Eletrobras assumirá R$ 20 bi em dívidas de distribuidoras que serão privatizadas

Valor se refere a seis empresas das quais compradores terão que investir R$ 13 bilhões, logo governo entregará unidades sem retorno real para a economia 
 
paulo-pedrosa_foto_saulo_cruz_mme.jpg
(Secretário-executivo Paulo Pedrosa – Foto Saulo Cruz / MME)
 
Jornal GGN – Durante audiência pública realizada nesta terça-feira (20) no Senado, para debater o plano de privatizações do governo, o secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia (MME), Paulo Pedrosa, disse que os futuros compradores de energia da Eletrobras terão que investir R$ 13 bilhões nos próximos anos em seis distribuidoras que serão vendidas.
 
No último dia 8, a assembleia virtual da Eletrobras aprovou a privatização dessas empresas ligadas à companhia estatal pelo valor simbólico de R$ 50 mil: a Companhia de Eletricidade do Acre (Eletroacre), a Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron), a Boa Vista Energia, a Amazonas Distribuidora de Energia (Amazonas Energia), a Companhia Energética do Piauí (Cepisa) e a Companhia Energética de Alagoas (Ceal).
 
Pedrosa explicou que os “R$ 50 mil são capital a ser colocado”, entretanto, “as distribuidoras continuarão com o conjunto de dívidas da ordem de R$ 13 bilhões, mais o compromisso de investimento”.
 
Por outro lado, a Eletrobras assumirá as dívidas dessas seis empresas no valor de R$ 11,2 bilhões, e os encargos de R$ 8,5 bilhões (total de R$ 19,7 bi), reduzindo em muito o valor real que entrará no caixa da União. Esses valores são referentes a dívidas com a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) e a Conta de Consumo de Combustíveis (CCC). Em termos de retorno para a economia, as seis distribuidoras estão sendo entregues de graça pelo governo brasileiro. 
 
Sobre a dívida que a Eletrobras irá assumir Pedrosa argumenta que “empresas que estão em extrema dificuldade, uma vez que não tiveram suas concessões renovadas no ano passado e entraram em um limbo”, deixando no ar uma importante pergunta: a privatização em um setor estratégico é a única forma de reestabelecer empresas públicas? 
 
O plano de desestatização do governo federal inclui, além do setor elétrico, empresas do setor de petróleo e gás, de portos, aeroportos, rodovias e ferrovias. E o governo pretende, até o final do ano, privatizar a própria Eletrobras, controladora hoje de 50% dos reservatórios do país, um terço da geração e 48% das linhas de transmissão.
 
 
*Com Agência Brasil

7 comentários

  1. Uma nação enferma comete e
    Uma nação enferma comete e permite absurdos enquanto dura o estado da enfermidade fanática…… Onde o “patriotismo”, a “luta contra a corrupção”, diante do desmonte trágico, perverso de nossas riquezas pelas mãos de um governo que se assemelha a uma MÁFIA? Como a grande mídia – aliadíssima ao mercado e às oligarquias… – aprova e celebra, a sociedade assiste em estado de catatonia, duvido sequer que saibam o que implica a privatização dessas seis distribuidoras, a bem dizer, GRATUITAMENTE….. Quem lê o artigo todo, não acredita que um povo deixe isso acontecer sem a mais feroz resistência….. Mas é isso o que ocorre quando se SATANIZA um líder e um partido, eles passam a representar “o mal em si” – e todos os horrores cometidos pelos verdadeiros criminosos “passam batidos” – são desprovidos de valor pelas mentes bloqueadas pela cegueira que vem do fanatismo……..

  2. Mãos ao alto, guerra declarada (Rio)

    Uma dúvida: Crime de traição à Pátria ainda é punido com a morte?

    http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/leis/1950-1969/L1802.htm

    http://www.camara.gov.br/sileg/integras/1286777.pdf

    As pessoas normalmente se esquecem (ou desconhecem) que o Brasil não só tem pena de morte, como o método é o fuzilamento.  Brasileiros são passíveis de pena de morte, em tempos de guerra, se cometerem crimes como traição (pegar em armas contra o Brasil, auxiliar o inimigo),

  3. Irresponsáveis

    Um monte de gente que nunca se preocupou com o pagamento da (sempre cara) conta de luz, que nunca se lixou para  o preço da conta de gás, agora tem nas mãos o poder para fatiar, lotear, saquear o país, vendendo nossos ativos e causando o aumento dessas mesmas contas mais adiante, na tsunami de aumentos que isso causará, a exemplo do gás de botijão que os traidores agora no controle na PETROBRÁS impõem às pessoas que precisam de botijão para, por exemplo, cozinhar. Gente insensível, irresponsável, que com essas medidas arbitrárias, unilaterais, compromete o futuro da nação e cria empregos nos países que há tanto tempo nos oprimem. E a nossa mídia criminosa segue calada, facilitando e legitimando o saque da nação.

  4. Quem é o responsável pelos

    Quem é o responsável pelos levantamentos técnicos-economico-financeiros das empresas que estão sendo colocadas à venda pelo governo federal ? Será que a atividade dessas empresas não é rentável ? Quais as razões para a inviabilidade ? Ou os levantamentos foram “realizados” para obter tais resultados anti-economicos ? Se fôr para aumentar as tarifas, não precisa privatizar… se não puder corrigir os valores, a fim de torná-las viáveis, não haverá interessado… Muito estranho o processo… parece que o BNDES vai terminar financiando as aquisições, com juros subsidiados… e o povo brasileiro terá mais uma carga para carregar…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome