Hidrelétricas da Região Norte são construídas com novo modelo

Jornal GGN – O modelo de construção das novas hidrelétricas na Região Norte do país segue um novo conceito. Apresentado no seminário “As Hidrelétricas da Amazônia e o Meio Ambiente”, promovido pelo Jornal GGN, usa usinas-plataforma que, diferentemente das existentes em outras regiões, não pretendem – nem vão – induzir o desenvolvimento local. O modelo foi inspirado nas plataformas marítimas da Petrobras, que são isoladas pelo mar.
 
De acordo com Altino Ventura Filho, secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético do MME (Ministério de Minas e Energia), a ideia é respeitar o meio ambiente, as reservas indígenas e as APAs (Áreas de Proteção Ambiental).
 
A realidade no Amazonas é diferente, afirma o secretário, uma vez que não há presença humana atualmente, e não é desejável que as instalações para a construção das usinas se transformem em núcleos de moradia definitiva. Quando as usinas entrarem em operação, serão altamente automatizadas e demandarão pouca mão de obra para mantê-las em operação – não só pouparão o meio ambiente como serão um fator extra de proteção.
 
Outra característica desses novos projetos é o fato de serem do tipo fio d´água, que não mudam o curso hidrológico dos rios, diferentemente das usinas com reservatórios, que guardam água no período das cheias e a soltam na seca, permitindo até a navegabilidade ao longo do ano. O objetivo é justamente minimizar o impacto negativo à fauna e à flora da Região Norte.
 
Ventura Filho lembra que explorar a Amazônia é fundamental para o país, dado que de 35% a 40% do potencial hidrelétrico brasileiro está nessa região e, até agora, foram aproveitados somente 5% deste potencial.
 
http://www.youtube.com/watch?v=psWlIg0CHyQ&list=PL7v-oA8_lCIc_C5V4-_VeL5Bgkd6JUhcN width:700 height:394 align:center

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Lucio Trindade

- 2019-07-02 14:48:36

Pesquisando sobre o asunto encontrei esse post, achei bem interessante, vou acompanhar o blog de agora em diante.

Cristiano Maciel

- 2014-06-25 08:44:53

Hidrelétricas da Região Norte

E que continue só nesses 5% se não, não teremos futuro!!!!!!!!!!!!!!!!!

mpaiva

- 2013-12-09 21:17:27

2 links críticos , 1 vídeo oficial

http://www.pagina22.com.br/index.php/2010/01/hidreletrica-plataforma-e-meia-solucao/

http://telmadmonteiro.blogspot.com.br/2013/07/hidreletricas-e-mineracao-causam.html

[video:http://www.youtube.com/watch?v=4nPxakomGjM#t=129 align:left]

mpaiva

- 2013-12-09 21:08:16

  Que o governo deixe de ser

 

Que o governo deixe de ser indutor e/ou cúmplice de desastres ambientais é tudo o que muitos de nós , brasileiros , queremos . ( Aplausos às iniciativas sérias .)

 

Que essas "usinas plataforma" , no entanto , parecem meramente propaganda enganosa , parecem ... 

 

Desde 2010 , quando começaram a ser divulgadas (timidamente , inclusive) , as "mágicas" tecnológicas saídas das cartolas governamentais omitiram dados importantes :

 

- tem-se a impressão de que as usinas serão construídas "no meio do nada" (*) : no caso do Tapajós , por exemplo ,  as usinas se situam no território dos Mundurukus , povo que , o governo sabe muito bem , tem explicitado organizada e veemente contrariedade para qualquer projeto de barramento do seu rio sagrado (é , existem povos que consideram sagrados seus rios) ;

 

- claro que o governo sempre pode , com canetadas mais ou menos simples , alterar zonas de proteção ambiental ou indígena etc etc e tirar o sofá da sala ... mas aí volta-se aos métodos antigos e o discurso de modernidade das usinas plataforma fica mais esdrúxulo ainda ;

 

- usinas a fio d'água não significam que o ambiente do rio não será alterado , com impactos negativos sobre a pesca , navegabilidade e os modos de sobrevivência dos povos tradicionais , que têm que ser consultados , reza a moderna governança ;

 

- não há como não notar que essas grandes hidrelétricas andam diretamente relacionadas com  abertura de frentes para exploração de minérios ... o novo marco regulatório da mineração tem sido levado com a discrição e falta de transparência convenientes para quem não tem interesse algum em discutir preservação do meio ambiente ou direitos de povos tradicionais , muito menos indígenas ... onde se mantém a modernidade protetora das usinas plataforma nesse quesito , nem um pio nos vídeos oficiais ;

 

- copiando Telma Monteiro : " ...acho que essa história de usinas plataforma tem como principal objetivo reduzir os estudos ambientais e os custos das mitigações e compensações. . "

 

(*) a Amazônia como um "deserto de pessoas" , convenhamos , é um engano ultrapassado , principalmente à beira dos rios .

 


 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador