Os EUA e a vigilância eletrônica global, por Bruno Lima Rocha

Os EUA e a vigilância eletrônica global – espionagem como vantagem estratégica 

por Bruno Lima Rocha

Edward Snowden, ainda hoje asilado na Rússia governada por Vladimir Putin e demais herdeiros da KGB, é um ex-consultor da National Security Agency (NSA), agência dos EUA especializada em vigilância e guerra eletrônica e responsável pelo monitoramento de dados eletrônicos e comunicação interpessoal. Em declarações públicas, se disse arrependido de seus atos, vindo a desertar. A crise de consciência de Snowden, somado ao esforço de jornalistas capitaneados pelo periódico inglês The Guardian, propiciou ao mundo o conhecimento das capacidades da Superpotência no ato de vigilância global em tempo real de praticamente todas as conexões cibernéticas e linguagens de sinais do planeta. A inteligência de sinais – sigint na sigla em inglês – coordenada pela NSA (também denominado de CSS, Serviço Central de Segurança na sigla em inglês) – abarca a capacidade de interceptação das comunicações eletrônicas e recebe um orçamento anual maior do que o Departamento de Comércio dos EUA. A NSA/CSS é a maior rubrica orçamentária de um total de investimentos de Usd 70.7 bilhões de dólares (ver https://fas.org/irp/budget/).

Reforçou a denúncia de Snowden o filme produzido sobre sua vida e saga (Snowden, Oliver Stone, 2016, ver trailer em encurtador.com.br/owxF9). O argumento da deserção faz sentido. Espionar cidadãos comuns é muito distante de exercer o alerta sobre possíveis conexões do terror integrista sunita. Na prática diária, é quase impossível distinguir entre a atenção para a segurança do Estado, e a intromissão na vida privada e o emprego da espionagem como forma de exercer vantagem estratégica para concorrência econômica, brecando as possibilidades de crescimento da Semiperiferia. A novidade de Snowden é a deserção e não a espionagem sobre populações inteiras.

A partir da vitória dos EUA, seus aliados anglo-saxões e a OTAN na Guerra Fria, a vigilância individual já vinha aumentando, considerando que os ex-aliados na luta do Afeganistão sob a invasão soviética, se torna a razão de Estado e o bode expiatório perfeito como ameaça planetária. A ênfase no rastreio da lavagem de dinheiro, tomando o caso limite do BCCI (ver encurtador.com.br/egis2) – banco paquistanês fundado em 1972 – e observando seu emprego no apoio dos integristas, a Superpotência globalizou a vigilância sobre transferência de ativos financeiros, executando de forma discricionária a punição. Mais uma vez, a humanidade se vê diante de um engodo. Alegando a “segurança coletiva” uma vez que o potencial inimigo se organiza em sistema de rede, a NSA/CSS vigia a tudo e a todos de forma integrada, ultrapassando a necessidade de esperar um decreto legal de tipo FISA (ver encurtador.com.br/pLXZ5 )  , sendo derrubada esta exigência após o Ato Patriótico de 2001 (encurtador.com.br/cglJ5).

Leia também:  Muitas acusações no último debate entre Trump e Biden, mas menos interrupções

Cabe recordar que o modelo organizacional foi aprendido pelos jihadistas quando o membro da família real saudita e sócio dos Bush, Osama Bin Laden, era operador de enlace no recrutamento de voluntários “afeganis” para lutar contra os hereges soviéticos ocupando o Afeganistão. Tais operações eram alimentadas pelo BCCI e redes de shadow banking informais, como de transferência financeira comutada, típica forma de envio de dinheiro por comunidades de imigrantes, conhecido como Sistema Hawala (ver encurtador.com.br/ikTWZ). Esta guerra não declarada foi a maior escalada bélica (de custos) do período da bipolaridade e azeitou a máquina da lavagem em escala planetária. Ao comprometer a Arábia Saudita como co-financiadora da resistência afegã, as redes de inteligência se mesclaram, para depois ficarem disseminadas pelas populações de credo islâmico de ramo sunita espalhadas pelo mundo. O resultado é vigiar quase tudo e quase todos, justificada na onipresença sobre o inimigo sem rosto. Por tabela, alegando a defesa da sociedade e da segurança coletiva, os EUA literalmente quebram comunicações de sinais e decodificam conversações em tempo real (ver https://nsa.gov1.info/surveillance/), servindo tais esforços para detectar quaisquer ameaças, incluindo concorrência econômica ou ações discricionárias.

Como se sabe nada disso é novidade. A partir da escalada bélica da 2ª Guerra Mundial, os Estados Unidos são co-governados pelo complexo industrial-militar, incluindo os setores de telecomunicações. O alvo da vigilância é indiscriminado, conseqüência da indexação de palavras-chave, cujos registros, uma vez capturados, são posicionados em super processadores, cruzando os termos com as relações interpessoais de quem participa das conversas. A quebra de sinais também pode operar entrando nos dados de comutações bancárias, rastreando transferências e circulação de ativos pelo Sistema Swift (ver encurtador.com.br/sDZ48). O problema internacional é a vigilância das comunicações eletrônicas em Estados soberanos, espionando sistematicamente cidadãos de países aliados – como os da União Européia – e parceiros comerciais, a exemplo do Brasil.

O fluxo de comunicações eletrônicas passa necessariamente pelos EUA, pois lá se localiza a maioria dos supercomputadores servindo como intermediários das conversações de internet e o hub da rede física instalada nas duas costas do Oceano Atlântico. Some-se a isso a lealdade de fato – não jurídica – das empresas fornecedoras de serviços de internet e indexação de dados, como Google, Facebook, Microsoft (no serviço do Skype) e Yahoo. Se antes os críticos suspeitavam da venda de dados particulares para fins de mercado, individualizando o consumo e a oferta de produtos customizados, agora o fato é ainda mais grave. Ao contrário do senso comum do liberalismo, a privacidade e a liberdade individual não está assegurada para os cidadãos, sendo prerrogativa do uso da força e hegemonia do Império em escala mundial.

Leia também:  Para que haja debate entre Trump e Biden, microfones serão silenciados

Espionagem, a vantagem não negociável

Pela primeira vez após o 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos da América (EUA) se encontram emparedados diante do ocidente, para operar como guardião desta forma de vida contra os “sarracenos”. O Império é detentor de uma superioridade militar infinita diante de aliados e possíveis concorrentes. Tamanho é o complexo industrial-militar-eletrônico que bastam poucas deserções para expor tal gigantismo e suas debilidades.

A partir da deserção de Edward Snowden, um analista de informática e decodificador terceirizado da National Security Agency (NSA), ficou descortinado para a opinião pública o senso comum entre os especialistas. Para quem entende minimamente de espionagem e realismo das Relações Internacionais (RIs), sabe que a superioridade da superpotência vitoriosa na Guerra Fria é quase absoluta em termos de vigilância eletrônica. O que houve,  com Snowden, antes com Bradley Manning (analista de inteligência do Exército dos EUA que operara no Iraque e Afeganistão), Valerie Plame (agente da CIA, especializada em armas de destruição em massa e que fora exposta ao público no governo Bush Jr.), é parte do jogo. Como diria Graham Greene, o chamado fator humano, por vezes o limite das convicções ou os conflitos internos de cada operador, podem gerar a motivação discordante, gerando a dissidência. 

A diferença da situação do atual desertor Snowden para os anteriores, Plame e Manning, é abissal. Bradley está preso por haver vazado mais de 700.000 documentos secretos para o portal Wikileaks, coordenado pelo australiano Julian Assange, outro inimigo do Império em tempos de internet. Plame circula com desenvoltura nos EUA, virou enredo e argumento de um bom filme feito por Hollywwod e hoje é fonte permanente de meios de comunicação como CNN ou programas de humor político como o do democrata Bill Maher (HBO). Edward está numa condição especial, exilado na Rússia com renovadas pretensões imperiais, empregado de um portal de relacionamentos dentro do território soberano do czar Vladimir Putin e vazando sistematicamente relatórios de inteligência para o jornal britânico The Guardian.

Leia também:  Déficit orçamentário dos EUA triplica alcançando recorde de US$ 3,1 trilhões no ano fiscal de 2020

No segundo semestre de 2013, o mundo foi informado e os especialistas constataram o grampo no celular da primeira ministra alemã Ângela Merkel; escutas na reunião secreta do Conclave do Vaticano; aberturas dos emails privados da então presidente brasileira Dilma Rousseff, dentre outras violações. A alegação é a insegurança global diante das redes integristas sunitas – as mesmas retroalimentadas pela Arábia Saudita, aliada dos EUA desde 1945 – mas as razões são outras.

A primeira é que o gigante tem fome, acumulando dados e conversas e os classifica segundo a prioridade da política externa do Império, seja esta comercial ou bélica. A segunda razão é o fator antecipação. Os Estados Unidos têm como vantagem estratégica em qualquer âmbito das RIs o poder de antecipar-se aos demais agentes, não importando sua grandeza ou área de interesses. Para a Casa Branca, tal vantagem é inegociável, em todos os âmbitos da projeção de poder e vantagem estratégica, com especial ênfase na aliança com o aparelho Jurídico dos países da Semiperiferia e sua sanha – compreensível e até certo ponto justa – de punir o crime de elite. O resultado nefasto desta cruzada moralista, todos nós conhecemos.

 

Bruno Lima Rocha é professor de relações internacionais e de ciência política (www.estrategiaeanalise.com.br para textos e coluna de áudio / (https://estrategiaeanaliseblog.com para audiovisual e longas entrevistas ou programas de rádio / [email protected] para E-mail e Facebook)

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. A roda julho
    No mundo atual fico a matutar o que seria a configuração de poder sem o império americano , com a URSS viva e poderosa e a China a grande potência que é hoje. Onde andaria o capitalismo? Na lua, talvez.Aqui no Brasil os eslavos estariam fazendo turismo e usufruindo de nossas belezas naturais.Alguma coisa deu errado nas previsões do alemão.

  2. os….

    E descobrimos o fogo !!! Onde estão aqueles que há alguns anos diziam que era só Teoria da Conspiração? Até Snowden e Assange. E onde está A Imprensa Ocidental que se vangloria de ser livre e Organismos de Direitos Humanos, enquanto Assange está preso em Embaixada de Londres? Não ouvimos a voz roucadas ruas. Por que será? Enquanto isto, um certo país da Am do Sul, maior que a América Latina inteira, um dos maiores mercados do planeta, deram de graça tamanha força financeira, estratégica, tecnológica e empregatícia. Mas já podemos dar uns “zaps”. Gênios. P.S. E ainda perseguimos a “falecida” RGT, enquanto a escravidão deste século está descrito neste  artigo)   

  3. Paiseco lixo, esses EUA,

    Paiseco lixo, esses EUA, segurando o mundo na barbárie…

    Bem, em que outro cenário é possível essa violência senão na barbárie? Se os EUA interrompessem, por exemplo, as tensões contra a Coreia do Norte, vai que as pessoas vissem como exemplo e possibilidade, que começassem a gostar e construir estados mais socialistas, né? E aí as corporações deixariam de concentrar poderes econômico e político em si mesmas, os poderes se espalhariam democraticamente, já pensou? Já pensou se as pessoas acostumam com um bem viver, com muito menos estímulo ao medo, terror e violência? Não, não, é preciso ameaçar, tensionar, impor terror senão a turma se sente satisfeita, tranquila para realizar seus potenciais humanos – trabalho, estudo, relações pessoais – para prosperar, e isso fará a tal da roda da economia girar numa velocidade mais “natural”, menos artificialmente frenética.

    Ah se o povo dos EUA tomasse o poder político que as corporações usurparam naquele – e em outros – países. Mas aí não seria o povo dos EUA, tá certo, aí precisaria que esse povo se livrasse da lavagem cerebral de que são vítimas.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome