O modelo de crescimento americano e o momento brasileiro

Da Folha

Poder dos EUA foi construído com crises e Estado, dizem acadêmicos

ELEONORA DE LUCENA

DE SÃO PAULO

As enormes desigualdades e inseguranças promovidas pelo capitalismo provocam protestos e revoltas que são terreno fértil para que ideias de alternativas ao modelo sejam replantadas. Há muitos sinais de exaustão da crença nos mercados e uma crescente impaciência com as instituições políticas que promovem a globalização.

A afirmação está na conclusão de “The Making of Global Capitalism, the Political Economy of American Empire” (A Construção do Capitalismo Global, a Política Econômica do Império Americano, editora Verso), dos canadenses Leo Panitch e Sam Gindin.

Não, esse não é um livro sobre os atuais protestos no Brasil ou em outros lugares. Trata da história e da economia norte-americana desde o final do século 19 até os dias de hoje. Mostra os passos para a construção do poder dos EUA, enfatizando o papel do Estado no processo.

Panitch é cientista político, e Gindin, economista. Ambos são professores da Universidade de York, em Toronto (Canadá) e estruturaram o livro seguindo linhas marxistas.

Até chegar à conclusão acima, descrevem momentos de exuberância, crises, resgates. Ressaltam a importância do Tesouro e do Banco Central (Fed) na definição de políticas que consolidaram a força norte-americana no mundo.

ESTADOS E MERCADO

Os autores começam desconstruindo a “falsa dicotomia entre Estados e mercados”. Narram como o Estado atuou para estabelecer regras para a propriedade e competição que facilitaram a expansão das empresas dos EUA e a acumulação de capital.

Tarifas de proteção à produção nacional, programas de infraestrutura, financiamento à inovação: tudo foi usado para a montagem do poder americano no início do século 20. Na área externa, deu apoio a ditadores locais e a proprietários de terras, o que ajudou a bloquear desenvolvimento.

Leia também:  Por que banir o Tik Tok nos EUA preocupa o Facebook e o Vale do Silício

Fornecedor vital de materiais e dinheiro na Primeira Guerra Mundial, os EUA deslancharam o seu papel de potência mundial nos anos 1920. No final daquela década, produziam mais de 80% dos carros do mundo.

Veio a crise de 29, o New Deal, a Segunda Guerra Mundial. O livro aponta que o acordo de Bretton Woods significou a institucionalização do papel predominante dos EUA na gestão monetária internacional e o Plano Marshall enquadrou a Europa.

  Charles Dharapak – 3.out.2008/Associated Press  
 O ex-presidente dos EUA, George W. Bush, cumprimenta seu secretário do Tesouro, Hank Paulson, após aprovação do do pacote de resgate ao sistema financeiro de 700 bilhões
George W. Bush cumprimenta seu secretário do Tesouro, Hank Paulson, após aprovação de pacote de resgate de US$ 700 bilhões

Na crise dos anos 1970, quando os lucros das empresas caíam, os autores afirmam que “a principal ameaça ao capitalismo global foi o número crescente de expropriações por ano de investimentos no Terceiro Mundo”. Elas passaram de uma média de seis, na primeira metade dos anos 60, para 56 na primeira metade dos anos 1970.

O livro aborda os empréstimos de petrodólares das instituições norte-americanas “a ditaduras latino-americanas”. O lucro era tentador. Segundo os autores, atingiu o pico de 233% de capitais e reservas dos bancos em 1981.

A partir da crise dos anos 1970, transformações ocorreram no campo das finanças e das estruturas de produção. O poder de reivindicação dos trabalhadores foi enfraquecido e houve a explosão das tecnologias digitais.

CRISE

Panitch e Gindin analisam o desmoronamento das hipotecas nos EUA e mostram como o Estado salvou bancos e lançou “o maior estímulo fiscal da história norte-americana em tempos de paz”. Para eles, “a crise reforça o papel do império dos EUA”.

Leia também:  Cingapura torna-se centro tecnológico da China em meio a tensões com EUA

Sem se aprofundar em avaliações sobre outros países, os intelectuais canadenses dizem que a China está longe de ameaçar a hegemonia dos EUA: avaliam que ela parece duplicar o papel suplementar que o Japão desempenha no modelo.

Talvez esse seja um ponto que merecesse maior análise. Assim como os aspectos políticos e militares. No conjunto, porém, o livro expõe algumas raízes globais do mal-estar de hoje.

The Making of Global Capitalism
AUTORES Sam Gindin e Leo Panitch
EDITORA Verso
QUANTO US$ 29,95 (R$ 65,40, 464 págs.)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome