A segunda bolha imobiliária está para estourar nos EUA, por Rogério Maestri

O que se vê é uma corrida para a imobilização do patrimônio dos norte-americanos e a queda do poder aquisitivo dos locatários. 

A segunda bolha imobiliária está para estourar nos EUA só que agora tem data marcada

por Rogério Maestri 

Estava passeando pela Internet e achei um excelente Blog norte-americano sobre economia, o nome é Wolf Street. Depois de ler um artigo muito interessante sobre o endividamento norte-americano, fui dar uma olhadinha em outros e achei outro ainda mais intrigante: “The Most Splendid Housing Bubbles in America: Nov. Updatehttps://wolfstreet.com/2020/11/24/the-most-splendid-housing-bubbles-in-america-november-update/”.

The Most Splendid Housing Bubbles in America: November Update | Wolf Street

For Los Angeles, the Case-Shiller Index provides sub-indices for condos, and for high-, mid-, and low-tier segments of houses. In the low-tier segment (black line) – where people can least afford price increases – prices shot up 10.2% from September last year, having nearly quadrupled since January 2000 (+280%).

wolfstreet.com

 

O artigo a partir “Standard & Poor’s CoreLogic Case–Shiller Home Price Indices” mostra que nas principais cidades norte-americanas os valores das casas estão no nível da bolha imobiliária de 2006-07 como nas cidadesde Tampa, Washington, Phoenix e outras e bem acima da bolha de 06-07 Los Angeles (13%), San Diego (15%) São Francisco Área da Baía (48%), São Francisco, Condomínios (174%), Phoenix (120%) e daí por diante.

Ou seja, esses preços estão acima do estouro da Bolha, entretanto ao mesmo tempo que os preços de compra sobem os preços dos aluguéis nas 17 cidades mais caras dos USA caíram em valores até 21,0% para imóveis de dois quartos em São Francisco, sendo compensada essa perda pelo aluguel em cidades mais baratas resultando numa queda de 2,0% do pico em agosto de 2019.

Leia também:  Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA expressa respeito à eleição de Biden e condena ataque ao Capitólio

O que se vê é uma corrida para a imobilização do patrimônio dos norte-americanos e a queda do poder aquisitivo dos locatários.

O artigo fica por aí, entretanto é previsto para o início do ano de 2021 o fim da moratória que não permitia o despejo das famílias durante a pandemia, haverá uma onda de despejos que avalia-se algo entre 20 a 40 milhões de norte-americanos, ou seja, algo superior a 10 milhões de famílias. Com estes despejos em massa e com a impossibilidade de dos inquilinos locarem novos imóveis, pois ficam na lista negra de empresas que acompanham os inadimplentes, sobrarão centenas de milhares de imóveis a venda, fazendo com que a bolha estore, logo a data precisa não se sabe, mas será algo nos meses entre janeiro a março do ano que vem.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. E o Biden diz que os EUA querem ” Voltar a liderar o mundo” . Vai cuidar da tua casa, faroleiro!

  2. Essa bolha imobiliária vai causar a maior revolta popular já vista nos USA. As forças armadas já estão preparadas para o evento e a FEMA também, com os caixões e tudo. O bicho vai pegar feio por lá!

  3. Um país que tem um PIB de 20 trilhões de dólares, mas uma dívida que ultrapassa 22 trilhões de dólares e que não para de crescer a passos largos não fecha nunca mais essa matemática, a única coisa que o FED faz a muito tempo é imprimir papel moeda (dinheiro de helicóptero ) que não serve pra nada. É uma nação ladeira abaixo, literalmente.

  4. Benefícios. Feudos. Território.
    O capitalismo ibérico era territorialista:
    território -> capital -> território
    O capitalismo ingês era inverso:
    capital-> território -> capital
    se houve acumulação primitiva (sec. XIV Inglaterra) qual será a final ?
    ooops já foi

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome