Catalunha aprova suporte legal para referendo sobre Independência

Sugestão de MiriamL

do Público.pt

Catalunha aprova legalização do referendo

Diploma abre caminho à consulta sobre a independência da região.

O Parlamento catalão aprovou nesta sexta-feira a Lei das Consultas, um pacote legislativo que serve de suporte legal para que possa ser convocado o referendo sobre a independência, marcado para 9 de Novembro. No entanto, ao contrário do que tinha sido sugerido, o presidente do governo regional, Artur Mas, ainda não convocou o referendo.

De acordo com a nova lei, podem votar os cidadãos catalães com mais de 16 anos a residir na Catalunha ou no estrangeiro, desde que se tenham inscrito no sistema de recenseamento criado pela Generalitat. Também podem votar os cidadãos da União Europeia com residência na Catalunha há pelo menos um ano, ou extracomunitários com residência há três.

As questões excluídas de ir referendo pela nova moldura legal são só as que restrinjam os direitos, liberdades e garantias constitucionais e as que abranjam matérias fiscais e orçamentais que já tenham sido aprovadas. O estatuto de autodeterminação fica, desta forma, dentro dos assuntos que podem ser alvo de referendo.

Cabe agora a Artur Mas fazer a marcação oficial do referendo, o que já poderia ter acontecido nesta sexta-feira. A estratégia de Mas está relacionada com a posição do Governo central, que se opõe, desde a primeira hora, à marcação da consulta, que considera ilegal.

Adiando a convocatória do referendo, Mas impede que seja possível ao Governo do conservador de Mariano Rajoy enviar de imediato o diploma para o Tribunal Constitucional, que vai reunir em plenário ma próxima semana. Ainda esta sexta-feira, Mas recusou-se a revelar a data em que irá convocar a consulta. “Tenho o prazo até à próxima sexta-feira, mas a convocatória também pode ser imediata”, disse ao canal 8tv.

Leia também:  Portugueses querem remunicipalizar abastecimento de água

Independentemente da data de anúncio, Madrid poderá sempre recorrer ao Tribunal Constitucional para impugnar a consulta.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Opinião antecipada

    Miriam,

    Me arrisco a dizer, depois de tudo o que já foi tentado e reclamado pelos catalães ao longo de vários anos por um país independente, que Catalunha não é Escócia.

    Se Madrid pode recorrer pela impugnação, precisará fazê-lo, pois este referendo indica ter resultado já garantido.

  2. Atenção sras, e srs,

    Atenção sras, e srs, defensores da teoria da consspiração:

            Ao contrário da Escócia, a Catalunha ganha sua independência.

                           E ganha de goleada– escrevo sem saber de pesquisas porque elas ainda não existem oficialmente.

                     Ou ganha no voto,ou ganha as imensas benesses que a Irlanda ganhou( ou por justa causa,tanto faz)

                  Só pra se ter uma ideia do fanatismo basco> Até pouco tempo, nenhum atleta que não fosse basco jogava no Atletico de Bilbao.

                 Lá não é a Escócia não. Ou se atende todas, e mais um pouco, das suas reinvidicações ou ela se torna independente da Espanha.

                A bem da verdade,nem posso garantir que mesmo que todas suas reinvidicações sejam atendidas, ela ,mesmo assim, queira deixar de ser independente.

                    Espanhol não tem a fleuma dos britânicos.

                       Sua característica marcante é ser ”turrão”.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome