Luta contra o racismo viveu dias gloriosos sob Obama, por Janio de Freitas

 
Jornal GGN – O maior feito de Barack Obama na Casa Branca foi justamente ser um presidente negro em um país tão racista quanto os Estados Unidos. A opinião é de Janio de Freitas, em sua coluna de hoje (19) na Folha de S. Paulo.
 
O articulista pontua que a “decência cativante” fez com que se esperasse mais do que ele fez, ressaltando que Obama deixa forte presença militar no mundo, além da autorização do uso de drones.
 
Janio também diz que Obama combateu o racismo com “naturalidade”, e deixa como legado especial Michelle Obama, “potencial presidente dos Estados Unidos”.

 
 
Leia mais abaixo: 
 
Da Folha
 
Sob Obama, o antirracismo viveu dias gloriosos
 
por Janio de Freitas
 
Impor um presidente negro a um país ainda hoje tão racista como são os Estados Unidos – este o maior feito de Barack Obama.
 
Impor-se ao respeito inabalado de todo esse país durante os oito anos na presidência – este o segundo maior feito de Barack Obama. O revertério que leva um primata patético a sucedê-lo sugere a dimensão gigantesca daqueles feitos.
 
O primeiro êxito e a decência cativante de Obama fizeram esperar-se dele mais do que fez. Ou, no mínimo, o principal dos seus compromissos de candidato: a retirada americana das áreas de guerra, a redução da presença militar dos EUA no mundo, o fim do crime imoral que é a prisão de Guantánamo, apesar de sem importância na opinião dos americanos, mas humilhante para o mundo que, acovardado, o testemunha.
 
Obama não apenas deixa forte presença militar no mundo, por muitos dita maior do que a encontrada. Foi da sua presidência a autorização para uso da nova arma que são os pequenos aviões não tripulados, ou drones, transformados em objetos assassinos.
 
Chefes ou suspeitos de ação anti-americana são assassinados do ar em países sem guerra com os EUA. O colar de bases americanos em torno da então URSS, que fez os soviéticos instalarem foguetes em Cuba para barganhá-los pela retirada das bases, ganhou com Obama nova versão. Os EUA montam, na Ásia e na Oceania, um arco de bases e arsenais em volta da China. Com Obama, as ânsias beligerantes dos EUA ficaram apenas menos ostensivas e mais educadas, sem troca de desaforos.
 
Do mesmo lote de compromissos principais do candidato, Obama fez três grandes realizações. Duas notórias: a economia em colapso foi oxigenada, com efeitos sociais ainda em progressão; e a persistente batalha que conseguiu vergar o Congresso para implantar um sistema público de saúde, o Obamacare já sob as picaretas dos republicanos.
 
A terceira foi a ação contra o racismo. Antecessor de Kennedy, o general Eisenhower usou contra o racismo agressivo a Guarda Nacional. Kennedy, como em quase tudo, dividiu-se entre a força e a demagogia.
 
Obama teve a inteligência e a originalidade de usar uma das armas mais raras entre os ditos civilizados: a naturalidade. Assim como para eleger-se não fez do racismo um tema de combate, na Casa Branca dirigiu-lhe poucas palavras: enfrentou-o com o seu dia a dia, com sua cara. Com a simbiose Barack-Michelle. Conscientizada ou não, a evidência penetrou fundo no país: nenhuma diferença entre brancos e negros.
 
O racismo não se extinguiu, talvez nem tenha se retraído em porção significativa, a Ku Klux Klan é sempre uma das bandeiras nacionais. Mas o antirracismo viveu dias gloriosos, para um futuro em que será difícil retrocedê-lo.
 
Mas um legado especial Barack Obama leva amanhã consigo: Michelle Obama, imagem consagrada, oradora brilhante, opinião e firmeza, potencial presidente dos Estados Unidos. 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

14 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

wesley

- 2017-01-20 17:50:12

janio gagá ou encapsulado?

janio viajou geral se obama fosse metade do apontado,teria elegido a clinton.racismo diminuiu em sua gestao?parei como diz o trajano.metade da populaçao na miseria.obama care é um plano de saude republicano.obama=guerras,retórica,volta da guerra fria,assassinatos sem julgamentos e grampos irrestritos em todos no planeta. 

FERNANDO DA COSTA

- 2017-01-19 18:16:40

Fora o caso da Arábia

Fora o caso da Arábia Saudita... Um país que mata os opositores políticos e coloca dinheiro na política americana... Não é atoa o nome do presidente... Se estão preparando um cerco contra Israel, não sabemos... Mas sabemos que é um grande teatro hipócrita que vem sendo montado.

Athos

- 2017-01-19 17:57:15

Representante
De MINORIAS são os que mais querem agradar a maioria. Quer um verdadeiro? Escolha um dá maioria! Mas a esquerda não deixa.... Tem que ser favelado...

jose antonio santosj

- 2017-01-19 17:21:44

bom, muito bom!

Entendo que JF  escreveu um texto bem equilibrado.

Para mim Obama foi um bom presidente apesar dos erros que JF apontou.

Achar que o presidente do EUA  pode tudo é muita inocencia.

Tem um poderoso hobby militar-industrial- intelegencia atuando.

Tem tambem a midia e o lobby judaico,

Não é fácil se equilibrar no meio de tudo isso.

 

Snaporaz

- 2017-01-19 16:25:46

Obama tomou posse como  negro

Obama tomou posse como  negro e está deixando o cargo como branco. Lula  era o cara,como   referência folclórica,contudo,quando o"cara",  resolveu  o imbróglio  nuclear com o Irã,Washington, foi acometido de  histeria e Obama desapareceu, como estadista. Nem mesmo seu aliado  de fé, na época, Erdogan,parceiro de Lula ,nessa ação, se salvou. Reiterando a velha e batida frase  de Foster Dulles," Os EUA,não tem amigos, tem interesses". E  esses interesses a estão acima de quaisquer outros,que não sejam  os do Departamento de Estado.....

Jaide

- 2017-01-19 16:03:21

Esses traços de dignidade por

Esses traços de dignidade por lá foram varridos faz tempo. A cada liberação de documentos secretos, percebe-se que as ditas teses conspiratórias  retratavam a verdade VERDADEIRA.

Fábio de Oliveira Ribeiro

- 2017-01-19 14:51:10

Verdade. O racismo dos EUA

Verdade.

O racismo dos EUA regrediu tanto que os generais de Obama atacaram paquistaneses, afegãos, iemenitas, sírios e etc....Os iranianos e russos eles apenas ameaçaram atacar. 

Adroaldo Lima Linhares

- 2017-01-19 14:39:16

Os primatas golpistas

Os primatas golpistas ditadores apátridas famíglia quadrilha frias são os donos do jánio, aos quais êle dedica-se apaixonadamente. Observem como néssa posição sente-se poderoso esse jánio! Agarrado no saco do patrão adquire uma coragem hercúlea que beira a de um debilóide desorientado para chamar um presidente eleito pela maioria de uma nação de primata patético! Óbviamente que se cair do saco do patrão não passa de um bóstinha.

rdmaestri

- 2017-01-19 14:04:56

A única coisa que fica claro no governo Obama, é que um ......

A única coisa que fica claro no governo Obama, é a igualdade racial, ou seja um presidente negro nos USA pode ser tão ruim como um branco!

alberto tiago

- 2017-01-19 13:57:40

Me  perdoem mas OBAMA foi

Me  perdoem mas OBAMA foi SANGUINARIO E IMPIEDOSO ESTAO AI OS REFUGIADOS  POOO COMO TODOS QUE O PRECEDERAM  NO COMAMDO DO IMPERIO

No facebook esta cheio de manifestaçoes semelhantes a ELEGANTE primera dama  O MALDITO RACISMO PRECISA DE MUITO MAIS COMBATE     o GRANDE JANIO ENTROU NA ONDA SIMPATIA

 

Wilson Ferreira

- 2017-01-19 13:54:39

Obama é o cara?

Ok! Enquanto Obama falava que "Lula é o cara", o Departamento de Estado implementava as táticas de SoftPower no Brasil para derrubar os governos trabalhistas, dando apoio de inteligência e logística - táticas de engenharia social, ação direta e black blocks, como aqueles que escolheram a dedo quebrar a concessionária da Caltabiano, em SP, revenda de veículos de luxo controlada pelo grupo americano cujo dono foi ex-Chefe da Casa Civil de Bill Clinton.

E cuja ação direta no Brasil implicou a se aliar a tudo que de mais retrógrado existe no inconsciente nacional: racismo, preconceito, intolerância etc. Agora, vemos apresentadores de TV chamando pobres de "macaco".

Poder ter sido sido um anirracista glorioso no seu país, enquanto no resto do mundo alimentou o contrário para garantir a hegemonia geopolítica dos EUA

Marcio Aurélio Cruzeiro

- 2017-01-19 13:31:24

Lá, como cá, tds. os traços

Lá, como cá, tds. os traços de de Dignidade, serão Varridos pelos Indignos......

sergior

- 2017-01-19 13:22:21

Jânio nada escreveu sobre o

Jânio nada escreveu sobre o legado de Obama para a América Latina: golpes e mais golpes. Golpes no Brasil, Honduras, Paraguai, tentativas na Venezuela, na Bolívia, no Equador, morte de Chavez. Nada falou sobre o enorme crescimento do estado policial estadunidense sob Obama, o enorme aumento do poder da NSA e das agências de espionagem. Poucos presidentes estadunidenses foram tão cruéis com a América Latina quanto Obama. Nem Nixon. Jânio também nada escreveu a respeito do grande legado de Obama ao mundo: destruição de países inteiros, como a Líbia, a Síria, a Tunísia, o Egito, a Ucrânia. Ah! E não dá para esquecer que usou de sua viagem ao Brasil, em 2011, para aprovar o bombardeio sobre a Líbia.  

André Oliveira

- 2017-01-19 12:48:13

Depois da decência cativante
Depois da decência cativante de Obama os americanos preferiram apostar na indecência cativante de Trump que não tem pruridos morais e acha que ética é invenção da oposição so pra prejudica-lo assim como aquecimento global é invenção chinesa. Pode ser, se eles inventaram a pólvora o aquecimento global seria a progressão natural da idéia original.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador