Tribunal de apelações dos EUA rejeita outro processo Trump na Pensilvânia

O caso de Trump alegando fraude eleitoral é arquivado na Pensilvânia, mas seus advogados juram apelar para a Suprema Corte dos Estados Unidos.

As alegações de Trump e sua equipe jurídica de fraude e irregularidades na votação continuam encontrando resistência dos juízes [Patrick Semansky / AP Photo]

Jornal GGN – Um tribunal federal de apelações na Filadélfia rejeitou na sexta-feira o último esforço do presidente Donald Trump para contestar os resultados da eleição, impedindo que o presidente eleito Joe Biden fosse declarado vencedor da Pensilvânia.

Os advogados de Trump prometeram apelar para a Suprema Corte, apesar da avaliação dos juízes de que “as alegações da campanha não têm mérito”.

O Tribunal de Apelações do 3º Circuito dos Estados Unidos concordou com uma série de outros tribunais ao descobrir que a campanha de Trump não oferecia evidência de fraude eleitoral.

A campanha de Trump alegou repetidamente irregularidades eleitorais que equivalem a fraude, sem evidências.

“Eleições livres e justas são a força vital da nossa democracia. As acusações de injustiça são graves. Mas chamar uma eleição de injusta não significa que seja assim. As acusações exigem alegações específicas e, em seguida, provas. Não temos nenhum aqui”, escreveu o juiz Stephanos Bibas, nomeado por Trump e ex-professor da faculdade de direito, na decisão do painel de três juízes.

A decisão é o mais recente de uma série de golpes nos esforços de Trump para anular os resultados da eleição. A maioria dos principais meios de comunicação convocou a corrida para Biden, que conquistou 306 votos eleitorais, muito mais do que os 270 necessários para vencer.

Logo após a decisão de sexta-feira, Trump postou um vídeo da Newsmax no Twitter sobre uma suposta fraude eleitoral em Nevada.

Leia também:  Biden faz chamamento à união na posse: "Há um ataque à democracia e à verdade"

A campanha de Trump abriu o caso da Pensilvânia no início deste mês, dizendo que as autoridades eleitorais do condado haviam tratado as cédulas pelo correio de maneira inconsistente e pedindo ao juiz distrital americano Matthew Brann que suspendesse a certificação dos resultados.

Alguns condados permitiram que os eleitores corrigissem pequenas deficiências em suas cédulas, como a falta de um “envelope de sigilo”, enquanto outros não.

Brann encerrou o caso em 21 de novembro, dizendo que o caso era baseado em “argumentos jurídicos forçados” e “acusações especulativas”.

O caso foi discutido na semana passada em um tribunal inferior pelo advogado de Trump, Rudy Giuliani, que insistiu durante cinco horas de argumentos orais que a eleição presidencial de 2020 foi marcada por fraude generalizada na Pensilvânia. No entanto, Giuliani não apresentou nenhuma prova tangível disso no tribunal.

O juiz distrital dos Estados Unidos, Matthew Brann, disse que a reclamação cheia de erros da campanha, “como o monstro de Frankenstein, foi costurada a esmo” e negou a Giuliani o direito de alterá-la pela segunda vez.

O 3º Circuito considerou essa decisão justificada. Os três juízes do painel foram todos nomeados por presidentes republicanos. A decisão veio quatro dias depois que as autoridades da Pensilvânia certificaram sua contagem de votos para Biden, que derrotou Trump por mais de 80.000 votos no estado.

Trump talvez espere que uma Suprema Corte que ajudou a conduzir em direção a uma maioria conservadora de 6-3 seja mais aberta a seus apelos, especialmente porque o tribunal superior manteve a decisão da Pensilvânia de aceitar cédulas pelo correio até 6 de novembro por apenas um voto de 4-4 no último mês. Desde então, Amy Coney Barrett, indicada a Trump, juntou-se ao tribunal.

Leia também:  A posse do 46º presidente dos EUA, em meio a turbulências e perdas

Trump disse na quinta-feira que deixaria o cargo se o Colégio Eleitoral certificasse a vitória de Biden quando se reunisse em dezembro.

Com informações da Al Jazeera

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Nassif: ouvi dizer que o Tupetudo vai continuar presidente do TioSan. Em Brasilia, o grupo do ódio tá recomendando que os VerdeSauvas se preparem pra invadir o pais dos Gringos, caso o tal de ColégioEleitoral confirme Bidão vencedor. Inclusive, porque a vice é negra. Onde já se viu? Chega de Pindoramas, onde até OperárioNordestino alcança o comando da (quase) Nação. E depois de ocuparem Washington e Baninha for confirmado chapeiro oficial do Macdonalds, Pequim será a próxima meta…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome