Os custos políticos das guerras de Biden, por Seymour Hersh

Será que o presidente compreende que os ataques liderados pelos EUA aos Houthis não irão desfazer os danos políticos que está a sofrer?

Anadolu

Os custos políticos das guerras de Biden

por Seymour Hersh

Donald Trump ganhou muito em Iowa esta semana, como qualquer pessoa com um pingo de bom senso sabia que aconteceria, apesar de dias de ilusões desonestas e tediosas da CNN e MSNBC, e de alguns meios de comunicação impressos, sobre a possibilidade de uma onda de Haley em Iowa que poderia levar para New Hampshire. Esqueça aquilo. O candidato republicano será Donald Trump, a menos que seja impedido pelos tribunais, e neste momento as probabilidades são de que, se não estiver amarrado, alcançará a vitória em Novembro próximo e poderá trazer consigo a Câmara e o Senado. A resposta Democrata, com algumas excepções, tem sido entrar num estado de negação.

No meu mundo de Washington, o desastre iminente é posto de lado pelos democratas leais que insistem que Biden venceu Trump uma vez antes e que poderá fazê-lo novamente. Aqueles que reclamam, ou observam o dever, da falta de viabilidade política de Kamala Harris são informados de que são racistas ou misóginos.

As realizações iniciais de Biden – legislação que melhorou a vida quotidiana de milhões de americanos em necessidade desesperada – foram destruídas por uma série de erros de política externa que resultam da ignorância e da russofobia visceral que fez com que ele e os seus assessores de política externa se recusassem a garantir Vladimir Putin antes de puxar o gatilho de que os Estados Unidos nunca apoiariam a entrada da Ucrânia na OTAN. Isso poderia ter sido suficiente, com uma elaboração mais completa, para impedir o governante russo de lançar uma guerra que estava longe de ser necessária.

A resolução da guerra foi possível em março de 2022, um mês depois de a Rússia ter iniciado a invasão da Ucrânia. As negociações foram sabotadas por objeções da OTAN, bem como da administração Biden e do governo britânico então liderado por Boris Johnson. No entanto, continuam a decorrer conversações de paz secretas entre os principais generais da Rússia e da Ucrânia, estando um acordo sobre uma troca de prisioneiros prestes a ser elaborado.

Foi a libertação dos prisioneiros de guerra americanos pelo Vietnã do Norte o fator-chave para acabar com a guerra. Não está claro qual é a posição do governo Biden em relação a tal acordo. Também não se sabe se Volodymyr Zelensky está de alguma forma envolvido nas negociações. Neste ponto, parece improvável.

O apoio de Biden a Israel e a sua resposta extremamente desproporcional – os pesados bombardeamentos que ainda continuam – ao ataque do Hamas em 7 de Outubro está registado: “Nós protegemos-te”, disse ele a Benjamin Netanyahu, referindo-se às bombas e outras armas que continuam a fluir para Israel, mais recentemente sem a aprovação do Congresso, conforme exigido por lei. O presidente fala sobre um cessar-fogo, mas não fez nenhuma exigência específica e oficial a Tel Aviv nesse sentido.

Milhões de pessoas em todo o mundo, incluindo incontáveis milhares de pessoas na América, têm protestado contra o apoio da América à guerra de Israel, mas o presidente persiste. A melhor defesa que pode reunir é a afirmação de que levantou a questão de um cessar-fogo com os israelitas. A expressão mais clara da visão de Biden sobre as responsabilidades americanas após 7 de Outubro surgiu num discurso televisivo que proferiu em 19 de Outubro, após a sua segunda e muito breve visita a Tel Aviv, quando ele e Antony Blinken participaram numa reunião de segurança nacional israelita. Foi uma altura em que a ferocidade dos bombardeamentos israelitas contra as casas e edifícios de apartamentos em toda a Cidade de Gaza, com os seus muitos milhares de vítimas civis, tinha apenas começado a levantar questões. Israel estava claramente a responder ao ataque do Hamas visando tudo o que estava em Gaza. “Sei que temos nossas divisões em casa”, disse Biden. “Temos que passar por eles. Não podemos permitir que políticas mesquinhas, partidárias e raivosas atrapalhem as nossas responsabilidades como uma grande nação. Não podemos e não permitiremos que terroristas como o Hamas e tiranos como Putin vençam. Eu me recuso a deixar isso acontecer.” Ele pediu ao Congresso uma dotação de ajuda externa de 100 bilhões de dólares que incluía financiamento tanto para Israel como para a Ucrânia.

Nas últimas duas semanas, Biden decidiu ordenar à Marinha dos EUA que atacasse os Houthis do Iêmen, que disparam mísseis há semanas, num esforço bem-sucedido para forçar algumas das maiores companhias marítimas do mundo a evitar o atalho de dez dias entre o Ocidente e o Extremo Oriente, ao deixar de correr o risco de navegar através do Mar Vermelho e do Canal de Suez. Os mísseis não irão parar, dizem os Houthis, até que Israel termine o seu bombardeamento e permita o fluxo de alimentos, água, medicamentos e outras ajudas vitais para os aterrorizados civis de Gaza.

Até o momento em que este livro foi escrito, ocorreram três rodadas de ataques, por mar e por ar, por navios e aeronaves americanos e britânicos. Os Houthis, xiitas revolucionários cujos lançadores são móveis e podem ser facilmente escondidos, ainda estão empenhados. O New York Times noticiou esta semana que a contínua campanha Houthis “deixou claro o quão difícil pode ser remover a ameaça que representa ao transporte marítimo dentro e ao redor do Mar Vermelho”.

”Os planejadores do Pentágono poderiam ter feito bem em consultar os sauditas antes de bombardear o Iêmen. Como escreve Bernard Haykel, professor de Estudos do Oriente Próximo de Princeton, em um ensaio de 2021, os sauditas “um tanto erroneamente” viam os Houthis como uma força puramente por procuração iraniana, semelhante ao Hezbollah, a milícia xiita que agora desempenha um papel político proeminente no Líbano e ainda é vista por Israel como uma grande ameaça. “Os Houthis são de fato aliados próximos do Irã, mas têm uma ideologia claramente mais radical sobre a transformação da sociedade. . . . Na verdade, o programa revolucionário dos Houthis pode ser comparado ao do Vietcong.” O vietcongue? Haykel invoca os guerrilheiros que enfrentaram com sucesso os Estados Unidos, com muita ajuda do Vietnam do Norte, depois de mais de uma década de combates brutais que custaram à América 58.000 mortos, bem como a morte de 1,6 milhões de soldados vietnamitas, 260.000 soldados cambojanos e 2 milhões de soldados cambojanos civis na região.

Numa guerra iniciada em 2015 pelo então Mohammed bin Salman, e marcada por incessantes bombardeamentos sauditas contra alvos Houthi, os sauditas demoraram apenas sete anos a dizer tio e a procurar um acordo com os Houthis. Os Estados Unidos foram um aliado saudita vital naquela guerra, fornecendo inteligência, armamento e reabastecimento aéreo para os caças sauditas. Um fator importante no acordo foi a capacidade contínua dos Houthis, apesar da barragem constante de bombas sauditas e dos metralhamentos para disparar mísseis que atingiram alvos importantes, muitos deles relacionados com a produção de petróleo, no leste da Arábia Saudita.

Os atuais planejadores de guerra americanos têm muito mais ferramentas e informações do que estavam disponíveis no auge da Guerra do Vietnã, mas os primeiros dias do conflito no Mar Vermelho replicaram a experiência dos sauditas. A América e a Grã-Bretanha atacam alvos com mísseis e foguetes precisamente calibrados, e tudo isso pouco contribui para degradar a capacidade de ataque dos Houthis: o fenômeno Vietcongue. Dois pontos parecem claros, mesmo nesta fase inicial da nova guerra de Biden: não haverá invasão terrestre americana no Iémen, e ninguém na Casa Branca de Biden pode ter a certeza do que o ataque aos Houthis irá conseguir. As principais empresas de transporte marítimo do mundo podem decidir evitar o risco de um impacto direto fatal, por mais improvável que isso seja, e gastar os dez dias e combustível extra para evitar o atalho do Mar Vermelho. Os custos, especialmente em termos do preço a jusante da gasolina aqui na América, são difíceis de prever, mas qualquer salto significativo nesse preço seria mais um prego no caixão político de Biden.

Levantei a questão das possibilidades políticas de Biden na semana passada com um veterano petroleiro, um velho amigo que me disse: “Nunca se deve subestimar os Houthis. Eles não temem o desrespeito.” Então, o que se pode presumir com segurança que o presidente sabia sobre a história dos Houthi de ser imune a ameaças e bombas, ao aprovar o que poderia ser uma guerra difícil e talvez intratável com uma seita religiosa fanática? A resposta provável é: não muito. Será que o presidente compreende que os ataques liderados pelos EUA aos Houthis, mesmo que bem sucedidos, não irão desfazer os danos políticos que está a sofrer pelo seu apoio contínuo a uma guerra perdida na Ucrânia? Também é improvável. Mais significativamente, é duvidoso que ele compreenda o custo, especialmente em termos do voto dos jovens, da sua relutância em parar de fornecer armas a Israel e de exigir um cessar-fogo a Netanyahu, que proclamou que Israel continuará a guerra até que todos os elementos do Hamas sejam eliminados. destruído?

Biden pode considerar que manter o curso é essencial para ganhar um segundo mandato, mas há muitos que estão profundamente envolvidos na arrecadação de fundos de alto nível para os democratas que não concordam. Sabe-se que estes insiders compreendem que Barack Obama, que nunca reconhecerá publicamente a extensão da sua insatisfação, teme que as hipóteses de vencer a corrida contra Trump estejam a diminuir, a menos que haja uma mudança de estratégia, começando por convencer Biden a desistir do seu controle das finanças da campanha. Isto é visto como um primeiro passo para assumir o controle da campanha – e talvez convencer o titular a afastar-se.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]. O artigo será publicado se atender aos critérios do Jornal GGN.

Redação

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Observando a rivalidade política entre democratas e republicanos, podemos dizer que existem diferenças qualitativas entre os dois partidos quanto a política interna. Quanto a política externa, ambos exercem com deliquência a ideia de serem donos do mundo, o que implica praticar a política funerária do império bélico americano, que herdaram do império britânico. Enquanto o mundo não se der conta que a vocação americana é para guerra, vamos continuar assistindo a carnificina mundo afora.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador