, toda a militância do PT, Psol e PC do B espalhada pelo Rio de Janeiro formando grupos de discussão para o programa de governo do Freixo?

 

O "Case" PT

Como vc sabe, o PT tem uma estrutura interna chamada "setorial".

São grupos temáticos.

O objetivo principal das setoriais é ajudar nos programas de governo.

Em tese, o pessoal se reúne para discutir racismo, ou tecnologia, ou moradia, etc., e dali são extraídos os programas de governo.

Isso é teoria. Na prática, cada vez mais essas reuniões estão vazias.

Agora, imagine uma rede de militantes (plataforma certificada) para a setorial de Ciência e Tecnologia na cidade de São Paulo.

É uma rede verticalizada, distribuída geograficamente, com autonomia nos nodos.

O gráfico dela parece uma árvore de natal, só que no lugar da estrela (no topo) tem um círculo (rede anel = staff = coordenação da setorial)..

Mas como existem várias setoriais, imagine colocar o gráfico de uma setorial sobre a outra, a sobreposição dos nodos geográficos forma um vetor, que é o núcleo de base que existia lá no início, na criação do PT, só que dessa vez empoderado pela tecnologia.

É uma plataforma 100% certificada.

Replica isso em todos os municípios do país (software livre e trabalho voluntário) e você terá reconstruído o tecido social que sustenta o partido (sim, hoje ele está em frangalhos).

Bem, apesar de ser uma coisa óbvia, não consegui despertar o interesse do partido para esse tipo de organização.

 

Esse é o "ó do borogodó"..

.. é aí que está o nosso problema..

.. a internet está à nossa disposição, mas a gente se recusa a fazer um uso racional da mesma..

.. porque as lideranças tem medo desse novo universo, sobretudo da democracia direta inerente a esse tipo de ambiente..

No caso do PT, a autonomia dos nodos nas setoriais significa, de fato, perder o domínio sobre a massa..

E não tem outro caminho..

De um lado você tem a necessidade de manter presença na WEB, do outro você tem os custos da manutenção dessa presença..

.. nem adianta fazer esses sites institucionais de comunicação unidirecional..

.. ninguém visita.. vivem às moscas..

O que funciona são grandes comunidades online, e para ter isso, ou você tem um montanha de dinheiro para pagar colaboradores ou você tem engajamento..

.. e para ter engajamento, você precisa compartilhar o poder político.

Pelo menos hoje, só existe uma razão capaz de fazer o cara sair de casa para te ajudar na campanha: é ele se sentir dono da candidatura..

.. a nova era do exercício político será marcada pelo “eleitor parceiro”..

.. o cabo eleitoral virou uma rede e o político deixou de ser o centro das atenções..

Todos os candidatos deveriam ter suas plataformas certificadas e suas comunidades online constituídas.

 

Eu acho difícil que as lideranças atuais entendam esse fenômeno e mudem sua postura no curto prazo.

O Psol no Rio de Janeiro acha que se tornou dono do legado de Marielle..

.. o PT, de uma maneira geral, acha que é dono do legado de Lula..

Estão, de certa forma, hipnotizados com a possibilidade de uma enxurrada de votos decorrência desses legados (o legado das esquerdas em geral).

Mas é uma aposta extremamente arriscada, e, francamente, acho que não vai dar certo..

Seja como for, acho que esse panorama não vão mudar no curto prazo.

Mas se os partidos rejeitam essa evolução, nós temos que achar outros caminhos e criar comunidades autônomas e auto sustentáveis que representem o povo na internet.

Ou em outras palavras: há uma guerra de vida ou morte na internet, e nós precisamos nos organizar.”

 

Como sobreviver nessa nova era da informação é discussão vital para a humanidade..

.. várias questões precisam ser debatidas, algumas são urgentes, como o desenvolvimento de um novo sistema político..

Eu acho que se você der uma forcinha, essa discussão decola..

azzisem

- 2018-03-26 21:53:42

"Embora, no caso Marielle,
"Embora, no caso Marielle, muitos vissem oportunismo da Globo, permitindo aos seus jornalistas o exercício da indignação visando tirar a bandeira da esquerda, tenho para mim que foi também uma postura de cautela, ante a iminência da eclosão de movimentos terroristas, em cima do ódio plantado na última década." Perfeito Nassif, poucos analista de esquerda percebeu essa estratégia.A Globo tem andado no fio da navalha. Tenta manter o ódio da direita de forma controlada e não despertar o ódio da esquerda. Por isso, a cobertura desagradou a todos os lados, mas não explodiu.

arkx

- 2018-03-26 21:47:23

Xadrez da imprevisibilidade total

suas réplicas são uma verdadeira aula: a demonstração cabal de como no Lulismo estão presentes diversas características do fascismo. por exemplo:

- ódio ao contraditório;

- culto à personalidade;

- uso da violência para silenciar os opositores.

continue assim, forneça bastante material para desmascarar o Lulismo.

.

Guilherme Souto

- 2018-03-26 21:03:46

Penso que o professor
Penso que o professor Maestri, em texto de anos atrás, apontou que, para salvar o sistema, estavam em vias de reeditar a divisão internacional do trabalho. O que deixa agente puto, é que, por mais que fazem força externa, a maior parte dela é interna mesmo. Aí fico lembrando, quando da destituição, por golpe, da presidente, as propagandas do agro negócio eram as que mais passavam no horário nobre da Vênus.

jose antonio santos

- 2018-03-26 21:01:17

boa lembrança.

Gostei da parabola.

Llogo chegaremos lá.

Mas o diabo já afirmou que não tem nada com isso.

Deus muito menos.

Nem os anjos, nem os arcanjos, nem os santos.

Não  termos a quem culpar.

 

margot riemann

- 2018-03-26 20:04:50

Não vejo espaço para a

Não vejo espaço para a extrema-direita no Brasil. Diferentemente do velho mundo, onde o trabalhador se sente ameaçado pelo retrocesso econômico e social, aqui a única perspectiva do povo é para frente. Não há como perder o que nunca se teve. Portanto, não há o que temer. E é do medo e do temor que brota o fascismo.

O fascismo de massas, como foi o caso do nazismo, tinha propostas sociais, varreu a servidão, perdoou dívidas, criou frentes de trabalho. Não é o fascismo que está em pauta aqui. Aqui ele tem programa econômico liberal, excludente

Havendo eleição (???) limpa (???),  e podendo os candidatos expor suas plataformas (???), fatalmente qualquer candidato que defenda um Estado intervencionista ganhará a eleição . 

O grande problema é a) chegar a uma eleição limpa; e b) conseguir governar. Por todos os motivos expostos pelo Nassif.

Primeiramente porque é no meio das classes médias e altas (20% da população) que o fascismo encontra terreno fértil. Pois esses sim têm o que perder -  privilégios - e se sentem ameaçadas pela democracia, o governo do povo. E aí forma-se um bloco compacto de funcionários públicos graduados, empresários (grandes, médios e pequenos) sempre muito dependentes do Estado e temerosos diante de um governo que pode não ser “deles”, que possa porventura vir a ser um governo do povo. Entrando nesse último bloco os fazendeiros que temem perder o “seu” ministério. 

Depois tem a expertise da mídia, indústria cultural, mídias sociais (hoje dominadas pela direita), disseminando confusão e desesperança.

Por fim o vale-tudo do Império.

Esse bloco – antidemocrático, anti-povo - não tem voto. Os 20% que Bolsonaro tem hoje, derretem assim que ele se expuser. Trata-se na verdade de 20% de projeções, sonhos, e não de identificação verdadeira.

A “ponte” que poderia dissipar essa confusão reside em um projeto plausível e articulado e que consiga tirar o povo da condição de mero expectador.Acredito que a temática da segurança, um projeto nacional com participação e mobilização popular, poderia cumprir essa função.

A esquerda aposta em muitos canidatos porque acredita que terá tempo na TV para debater, expor idéias. Mas teria que existir um esforço compacto e unificado de mobilização em torno de bandeiras e programas. Confiar na propaganda eleitoral é muito pouco.

Na verdade esse é o momento de maioor tensão. Todas as fichas sendo apostadas na viabilidade/inviabilidade de Lula. Sua batalha é admirável. Que tenha ouvidos e discernimento para dar os passos certos.

 

 

 

Marcos Videira

- 2018-03-26 19:18:45

Com fascismo não tem acordo

E eu que sou um idoso, como vou poder utilizar a Legítima Defesa sem ter direito ao porte de arma ?

Aos fascistas são disponiblizadas armas ( todos puderam ver fotos de fascistas gaúchos armados atacando a caravana do Lula).

A violência começou verbal e hoje já é violência física (Marielle, por exemplo). E nesse estado de violência, há uma assimetria: fascistas armados contra democratas ingênuos.

Eu que sou idoso e não sou fascista, estou fudido !

arkx

- 2018-03-26 18:59:08

Xadrez da imprevisibilidade total

-> vedete do plim-plim

eu já compreendi desde muito que vcs Lulistas apreciam serem ridicularizados por mim. mas aproveitem, devido ao acirramento da conjuntura meu tempo para humilhar vcs será cada vez mais exíguo.

 “Roberto Marinho foi um homem que veio ao mundo a serviço – quase um século de vida de serviços prestados à comunicação, à educação e ao futuro do Brasil.”

Lula (sobre a morte de Roberto Marinho)

em 1993 Lula já era uma vedete do plim-plim, a Esquerda que Roberto Marinho gostava:

.

arkx

- 2018-03-26 18:49:58

Xadrez da imprevisibilidade total

-> que diabos você tem contra Lula ou o Lulismo?Pelos paupérrimos argumentos que apresentou até agora,se vivo fosse,teria pavor a Getulio.

-> ou você pertence ao minusculo conglomerado dos CEM votos que gravita em torno do camaleonico Ciro Gomes

temos divergências irreconciliáveis quanto a Lula, e pelo visto tb quanto a Getúlio Vargas, mas concordamos em relação a Ciro Gomes, que sempre poderá contar com a certeza de jamais receber o meu sufrágio.

aqui já escrevi algumas vzs e torno a repetir: votei apenas uma única vez, em 1989 em Lula. embora não me arrependa, trata-se de coisa que não se repete.

.

arkx

- 2018-03-26 18:31:52

Xadrez da imprevisibilidade total

-> VAI CONTINUAR COMA PEXA DE TROLEIRO E DIREITISTA INFILTRADO

do lado de fora da bolha da seita dos adoradores fanáticos do Lulismo, cada vez está mais claro e irrefutável quem é o Cabo Anselmo, o "infiltrado", o "agente da CIA", aquele que sempre fez jogo duplo, aquele que sempre se aliou com o patronato e o grande capital, aquele que sempre operou para afastar o povo das ruas e cooptar os movimentos sociais...

além disto, nós não esquecemos o que o Lulismo fez nas eleições passadas.

Exclusivo: Investigação revela como blog defendia Dilma com rede de fakes em 2010

Juliana GragnaniDa BBC Brasil em Londres

.

alvaro.marins

- 2018-03-26 18:26:03

É o que a globo tem feito

É o que a globo tem feito desde que perdeu a quarta eleição seguida para o PT.

serralheiro 70

- 2018-03-26 16:31:01

Caos previsível.

O discuro de ódio, a falência das nossas instituições, nossa perda moral estão me mostrando o caminho do caos ou que já chegamos a ele.

Rei

- 2018-03-26 16:07:54

O patético Arkx surfando na onda anti-Lula

EXEMPLOS DE FRASES FALACIOSAS, DESONESTAS E MANIPULADORAS:

"os 13 anos de Lulismo só poderiam desembocar na maior de todas as crises de nossa História"

"nenhum "avanço", nenhum "legado"."

"apenas manipulações estatísticas, miragens de marketing"

ESSAS FRASES SERIAM ESPERADAS EM UM SITE DO MBL OU DA VEJA... EU PODERIA FICAR AQUI CITANDO DEZENAS DE EXEMPLOS QUE DESMONTAM ESSAS MENTIRAS... ALIÁS, ESSE PRÓPRIO BLOG JÁ DESMONTOU  TODAS ELAS...

AS FRASES SÃO TÃO MEDÍOCRES E "ALARMANTES" QUE LOGO APÓS ELAS MESMO SE CONTRADIZEM:

"fazer o grande capital pagar o pato de uma crise por ele, e por causa dele, desencadeada..."

UÉ... MAS NÃO ERA CULPA DO LULISMO??? AGORA O LULISMO É CULPADO POR NÃO TER CORAGEM DE CULPAR O GRANDE CAPITAL... "o Lulismo fará isto?"...

É INCRÍVEL QUE SE DÊ ESPAÇO PARA ESSE TIPO DE PORCARIA AQUI... AINDA MAIS NESSE MOMENTO DELICADO!

VOLTA PRO FACEBOOK, ARKX... ESSES TEXTINHOS ANTI-PT FAZEM SUCESSO LÁ... PANFLETEIRO!!!

j2c

- 2018-03-26 15:53:04

Luta?
Aprenda a usar bodoque (ou setra, como queira), depois cobre luta.

bobo

- 2018-03-26 15:38:19

É possível verificar que

Deputados, juízes, mídia e patos, todos passaram incolumes pelas medidas de "austeridade" no orçamento.

Lionel Rupaud

- 2018-03-26 15:37:31

Ele trabalha arduamente para ser o próximo

comentarista vedete do plim-plim.

Lâmpada de Diógenes

- 2018-03-26 15:31:21

Contradições

Se, ao final, o que restar for o acirramento das contradições, então talvez seja um modo de, enfim, romper com a hipocrisia que fundamenta a nossa sociedade faz séculos. Talvez não exista mesmo, ao menos nesse campo, parto sem dor. 

WG

- 2018-03-26 15:21:52

Caro Nassif, espero que você

Caro Nassif, espero que você e todos do blog resistam a esse tsumani fascista e às armas de guerra híbrida dos norte americanos. Sem dúvida, o Brasil está à beira de uma catástrofe.  

GalileoGalilei

- 2018-03-26 15:14:48

Xadrez da previsibilidade total

Pegando carona no comentário, abaixo, de Fernando J., tudo leva a crer que os setores sem votos (desde 2002) estão fazendo de tudo para melar as eleições deste ano.

A crise militar que se avizinha deve colocar mais querozene no fogo.

E por falar em querozene, já não era tempo de termos alguns dados mais concretos sobre os autores/mandantes da execução bárbara de Marielle? Já fazem 12 dias desde o ocorrido e, até agora, apenas uma pista (falsa?) sobre dois carros foi explorada. 

Será que pretendem mesmo deixar que o caso Marielle venha a ser esquecido e soterrado pelo novo noticiário? Um novo caso PC Farias?

rubens toledo

- 2018-03-26 15:05:42

A barbárie

Quando os testa de ferro das elites econômicas do Brasil se organizaram para botar fogo no circo não se deram conta, tamanha a arrogância, de que poderiam perder o contrôle. Foi o que aconteceu. O baixo clero do inferno, que controla as mais baixas emoções de gente que acha que só se resolve os problemas com violência, tomou conta do processo. Todas as referências de civilidade estão se esvaindo pro esgoto metafórico onde essas pessoas vivem. O que vai sobrar disso tudo? A idéia concreta de que não existe um Brasil. Existem vários, excludentes. Daqui a pouco tempo, precisaremos de vários vistos para passear pelo antigo Brasil.

 

Luiz Alberto Franco

- 2018-03-26 15:03:47

Xadrez da imprevisibilidade total

Lamento, mas não posso deixar passar sem comentário a frase "Mas o país permitiu que se jogasse fora o ativo Lula."

Ela faz de conta que o próprio Lula não teve culpa nenhuma e tivesse sido apenas vítima dos acontecimentos. Espero que no futuro algum analista rigoroso escreva sobre o papel desastroso que Lula teve em relação ao avanço do país em direção a governos socialmente mais sensíveis e responsáveis. O retrocesso que já estamos vivendo é fruto, em boa parte, do ego de Lula, de suas péssimas escolhas e da submissão do PT a ele. Considero que Lula deixou de ser um "ativo" e claramente passou a representar um "passivo" para as forças progressistas.

 

alexis

- 2018-03-26 15:01:12

cláusula de barreira

Em geral, partidos menores tentam garantir uma votação minima para possivel justificativa em relação a cláusulas de barreira. Mas, poderiam agir da forma que o faz o PCdoB, junto a Lula, com projeto similar e gerando base parlamentar com afinidade

Fernando J.

- 2018-03-26 14:51:26

Xadrez da PREVISIBILIDADE total na prefeitura de SP

Vem aí mais um desastre ferroviário de grande monta, a partir de 10 de abril. Bruno Covas,37 anos, garotão deslumbrado como se vê abaixo, neófito, jejuno, despreparado, enfim mais um sem-noção na prefeitura de SP. O desastre será imensamente maior.

A imagem pode conter: texto

GalileoGalilei

- 2018-03-26 14:50:51

Fake news & Discurso de ódio

A gente ainda não se deu conta de que "fake news" e discuso de ódio vêm sempre juntos.

Isso já era visível desde a campanha de 2010. Ver ficha falsa de Dilma, mas acho que agora não podemos mais ficar desatentos.

As mensagens propagadas pela Desembargadora não continham apenas mentiras. Era importante destilar também uma dose cavalar de ódio.

Procurem em todas as "falke news", e vocês encontrarão juntos, tal como irmão siameses,os discursos de ódio. Algumas vezes de forma mais sutis. Em outras, nem tanto. É a garantia de que mesmo após desmascaradas, as mentiras continuem sendo replicadas.

Como está sendo.

Jandui Tupinambás

- 2018-03-26 14:31:58

iNICIANDO COM MINÚSCULO

eNQUATO VOCÊ INICIAR SUAS FRASES COM MINÚSCULO, VAI CONTINUAR COMA PEXA DE TROLEIRO E DIREITISTA INFILTRADO. 

 

margot riemann

- 2018-03-26 14:31:32

Mundo afora temos o

Mundo afora temos o crescimento de direitas anti-democráticas, resultado da concentração econômica e do desemprego estrutural, que vieram na esteira da globalização. A ascensão social é coisa do passado, daí o crescimento da direita.

Ao mesmo tempo, os empates eleitorais, que se repetem por toda parte, indicam que não há no momento nenhum projeto surgindo no horizonte, que consiga impor-se com força.

A exceção são as democracias “reguladas”, Rússia, Turquia. Provavelmente em função do controle sobre a mídia, os projetos de Putin e Erdogan vão se renovando.

A velha democracia agoniza na medida do divórcio crescente entre economia e política. Tanto faz votar em partido A ou B, as margens de manobra dos governos são minúsculas - e quando tentam alargar essa margem, são derrubados.  A política mundial é comandada por verdadeiras “oligarquias”, que lançam mão de todo tipo de recurso para garantir seus interesses. O roteiro do golpe de 2016 é um exemplo a respeito.

Como disse o General Villas Boas, se tem uma coisa diferente no Brasil, é que não podemos ser coadjuvantes no cenário mundial, curvar-nos às demandas das oligarquias internacionais. O destino do Brasil é de ser protagonista. Mas dentro de qual perspectiva, com que proposta? Isso não está claro.

Reeditar a inclusão social dos governos petistas não dá. Pelo simples fato que inclusão para consumir, incorporar os valores do maravilhoso mundo dos shopping centres é criar cobras para te atacar amanhã. Trata-se de uma inclusão social tóxica.

Fiz pesquisa no fim do ano passado em Goiânia e verifiquei que a base mais fiel de Lula são os menos escolarizados e mais velhos. De forma inversamente proporcional, a crítica ao governo Temer decresce na medida exata do aumento de escolaridade. E esse fato não se deve a maior ou menor uso de noticiário de TV, bastante homogênea no quesito escolaridade. É consciencia política mesmo.

Maldita inclusão, diríamos. Até porque o subproduto dessa inclusão social tóxica é o aumento da drogadição e da criminalidade.

Lula, PT, esquerdas: não dá para reeditar esse caminho. Mas por onde passam as trilhas dos caminhos alternativos?

 

 

GalileoGalilei

- 2018-03-26 14:29:49

Ainda bem que não temos também uma crise militar

Mas é só até sábado.

Junior 5 Estrelas

- 2018-03-26 14:16:38

Arkx,sinceramente, que diabos

Arkx,sinceramente, que diabos você tem contra Lula ou o Lulismo?Pelos paupérrimos argumentos que apresentou até agora,se vivo fosse,teria pavor a Getulio.Como uma pessoa como você,esclarecida sem duvidas,as vezes confuso,aceita como normal o que o nazi-fascismo(midia+Judiciario em Geral),fazem contra Lula ou qualquer outro ser humano?Inadimissível seu comportamento,ou você pertence ao minusculo conglomerado dos CEM votos que gravita em torno do camaleonico Ciro Gomes,inclusive cientista politico de alto coturno,a exigerem que Lula abdique de sua candidatura,a ultima arma que lhe resta,para apoia-lo?Cresçam e aparecem.Literalmente.De novo, parabens ao Moreno Vivo pelo belo texto.Por um lapso,esqueceu-se de registrar que o "paiol" o acima assinado entregou a ele.

arkx

- 2018-03-26 13:32:03

Xadrez da imprevisibilidade total

nada de novo sob o sol negro do fascismo. a única novidade em curso é o completo acirramento das contradições, o desmascaramento sem qualquer pudor de um atávico reacionarismo, um projeto neo-colonial e semi-escravocrata sendo implementado sem mitigamentos. o restante são apenas o adeus às ilusões provocado pela aterrissagem forçada no deserto do real.

o Lulismo como o ovo da serpente. como era totalmente previsível, e foi insistentemente anunciado, os 13 anos de Lulismo só poderiam desembocar na maior de todas as crises de nossa História. nenhum "avanço", nenhum "legado". apenas manipulações estatísticas, miragens de marketing e uma completa desarticulação da capacidade da sociedade reagir ao Golpe de 2016. o qual não é também nenhuma novidade na sucessão de atentados à Democracia cometidos pela lumpenburguesia brasileira.

qual o significado política das votações do STF (7x4 e 6x5) a favor de Lula? mesmo se enfim o Lulismo conseguiu costurar uma última quimera de acordo, não existe nenhuma chance de superar a crise sem a adoção das "medidas populares", ou seja: fazer o grande capital pagar o pato de uma crise por ele, e por causa dele, desencadeada. o Lulismo fará isto?

Lula está sendo traído? não! não está! absolutamente nada do que tem sido especulado como traição a Lula por parte de setores do PT, ou alguns parlamentares, ocorre sem ter em si o dedo do próprio Lula. se Lula alguma vez foi traído, foi por ele mesmo. e onde Lula coloca seu dedo, a traição acontece. sendo disto como exemplo recente a implosão do PSOL, com uma candidatura Boulos ungida por Lula, nascida à fórceps e já com o teste de DNA Lulista positivo: não aceitou se submeter às prévias partidárias. ou seja: zero de democracia interna. um partido ou um movimento que não tem democracia interna jamais poderá ser um vetor de luta pela Democracia na sociedade.

.

jossimar

- 2018-03-26 13:28:42

Concordo. Com a globo o

Concordo.

Com a globo o brasil continuará ingovernável, seja pela direita ou pela esquerda. A globo é inimiga do brasil e tem der ser fechada, destruída, incendiada, qalquer coisa que a faça fechar as portas.

Também acredito que seus donos e alguns jornalistas de lá tem de ser presos. são bandidos.

jossimar

- 2018-03-26 13:26:07

A própria esquerda está a

A própria esquerda está a dinamitar este caminho quando todos partidecos que se dizem esquerdistas lançam candidatos.

Estes partidos acreditam que com os ataques que o PT sofreu nos últimos anos esles poderão crescer em cima da terra arrasada. Enganam-se. Se o Lula e o PT cairem, logo após serão todos eles.

O ÚNICO que enxerga isto é o Rui Costa Pimenta, do PCO. Parece ser o único que enxerga o gravíssimo momento em que vivemos. Como ele mesmo diz; "Destruído o PT o resto não dá nem para o cheiro".

Se o PT cair e esquerda já era. Ou serão todos presos ou calam a boca sob ameaça de sumiço.

A Marielle foi apenas um aviso.

paulovi

- 2018-03-26 13:15:28

Permite publicar na Facebook

Permite publicar na Facebook e vk?

 

Gilson AS

- 2018-03-26 13:12:22

Muito facil acabar com a
Muito facil acabar com a fonte do ódio no Brasil. Tem que se destruir a Globo . Globo e Democracia não podem cohabitarem no mesmo espaços. Uma terá que destruir a outra. Não sei qual a fórmula no momento atual, mas em alguma momento isso terá que acontecer. Ou a Globo ou a Democracia.

jossimar

- 2018-03-26 13:08:27

!Ainda não se deram conta –

!Ainda não se deram conta – assim como a esquerda – que o adversário, hoje em dia, não é Lula, o PSDB ou o PT, mas a iminência do país ser transformado em um enorme México, com a violência saindo das periferias e tornando-se instrumento de luta política."

Acho que este é o objetivo deles(judiciário teleguiado pelos EUA)*. Não é o caso "de não se dar conta".

* a finalidade é justamente enfraquecer ao máximo uma das pernas do BRIC's, se ainda podemos considerar o Brasil como um BRIC. Brevemente a "liderança" dos EUA no mundo será duramente contestada e provavelmente destruída. O Brasil seria estratégico para o BRIC por suas riquezas minerais, energéticas, aquíferas, terras agricultáveis, mercado interno, etc etc então os EUA trataram de destruir a perna mais fraca, nós. Um país de ignorantes, colonizados, alienados pela globo e sem a menor noção de geopolítica.

jossimar

- 2018-03-26 13:01:53

"ante a iminência da eclosão

"ante a iminência da eclosão de movimentos terroristas, em cima do ódio plantado na última década."

Já eclodiu, este foi apenas o primeiro.

O comportamento da senadora(sic) ana amélia e do noblat tentam elevar os ânimos para mais atentados, agora contra a pessoa do Lula e contra aqueles que supostamente ousam defendê-lo.

Se estivéssemos em um país com leis os dois deveriam ser presos imediatamente. Ela cassada.

Álvaro Noites

- 2018-03-26 12:55:19

O que esperar de um país onde

O que esperar de um país onde as Polícias mais do que nunca mostram-se verdadeiras Guradas Pretorianas da Casa Grande?

É assustador ver por exemplo, a conivencia/omissão das polícias gaúcha e catarinense em relação às milícias que atacam a caravana de Lula.

Os apoiadores dessas milícias são os mesmos que se horrorizaram com os famigerados Black Blocks quando esses depredavam agências bancárias.

Isso aqui se tornará uma Síria, se é que já não se tornou.

paulovi

- 2018-03-26 12:50:06

PRA XUCRADA:Conta uma

PRA XUCRADA:
Conta uma história que havia um burro amarrado a uma árvore.
O demônio veio e o soltou.

O burro entrou na horta dos camponeses vizinhos e começou a comer tudo.

A mulher do camponês dono da horta, quando viu aquilo, pegou o rifle e disparou.

O dono do burro ouviu o disparo, saiu, viu o burro morto, ficou enraivecido, também pegou seu rifle e atirou contra a mulher do camponês.

Ao voltar para casa, o camponês encontrou a mulher morta e matou o dono do burro.

Os filhos do dono do burro, ao ver o pai morto, queimaram a fazenda do camponês.

O camponês, em represália, os matou.

Aí perguntaram ao demônio o que ele havia feito e ele respondeu:
– “Não fiz nada, só soltei o burro”.

Conclusão, Se vc quiser destruir um país, Solte os Burros !

 

Alexandre Tambelli

- 2018-03-26 12:39:27

Com certeza que não!

Discurso de ódio com certeza não enche barriga rd! 

O voto final será dado no Brasil pelo discurso que melhor incorpora a imagem do Bolso Cheio, este é um grupo de eleitores em número majoritário penso eu.

Se desconstruírem da memória os tempos de PT no Governo Federal e construírem uma candidatura que encarna a ideia de volta ao consumo ela pode ganhar juntando votos do eleitorado de Lula, não os eleitores de esquerda ideológica, mas do povão e a classe média tradicional. 

Bolsonaro pode até se tornar um candidato que surpreenda no final, pessoalmente creio que não conseguirá chegar lá e como você disse e eu estou dizendo, um "Presidente fake news" não terá durabilidade no Brasil. 

E duraria pouco a sua relação amigável com o eleitorado. 

Em 1989 tivemos o Collor e o confisco da poupança, o FHC de 1998 logo caiu em desgraça, em certo ponto (colocando todas as questões pré-Golpe, a perseguição da Lava-Jato e midiática, Aécio, Cunha, etc.), até a Presidenta Dilma com o pacote do Levy caiu em desgraça. 

Imaginemos nesta ladeira econômica abaixo o que não pode acontecer.

As pessoas votam, a maioria,em uma proposta que acene para a melhoria da sua condição de consumo e independe de Ideologia, de esquerda, direita, penso eu. Não tem quase conhecimento teórico, geopolítico, econômico. É convencimento e prática.

Vamos ver o que nos apresentarão como solução anti petista e anti esquerda. 

Abraço,

Alexandre!

Raymundo Júnior

- 2018-03-26 12:19:37

Seria..

"Há um sentimento crescente no ar, de pessoas vendo o carro caminhar em direção ao barranco Bolsonaro. A iminência do desastre poderá despertar algum sentimento de sobrevivência." Essa sobrevivência pode vir pela "reeleição" (digo, eleição) do nosso Boris Yeltsin?

Afinal, ele não está jogando o jogo do mercado? Só precisaria retirar algumas peças no Parlamento? Sem o Lula e com a máquina (mesmo sem muito combustível financeiro) dá pra ganhar dos outros candidatos.

ze sergio

- 2018-03-26 12:00:46

Xadrez.....

"Cachorro atrás do rabo". A geração de 64 produzindo seu futuro : não sair de 64. Batalha da Maria Antonia. Alguma semelhança? Grupos Organizados e Ideologizados batalhando. E o Povo, bovinamente, assistindo. Escolha plebiscitária em Urnas Ditatorialmente Obrigatórias. Acontece que o futuro chegou para esta geração. E o futuro é o cemitério. Parabéns pelo resultado obtido. Ruas, tragédias, presídios brasileiros,... demonstram o valor de tais conquistas. Obrigatórias. O Brasil se explica.  

Ferreira Pinto

- 2018-03-26 11:48:14

  O povinho reproduz o

 

O povinho reproduz o discurso anti-Lula automaticamente.

Edemar Motta

- 2018-03-26 11:45:01

O gaúcho de Sarmiento há

O gaúcho de Sarmiento há muito deixou de existir. Basta observar os sobrenomes da maioria dos "manifestantes" do RS para concluir que o típico gaúcho só remanesce na literatura e na história.

Rei

- 2018-03-26 11:44:11

Imprevisibilidade chama uma ditadura

Eu consigo imaginar 2 cenários nos quais uma ditadura aberta e declarada se instalaria no Brasil:

1-CANDIDATO DE ESQUERDA GANHANDO AS ELEIÇÕES 

Se algum candidato não alinhado com a mídia e com essa direita intransigente ganhar nas urnas eu acho que dificilmente será possível terminar o mandato. Em algum momento sofreria um golpe e o vice dessa vez não seria o "Plano B" para estancar a sangria... ou seja... seria necessário um golpe total para tomar o poder.

2-CANDIDATO DA DIREITA ASSUME E SOFRE AMEAÇA DE IMPEACHMENT

Outro cenário possível é a vitória de algum candidato de direita como Alckmin seguida de acusações graves de corrupção... algumas já existem atualmente. Nesse cenário a mídia e o judiciário 100% partidários entrariam em colapso. As instituições brasileiras não estão preparadas para isso.

Os dois cenários são totalmente plausíveis... 

Será que o país está relamente imprevisível ou nós que não temos coragem de prever o futuro amargo que está se formando? Estamos vivendo um "caos" ou essa a nova realidade brasileira?

Ferreira Pinto

- 2018-03-26 11:42:43

  O povinho de São Paulo

 

O povinho de São Paulo incorporou o discurso anti-Lula com a maior naturalidade possível. Ao difundir esse discurso, esse povinho se sente parte da elite. 

É muito analfabetismo político.

CB

- 2018-03-26 11:35:57

A história conta como

A história conta como terminou em tragédia mundial a loucura fascista na Alemanha e Itália das primeiras décadas do século XX. E aqui, como será o fundo do poço? Uma mistura de Paraguai, México, Líbia, Nigéria? Qual será a tragédia mundial final em que o mundo terminará envolvido após a loucura da banca, dos EUA e dos grandes grupos econômicos intressados na exploração do resto do mundo impondo um novo modelo de colonização? "Vai dar em merda", diz um sujeito; "E não vai ter merda pra todo mundo", retruca o pessimista.

Luis Armidoro

- 2018-03-26 11:31:50

Prezados Camaradas Considero

Prezados Camaradas

Considero este o pior xadrez, no sentido de ser o mais sinistro

Estou preocupado em haver uma fragmentação territorial de nosso país, pois há uma regresão (por parte de nossas classes dominantes) a um novo pacto colonial.

E esta classe dominante (representada pela "justissa") se comporta como a Aristocracia do Antigo Regime: não estão nem aí, desde que a grna esteja em seus bolsos. Quando acordaram com a cabeça espetada num cepo ou caída num cesto, reclamaram.

Uma vez o prezado Luis Nassif disse que o Sr. Crise resolveria a situação. Mas a água já betu na bunda e estamos afundando mais. 

A situação brasileira não parece com a Rússia desgovernada por aquele imbecil do Bóris Yeltsin? (houve até redução da população russa naquela época). Tenho para mim que este sujeito não foi só posto no comando da CEI (sucessora da URSS, que depois se desmembrou em vários países) pela CIA como foi um fantochão dos norte-americanos.

Aqui, o deseinterino é apenas um punguista que quer roubar o que puder carregar para fora. Os fantochões vestem togas e ternos, e viajam toda semana aos EUA para entregar o Brasil

Alexander

- 2018-03-26 11:28:48

Talvez até inconscientemente.

Talvez até inconscientemente.

Victor Suarez

- 2018-03-26 11:23:26

Adicione-se a isso: 1.

Adicione-se a isso:

1. Estamos numa guerra mundial distribuídas ao redor do Globo (Síria, Yemen, Ucrânia, Afeganistão, Iraque, Africa).

2. As criptomoedas chegaram para forçar a digitalização de todos as formas de trocas, escravizando o cidadão. Vejam o que aconteceu na ìndia (retirada de circulação de papel moeda mais usado pelas classes pobres e obrigação de abrir conta em banco), é muito grave.

3. Desindustrialização total e plena do Brasil, num cavalo-de-pau jamais visto na história desse país.

4. Retorno do Brasil a situação de mero fornecedor de alimentos e minerais, com a ajuda de muitos funcionários públicos que se venderam por muito pouco.

5. O mundo ocidental rico tenta resolver seus problemas e contradições democráticas e financeiras com GUERRAS e recolonização de países periféricos. A Europa quer a Rússia.

6. MPF sempre agiu politicamente. Na área ambiental eles são a ponta de lança do establishment mundial.

 

Canalhas!

Giuseppe Junior

- 2018-03-26 11:17:23

Está corretíssimo. É

Está corretíssimo. É impressionante como o setor progressista ainda não percebeu que  caminho é ganhar o Congresso e, para meu desalento, a poucos meses da eleição, nenhuma estratégia foi elaborada em torno deste desiderato.   Tenho que o caminho para ganhar preciosas cadeiras nos legislativos estadual e federal em 2018 não passa pela candidaturas "de partidos de esquerda", mas de "segmentos sociais e/ou profissionais", do tipo bancada dos professores, bancada dos profissionais de saúde (não bancada dos médicos, Deus me livre), etc, pois possuem grande capilaridade numérica e afastam o estigma partidário, DESDE QUE OS CANDIDATOS escolhidos não sejam os nós-cegos que costumam ocupar os sindicatos de algumas categorias.

Danilo Azevedo

- 2018-03-26 10:34:44

Correção do nome da Mari
Nassif, o nome é Marielle!

Ze Guimarães

- 2018-03-26 09:55:41

Há uma certa previsibilidade sim.

O ódio dominou o cenário nacional, como todos sabem o objetivo do ódio é a destruição. Então, dá pra prever de longe para onde o país caminha - destruição.

Só não dá pra prever como isto se dará, se por governos fascistas, se por uma nova ditadura, ou até que ponto a destruição alcançará, na economia, no tecido social, nas instituições, mas o rumo escolhido pela elite para nosso país é este.

Rafael Oliva

- 2018-03-26 09:42:40

Marielle, não “Mariela”

O nome de Marielle Franco foi grafado equivocadamente como “Mariela”.

alexis

- 2018-03-26 09:15:31

Quem sabe faz agora, não espera acontecer

Num quadro como o descrito a coluna progressista deve avançar seguindo o seu próprio rumo e destino. Não podemos deixar que seja o acaso o dono do nosso futuro. Lula está com um farol na mão, na frente. Sigamos juntos. O nosso norte agora é de encher o congresso de parlamentares progressistas e reverter democraticamente este golpe. 300 espartanos detiveram o exército persa, apenas pela sua organização e posição estratégica. Nós somos mais numerosos que aqueles espartanos, e basta convergir para a união programática e estratégica em torno do Lula e de uma base parlamentar comum.

Marcos K

- 2018-03-26 09:04:20

Thierry Meyssan indica o

Thierry Meyssan indica o nosso futuro: caos total como na Líbia

Também tenho a convicção que quem está por trás desse jogo de manipulação (NSA, CIA, etc) aprendeu bem as lições de Goebbels sobre como controlar a opiniãp pública. Esteja onde estiver ele provavelmente está muito orgulhoso com seus discípulos.

Adolfo Silva Rego

- 2018-03-26 08:21:47

As agressões à caravana de Lula
A situação é hipotética, pois o personagem da comparação adiante jamais teve prestígio para ser ouvido em lugar algum, e seus apoiadores, apesar de existirem, o faz dissimulada e secretamente, geralmente dizendo-se neutros. Dada a situação política atual e ante os últimos acontecimentos, uma comparação é inevitável. Imaginem se o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso decidisse fazer uma caravana pelo País, similar à de Lula, e militantes de esquerda e movimentos sociais tentassem impedir seu trânsito pelas vias públicas, armassem emboscadas igual a cangaceiros, alguns ostensivamente armados, agredindo o ex-presidente e seus apoiadores com pedras, ovos, rojões e diversos utensílios! Certamente, diante do cenário imaginado, as agressões teriam destaque em todas as redes televisivas e os manifestantes seriam tratados como massa de manobra dos partidos e políticos de esquerda, chamados de baderneiros, comparados a terroristas, bandidos etc. Inevitavelmente, os órgãos de repressão do Estado iriam, imediatamente, defender a "democracia ameaçada" e já teriam, para tanto, se utilizado de meios violentos, como gás de pimenta, cassetetes, balas de borracha, prisões etc. Pois bem. A caravana do ex-presidente Lula pelo Sul do Brasil tem sido vítima de lamentáveis agressões, de atos covardes, violentos, antidemocráticos, criminosos. E a mídia silencia, os órgãos do Estado se omitem ou incentivam, pois o Ministério Público Federal tentou impedir que o ex-presidente visitasse uma instituição de educação. Aliado a isso tudo, manifestoches se vangloriam, nas redes sociais, da "bravura" dos envolvidos nas odientas cenas de agressão, espalhando e multiplicando o ódio não só ao ex-presidente Lula, mas a toda a esquerda, a todos que se identificam com causas democráticas, com um viés mais social etc. É esse o estranho cenário em que vivemos atualmente.

Bruno Cabral

- 2018-03-26 07:24:16

Fator Bolsonaro

Parece-me que Bolsonaro saira da disputa tao logo o "fator Lula" seja neutralizado pela segunda condenação, a do sitio. O STF ainda não pautou o julgamento e após Bolsonaro condenado, basta deixar de citá-lo na midia pra ele cair no ostracismo.

Ademais, casos como este ficarão cada vez mais comuns http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/brasil/2018/03/25/interna_brasil,746328/mulher-desiste-de-ser-madrinha-por-noivo-ser-fa-de-bolsonaro.shtml

rdmaestri

- 2018-03-26 06:43:34

Meu caro, discurso de ódio não enche barriga.

Bolsonaro podeia até começar um governo levando ao extremo o discurso de ódio, assim como os governos fascistas do passado, porém este discurso não tem nenhum substrato em termos econômicos, e ficaria mais desmoralizado do que qualquer outro governo.

Não esqueça que tanto o governo fascista italiano, como o nazista, se moveram no início com uma forte privatização dos bens públicos, e passado esta época tiveram que dar soluções econômicas e entraram em guerra para poder barrar os reclamos populares.

rdmaestri

- 2018-03-26 06:35:38

Caro Nassif, tecnicamente não utilizaria a palavra .............

Caro Nassif, tecnicamente não utilizaria a palavra imprevisibilidade, mas sim instabilidade.

Se pensamos nos sistemas sociais como sistemas que poderiam ser analisados por uma série de equações diferenciais, a previsibilidade ou imprevisibilidade, deveriam ser substituídas pela palavra estabilidade do sistema, ou seja, a condição do mesmo seguir a grosso modo uma determinada direção prevista a partir de uma situação inicial e condições de contorno.

Na realidade todos os sistemas sociais apresentam um determinado grau de imprevisibilidade, pois como o seu movimento é causado por um número muito grande de atores que seguem a sua própria lógica ele tenderá sempre a apresentar situações imprevisíveis. Porém as chamadas condições de contorno que limitam as oscilações do comportamento geral, e exatamente as condições que colocaste são essas condições de contorno.

Em situações de normalidade todas estas condições de contorno limitam grandes oscilações dos sistemas, porém o que se passa nos dias atuais é que elas tão mais para pontos de ruptura do que limitação das oscilações sociais. Exemplificando melhor:

O sistema judiciário está se desmoronando aos olhos da população em geral, ou seja, não é tanto a inatividade deste sistema que prejudica a sua própria capacidade de contenção. O descrédito que já era latente em parte da sociedade começa a ficar praticamente um consenso. As pessoas que duvidavam de nosso sistema judiciário estão substituindo a dúvida sobre a sua fiabilidade pela certeza absoluta. Quem nem pensava nisto passou a ter a incerteza do primeiro grupo, e a própria desmoralização do mesmo pela sua permeabilidade as pressões oligárquicas estão sendo vistas pela maioria da população.A esperança em vencer em ambientes competitivos, que inclusive foi muito valorizado pelos discursos do PT durante seus governos, começam a ser abalados pelas atuais situações do mercado e ainda há muitos que se agarram na “Esperança Lula”, para voltarem a ter possibilidade de crescerem. Ou seja, há um paradoxo que a direita não se dá conta, a destruição de uma possibilidade de reeleição de Lula, que é um conforto para a direita, na realidade se transforma num imenso fator de desesperança dos que ainda acreditam na saída individual. Os discursos de Lula, prometendo uma nova prosperidade, é um fator de estabilização enquanto este discurso é transmitido ao povo, porém quando esta promessa for inviabilizada, a condição de contorno de contensão do processo tende a se romper.Os partidos apesar de sofrerem imensa degradação, são ainda fatores de ligação entre a oligarquia dominante e o povo, à medida que estes se enfraquecem, restando um governo totalmente afastado de qualquer anseio popular, os partidos deixam de ter condições mediadores contendo as maiores oscilações sociais.O uso das forças armadas para dar uma sensação de segurança é exatamente o grande erro do atual governo, simplesmente porque como todos sabemos as forças armadas como não existem como um fator de segurança interna, pois na realidade elas sempre são utilizadas como um forte mecanismo de repressão dos movimentos populares. Porém para que esta ação paliativa exista é necessário que ela seja feita com uma cobertura de censura, de impedimento de manifestações populares e fechamento do regime, pois somente com estas ações são controlados os sintomas e não a doença, deixando para uma pequena parte da população, que serve de sua base, uma aparente sensação de segurança. Porém num sistema ainda com um determinado grau de abertura, a ineficiência desta fica patente para toda a população e um posterior uso dela para com os mecanismos de censura, repressão e fechamento completo, a resistência ao seu trabalho será extremamente maior do que na condição inicial indicada. Ou seja, fazendo uma análise anacrônica e comparativa entre, por exemplo, um fechamento como o de dezembro de 1968 e algo análogo que se fizesse nos dias atuais, resultaria num apoio de uma parcela extremamente significativa da população a movimentos de contestação mais radicais ao regime. Ou seja, algo feito nos dias atuais, não teria nenhum efeito análogo a 68 que permitisse a perpetuação de um governo militar. Poderíamos dizer que com a censura, o fechamento completo das liberdades democráticas, que aos poucos já estão desmoralizando a ação militar, o ponto de partida seria de um novo regime militar num patamar muito mais baixo de confiança, seria mais um ato de desespero do que se procura de solução.O fator econômico internacional não está sendo levado em conta pela imensa maioria dos analistas que abordam o problema da manutenção da governabilidade no Brasil atual, e certamente este é o mais grave, pois impede soluções fortes para a contensão social no país. Nas décadas de 60 e 70 o Imperialismo tinha uma perspectiva de INVESTIMENTO no país para criar ou ampliar setores produtivos, que bem ou mal criavam empregos e riqueza para o país. O Imperialismo do século XXI não trabalha nesta hipótese, eles preferem receber ativos consolidados e simplesmente monetizá-los o mais rápido possível, para rapidamente transferi-los para seus acionistas. Ou seja, a capacidade de investimento do capital Imperial está esgotada, e o único país que tem capacidade de investir produtivamente no país, a China, sofrerá resistência do Imperialismo Norte-americano dominante.

Poderia seguir citando uma série de outros fatores políticos e econômicos que diminuem a capacidade de contensão social no Brasil. E que ocorre é que com isto o sistema começa mais, e mais, se tornar instável, passando de uma situação em que para instabilizar o sistema seria necessário grandes perturbações e pouca ação das condições de contorno de controle social. Para o sistema atual qualquer pequena perturbação pode se transformar incontrolável, mesmo que se empregue atitudes drásticas como um regime de força.

O mais interessante é que a medida que o desgoverno atual progride, as soluções possíveis tornam-se mais fatores de instabilidade do que ao contrário, por exemplo, o impedimento da candidatura Lula, trás um grau de estabilidade por um lado e um forte grau de instabilidade por outro.

Se pensarmos numa possibilidade de um regime ditatorial sobre controle militar, em vista da incapacidade do apoio internacional dos países imperialistas para injetar dinheiro novo para reaquecimento da economia, este regime ditatorial se tornará não só um fator de instabilidade, mas sim um fator de completa ruptura das condições de controle da Oligarquia.

SergioMedeirosR

- 2018-03-26 06:18:44

A barbárie chegou,no sul,das portas do inferno emerge o fascismo

A barbárie chegou...

UM AVISO - ...aos que acham que a barbárie cometida contra a caravana de Lula, ficará restrita aos grandes atos políticos, lamento informar, a barbárie, quando começa, se espalha por todos os cantos e lugares, ninguém esta a salvo....

Lembro bem o começo de tudo isso, foi o momento em que discursos do ódio encontraram espaço e palavras de ordem, onde se clamava por lutadores com facas nos dentes e sangue nos olhos, em que a palavra linchamento passou a ser tolerada para os excluídos, e a tortura e os torturadores foram justificados como heróis.

Discursos que refletiam, e refletem, o ódio mais visceral e anti-humano jamais visto entre nós, e que antes se circunscrevia, praticamente aos discursos entre seus pares fascistas e à internet, às redes sociais(sic)...

A consequência deste exercício de ódio, que se difundiu e viceja cada vez com mais intensidade, é um lugar comum.

Na lição de Sarmiento* (em sua gênese histórica), quando se refere ao gaúcho primitivo... ele, sem peias, conclui. ”É impossível construir uma sociedade moderna com indivíduos bárbaros.”

Pensem, que das palavras a ação é um passo, e este discurso do ódio (que, no sul, trouxe a tona este gaúcho primitivo), disseminado nestes períodos turbulentos, tem consequências nefastas – que se protaem no tempo e em todo nosso espaço de influência - e , quando chega ao mundo real (em contraposição ao virtual), destrói tudo que se possa chamar vida em sociedade, transforma-se em guerra civil.

Talvez, agora, muitos se envergonhem disso (de disseminarem o ódio na internet, sem pensarem no que estavam fazendo ou suas consequências), mas, de qualquer forma, é preciso que saibam, este mesmo discurso, tomado como verdade por indivíduos que - à semelhança dos gaúchos primitivos, agem da mesma forma bárbara -, frente a uma situação de contraposição de idéias ou situações de fato, não refletem e se deixam levar por seus instintos - , pode, em muitas oportunidades, sem motivo algum, apenas e somente pura barbárie, ter como alvo, nós, nossos filhos, pais, familiares, amigos ou quaisquer outros, inocentes.

A linha que separa o comportamento civilizado da barbárie é tênue – e o que impede os marginais, bárbaros on-line, fascistas, ou pessoas desesperadas por não terem comida suficiente ou um abrigo decente para si ou suas famílias, de nos atacarem no meio da rua ou em qualquer outro lugar - e por serem mais fortes, ou terem uma arma, tirarem o que quiserem, nossos pertences, nossa vida - ,  é uma mera convenção chamada civilidade.

Não deveríamos nunca termos ultrapassado esta linha, porque depois de avançado por demasia neste terreno, talvez não haja mais como contermos a reação em cadeia.

O desemprego e a miséria, decorrentes da ideologia política do grupo que se apossou do poder, está sendo combatido com ódio e força.

O povo humilde, sem emprego, sem moradia e sem pão, e seus defensores, estão sendo reprimidos barbaramente.

Então, que não se esperem flores, uma vez que não semeadas.

Um alerta antigo, infelizmente, talvez seja tarde demais.

Politica e humanidade versus o exercício do ódio.

Politica é para ser feita com debate de ideias e não com manifestações de ódio.

A cada dia, a grande imprensa (segundo sua própria concepção – o maior partido de oposição...  a posições de esquerda) para referenciar seus candidatos, divulga em suas páginas, um discurso do mais brutal e letal ódio ao Partido dos Trabalhadores (direcionado primordialmente a Lula, seu expoente) e a outros partidos de esquerda.

Neste espetáculo, todo dia elegem como seus heróis, políticos ou comunicadores, com discursos vazios de conteúdo, mas cheios de ódio, que com o dedo em riste, à semelhança dos imperadores no Coliseu de Roma, indicam os cristãos a serem atirados às feras, isso, pelo simples fato de serem cristãos (adversários) e impedirem seu acesso ao poder.

Este discurso, promovido pelos profissionais do ódio, (que o usam para se auto referenciarem) é dirigido às pessoas simples do povo, que em razão das condições sub humanas a que as colocaram, se tornam  suscetíveis a tais influencias e instigações.

Isto, para todos, e mais especificamente para nós, sociedade civil em seu mais amplo aspecto (a parte ainda não infectada pelo vírus do ódio), é algo mais que lamentável, é terrível, significa que, nossa humanidade (coletiva), florescerá num período mais distante na história.

Pão e circo.

Eles (os mercadores do ódio) não são responsáveis pela distribuição do pão – nem de seu irmão gêmeo em dignidade, o emprego -, e, talvez por isso, durante algum tempo, de 2002 a 2015, este não tenham faltado na mesa da maioria dos brasileiros (vide a noticia que o Brasil foi retirado do quadro da fome pela ONU em contraposição a recente notícia que voltou a ser incluído).

Entretanto, os donos dos meios de comunicação se esmeram em oferecer um dos circos mais cruéis – nem um pouco diferente das arenas e coliseus em que os cristãos eram atirados às feras.

De suas iniciativas emergem atos inomináveis, linchamentos, discursos do ódio (preconceitos de classe social, contra minorias, racistas, homofóbicos), ou simplesmente tendentes a destruição dos contrários na politica (Partido dos Trabalhadores) – não remetem para um debate de ideias, aonde se identificaria a origem do pão e de sua subtração por tanto tempo à grande população deste país.

Triste conduta de nossa grande imprensa.

Neste cenário, muitas vezes como meros assistentes, torcemos de forma quase desesperançada (e, é preciso que nos ergamos, com mais força e determinação), para que nunca faltasse o pão, pois, o discurso do ódio, encontra terreno fértil nestes períodos de escassez de alimentos, e libera os instintos mais baixos e que levam a desumanização dos “homens”.

O debate sério e politizado (embate de ideias e propostas) eleva a sociedade de patamar civilizatório, entrega, para ser exercido de forma consciente,  nas mãos do povo, seu destino.

Por isso toda forma de ódio deve ser condenada, pois revela o não humano, configura-se em sua negação.

É preciso combater esta politica traduzida e divulgada na grande mídia,  que em seu discurso, traz a semente da violência, da desconstrução do outro pelo ódio, e gera apenas mais violência, permitindo que a generosidade seja atacada como ingênua e exaltando o poder coercitivo, alijado de qualquer razão, como sendo o caminho da pacificação.

Não entendem que violência gera violência, e, os exemplos de torturas inomináveis no período da Ditadura Militar e em linchamentos ocorridos recentemente, comprovam as consequências de tais discursos, libera o que tem de mais abjeto e primitivo em indivíduos, indivíduos estes, que se ressentem da falta dos atributos de humanidade, ou seja, solidariedade, respeito, dignidade, amor, que deveriam ser inerentes a todos, para assim serem chamados de homens.

Infelizmente, nesse teatro, ao contrário dos dramas literários, não há catarse, não nasceremos limpos após estes embates irem ao fundo de nossas almas, isso porque a mentira e ódio que emanam destes ditos “órgãos de comunicação”, envenenam o ambiente e retiram a capacidade dos indivíduos nela imersos, de poderem ter a necessária compreensão de sua própria e intrínseca humanidade e assim exercerem seu livre arbítrio na direção do bem e do amor ao próximo (algo que considero acima de religiões, e que, juntamente com a razão , forma a figura do homem - no plano religioso, considerado como cunhado a imagem e semelhança de Deus).

 

*“As qualidades mais positivas do “gaúcho”, acredita Sarmiento, são a inteligência natural que demonstra no exercício excelente dos trabalhos rurais, a grande fé em seu próprio valor, que lhe permitiu destacar-se e triunfar nas guerras de independência, sua privilegiada sensibilidade, seu caráter imaginativo e poético (Facundo 63-93). O “gaúcho”, essa semente do argentino do futuro, é, em todo sentido, um ser extraordinário, A sociedade e os maus governantes, com seu egoísmo, conspiram contra ele. Sua personalidade, sem dúvida, também mostra aspectos negativos. Como ser bárbaro é um indivíduo cruel, oscilante, que passa da indiferença a ira, e ao invés de refletir se deixa levar por seus instintos. Segue cegamente a seus chefes, sem pensar. É vítima dos caudilhos. Estes, por sua vez, são os chefes bárbaros, bestiais e egoístas que governam o grupo. Põem suas qualidades bárbaras a serviço de seus próprios interesses. São destrutivos para a pátria. É impossível constituir uma sociedade moderna com indivíduos bárbaros.  (Facundo, Sarmiento)”

 

 

Alexandre Tambelli

- 2018-03-26 06:13:11

Um Presidente fake news fabricado na lógica do voto pelo consumo

O perigo de se eleger um "Presidente fake news" no Brasil da prevalência da sociedade de consumo.

O Golpe no Brasil está descontrolado e, bem sabemos, facilita a um descontentamento e descrença generalizados da população e gera, por hora, divisão social que pesquisas eleitorais mostram ir por dois caminhos preferenciais com votos a seguir:

a) A memória do Lulismo e o voto popular do consumo além do básico e da inclusão (classes D e E) e ascensão social ao extrato que chamamos de classe C indo aos shoppings, viajando pela CVC, pegando avião para visitar parentes e fazendo seus churras todo final de semana - voto na memória dos tempos do Lula e associados a ele;

b) Os extratos de classe média e média-alta tradicionais, que formam um conjunto social que experimentou (a classe média tradicional) com o PT no Governo a emancipação da sociedade de castas, do sujeito que abandonou a vida retilínea do trabalho, filhos em escola particular, um carro na garagem e o tradicional Guarujá nas férias. Sujeito que se tornou um protótipo de cosmopolita, indo pra Miami, pra Nova Iorque comprar enxoval, levando os filhos pra Disney e viajando pra Europa em seus pontos turísticos mais relevantes: Vaticano, Coliseu, Torre Eiffel, Passeio no Danúbio de barco, etc. E sujeito de uma nova realidade: a do restaurante caro e da balada em grande quantidade, etc.; - hoje aqui se quer votar em alguém para além Lula e dos golpistas, grupo anti petista desde sempre.

Explica-se o fenômeno Bolsonaro atual, em parte aqui, um candidato ideado na busca da retomada do consumo e vindo de fora da polaridade tradicional lulismo X antipetismo (consumo X exclusividade de consumo), encarnado o anti petismo pelo PSDB até o Golpe, que foi um engodo social para a maioria dessa gente.

Bolsonaro fruto, também, do processo de desconstrução e perseguição doentio e radical midiático-judicial contra o PT, Lula e Dilma para o Golpe vingar. PT, Lula e Dilma culpados pela mídia oligopólica capitaneada pela Rede Globo como os responsáveis maiores pelo caos econômico atual.

Bolsonaro é, atualmente, também, um candidato da Lei e da Ordem, da não-corrupção inculcada com a fabricação diária do discurso Lava-Jato. O voto nele está para além do Fascismo que tão bem Bolsonaro representa.

Talvez ou não, de tiro rápido a sua colocação eleitoral de hoje.

Há um perigo nesta divisão lulismo X anti petismo: ela pode se diluir no período eleitoral.

Estes grupos, talvez, se dividam ou se aproximem no período eleitoral em partes significativas.

Fazem parte do ideário do consumo, da inclusão social na prevalência do consumo ou da ampliação do consumo para além-fronteiras de uma sociedade de castas brasileira, que se caracterizou em muito na vida fixa dos atos cotidianos cada um no seu “quintal social”.

É o eleitor do voto dado sem Ideologia partidária e sem consciência mínima do Golpe neoliberal radical e suas consequências imediatas, continuadas e futuras. É voto despolitizado, quase sem cidadania mínima e quase sem criticidade no votar. É voto pendular, não fixo por Ideologia.

No Brasil se notabilizou antes do PT esta sociedade retilínea que assim se desenhou:

Pobre sendo pobre a vida toda. 75% dos brasileiros.

Classe média sendo classe média a vida toda. 20% dos brasileiros.

Classe média-alta tendo algumas regalias do cosmopolitismo. 4% dos brasileiros.

Ricos fazendo o que quiserem. 1% dos brasileiros.

Pouquíssima mobilidade social só dentro da necessidade de produção de uma pequena Elite estatal e econômica em prol da defesa da sociedade de castas, os capatazes da Burguesia pinçados da classe média tradicional.

Nós, das diferentes matizes de esquerda e ou matizes nacionalistas/desenvolvimentistas, até de uma direita séria, somos uma pequena casta misturada dentro dos estratos sociais no Brasil, não somos mais de 20% da população, capazes de entender o Golpe, a Geopolítica do Império, o neoliberalismo e não nos estruturamos como indivíduos na sociedade via consumo e, sim, como Ser Social e Político e buscando exercer, com os meios adversos do Capitalismo radical e financista por excelência, a nossa cidadania, a consciência crítica diante da realidade brasileira e fazendo o contraponto e a discussão da realidade brasileira atual. Porém, somos no máximo 1/5 da população, não podemos fugir desse fato.

O perigo de uma sociedade em que a Educação Política e a Educação Econômica foi dimensionada pela maior ou menor possibilidade de consumo e não pela Educação crítica e escolarizada, ensinando os fatores econômicos e políticos que levam ao maior ou menor nível de consumo das pessoas, é se poder votar em qualquer candidato que detenha um discurso associado à retomada das chances de consumo perdidas e notificadas pelas mídias oligopolizadas e redes sociais, as perdas, como culpa dos petistas e no caso de Temer pela própria realidade que ele constrói.

Lulistas e anti petistas podem entrar na mesma campanha e candidato por motivos econômicos apesar de serem antípodas sociais: uns querendo ser aceitos na sociedade de consumo e outros querendo certas exclusividades na sociedade de consumo.

Um aparte.

Eu acreditei muito no processo de memória coletiva do passado recente, mas o silêncio dos extratos sociais menos abastados me faz ressabiado, eles não se indignam coletivamente pelas perdas notórias de direitos trabalhistas, sociais, de perda da capacidade, mesmo que limitada, de consumo.

Continuando.

O discurso fabricado de que o caos econômico atual foi resultado de políticas econômicas desastradas do PT no Governo pode ser mais elevado, prevalência na escolha do candidato, do que qualquer revolta popular atual ou discurso eleitoral relembrando a condição do país, anterior à chegada de Lula ao Poder e como está agora.

Este discurso de culpar o PT, Lula e Dilma atinge o eleitor consumista, sim! Se vencer a desconstrução histórica do PT no Poder o eleitor pelo bolso e não partidário ideologicamente vai para qualquer lado, por incrível que possa parecer sem precisar das ruas se manifestarem. É o voto silencioso. Voto que vai para o mais inesperado lugar, porque é apenas dado pela expectativa futura, crendo que nada no tempo atual muda as coisas, e o passado foi um "engodo", nada muda, senão, a Eleição do “Salvador da Pátria”, que pode ser até o Bolsonaro, hoje está sendo, se silenciarem a voz de Lula no período eleitoral.

Lulistas e anti-petistas podem se ver no mesmo caminho.

Meu medo é um "Presidente Fake News" vencer numa campanha eleitoral com o caos econômico e social vigente. Ele se apresentar como o "Salvador da Pátria" e catalisar um discurso que encante a todos os "consumistas" e ele, certamente será, apenas, o candidato da continuidade do Golpe, do neoliberalismo ultra radical.

Não precisa ser o Bolsonaro, pode ser um sujeito mais “limpinho e cheiroso” como um Álvaro Dias, um Macron dos trópicos, se der tempo da Globo & Cia. criarem.

A Eleição de um "Presidente Fake News" pode criar uma situação ainda mais descontrolada que a atual, temo muito o que pode brotar dessas mentiras contra os governos petistas e das fábulas de candidaturas novas, que o Golpe e as mídias criam e impulsionam diariamente na cabeça dos eleitores consumistas brasileiros, inexistente neles noções básicas de cidadania e de organização social.

É como se o voto fosse um produto de consumo. Você iria consumir o candidato eleito.

Podemos estar, ai sim!, diante de uma revolta social descontrolada, porque mais do mesmo será o “Presidente Fake News”. E não se produzirá, novamente, uma sociedade com mobilidade social possível e competitividade, apenas, uma sociedade ainda mais desigual e jogando para baixo até a classe média tradicional.

E teremos um Brasil que, em três tempos, fará de Bolsonaro ou do Macron Tropical, um Presidente eleito via “Fake News”, ter as mesmas digitais de Temer, Presidente com menos de 5% de aprovação, mesmo que se maquie a honestidade e se narre como honesto o "Presidente Fake News".

Para terminar.

A Sociedade baseada no consumo me parece imprevisível.

O anti petismo é uma parcela social inserida na ideia de consumo, não de um modelo diverso de sociedade e economia. É a busca de exclusividade de certos consumos e de exclusividade no trabalho mais qualificado e na possibilidade de ascensão social ao topo da pirâmide socioeconômica. Não é voto moral, religioso, étnico (senão, Dilma seria respeitada por sua descendência europeia e com diploma universitário pela Unicamp). O lulismo teve e tem, também, uma inserção social no voto pelo consumo, não só nesta inserção.

Apesar de tudo, não será o discurso do ódio, acima da lógica do consumo, o vencedor, mas o discurso do ódio e da ausência de busca de racionalidade do eleitor pode levá-lo a votar contra si próprio, eliminando candidatos por motivos externos aos seus interesses. É o que a Rede Globo & Cia. realiza desde sempre no Brasil.

Questões identitárias e direitos civis, também, não estão acima da lógica do consumo, pode ser um dos tipos de voto, mas o que decidirá a eleição é o candidato do discurso do bolso cheio.

Discurso de ódio e apelação para questões como aborto, kit gay, investir em notícias de corrupção dos adversários não deram vitória nem pra Serra nem pra Aécio. 

Daria certo agora com Bolsonaro, candidato para além polarização PT X PSDB?

jose carlos lima...

- 2018-03-26 04:38:26

O televisionamento das
O televisionamento das sessões do STF.,..

Não esperemos o televisonamento do julgamento de um tucano, se um dia ocorrer....

 

 

2. Sobre o minsitro Barroso usar fake news para fundamentar seu voto

 

O próprio processo contra Lula começou de uma fake news da Globo...a sentença contra o Lula é fake.....esperamos juizo por parte do STF para anula la....

 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador