Acuado, Trump muda o tom e pede fim da violência

O último vídeo de Trump, aquele pedindo paz, veio em meio a pedidos crescentes de sua renúncia ou remoção

06/01/2021 REUTERS/Jim Bourg

Jornal GGN – Depois de incitar a multidão a atacar o Capitólio dos Estados Unidos, Donald Trump mudou o tom e pediu o fim da violência, reconhecendo agora que Joe Biden será o próximo presidente e dizendo, em vídeo, que o novo governo será iniciado em 20 de janeiro e que a transição será suave.

Postada em seu Twitter, uma das poucas redes que o presidente Trump ainda tem acesso, a declaração de paz vem 24 horas após seus incentivos para a insurreição.

Algumas horas após o tuíte, a polícia do Capitólio confirmou a morte de um policial durante o ataque de quarta-feira. Em comunicado, a polícia informou que Brian Sicknick foi ferido no embate com os manifestantes e que uma investigação sobre sua morte seria realizada

Ainda, o principal promotor federal em Washington disse que as declarações de Trump em um comício antes da invasão do Capitólio seriam examinadas como parte da investigação do incidente.

Questionado especificamente sobre o papel do presidente – que disse à multidão para ir ao Capitólio e disse que eles deveriam “lutar como o inferno” – o procurador dos EUA Michael R Sherwin disse: “Estamos olhando para todos os atores aqui, e qualquer um que teve um papel, se a evidência se adequar ao elemento de um crime, eles serão acusados”.

O último vídeo de Trump, aquele pedindo paz, veio em meio a pedidos crescentes de sua renúncia ou remoção, além de figuras da administração renunciando após o ataque, como a secretária de educação, Betsy DeVos, e a secretária de transporte, Elaine Chao.

Trump usa um expediente já conhecido, ataque e refuga, finge que não foi com ele e assume nova postura. Ele começou o vídeo dizendo-se indignado com a violência, a ilegalidade e o caos. Ato contínuo disse ter mobilizado imediatamente a guarda nacional e a polícia federal para proteger o prédio e expulsar os intrusos. Na contramão da declaração, vários meios de comunicação informaram que foi Mike Pence, e não Trump, quem enviou a guarda nacional, enquanto Trump resistiu à medida.

A declaração de Trump foi de reversão total de tom, que ainda continuou a provocar inquietação e alegar falsamente que a eleição foi roubada dele. Mesmo não admitindo a derrota abertamente, é o mais perto que chegou de um discurso de concessão.

“Minha campanha perseguiu vigorosamente todas as vias legais para contestar os resultados das eleições. Meu único objetivo era garantir a integridade do voto”, disse Trump, apesar de não haver evidências de que a eleição era tudo menos segura, e garantias de seu próprio procurador-geral de que não houve fraude eleitoral generalizada.

“Agora, o Congresso certificou os resultados. Uma nova administração será inaugurada em 20 de janeiro. Meu foco agora se volta para garantir uma transição de poder suave, ordenada e contínua”, disse ele.

Trump concluiu suas breves observações pedindo “cura e reconciliação” e dizendo que “os temperamentos devem ser esfriados”. Ele incluiu uma mensagem final para seus apoiadores, dizendo: “Eu sei que você está decepcionado, mas também quero que saiba que nossa incrível jornada está apenas começando”.

A declaração de Trump veio no momento em que a ameaça de um segundo impeachment se aproximava e um grupo crescente de legisladores pedia que ele pagasse um preço pelas cenas tumultuadas em Washington.

Na quarta-feira, Trump encorajou milhares de apoiadores a marchar no Capitólio dos EUA para protestar contra os resultados da eleição, instigando uma multidão que invadiu o prédio do Capitólio, forçando membros do Congresso a se esconder. Quatro pessoas morreram, incluindo uma mulher que foi baleada e morta pela polícia e três pessoas que morreram em emergências médicas.

Os principais democratas no Congresso – a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e o líder democrata no Senado, Chuck Schumer – pediram ao vice-presidente, Mike Pence, e ao gabinete de Trump para usar a constituição dos EUA para remover Trump por “seu incitamento à insurreição”.

A 25ª emenda permite que a maioria do gabinete destitua um presidente do poder se ele for incapaz de cumprir os deveres do cargo.

Mas Schumer e Pelosi disseram que ainda não tiveram notícias de Pence, e um conselheiro de Pence disse à Associated Press que o vice-presidente, que teria de liderar qualquer esforço desse tipo, se opõe ao uso da emenda.

Se Pence não agir, Pelosi sinalizou que ela provavelmente reunirá a Câmara para iniciar um processo de impeachment contra Trump por seu papel na violência de quarta-feira.

Um punhado de republicanos também pediu a remoção de Trump, mas a liderança do partido continua mais cautelosa. O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, atribuiu o ataque a “criminosos desequilibrados”, mas não mencionou Trump.

Com informações do The Guardian.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora