Saúde financeira do maior banco de Portugal preocupa a Europa

Jornal GGN – O maior banco português está em crise profunda. O Banco Espírito Santo e sua saúde financeira andam tirando o sono do bloco do euro. E não é para menos: suas ações desabaram mais de 15% nesta quinta-feira (10). Foi o menor nível em um ano.

E tudo isso sem contar os problemas enfrentados também pelas empresas holdings da família fundadora – como a Rioforte, por exemplo, envolvida em negociações com a Portugal Telecom e a Oi e sob fortes boatos de um calote junto às duas companhias do setor de telefonia – o que poderá impactar diretamente a instituição financeira.
 
Como se não fosse mais possível um dia péssimo para os administradores, a queda acelerou após o Espírito Santo Financial Group (ESFG), que detém 25% da fatia da família no BES, suspender as negociações das ações e bônus, citando problemas em uma de suas empresas. Horas mais tarde, a Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), órgão regulador do mercado de capitais de Portugal, suspendeu a negociação das ações do Banco Espírito Santo (BES), aguardando que seja prestada informação relevante ao mercado.

 
Economistas acreditam que a ação do BES está caindo devido à crescente probabilidade de reestruturação da dívida nas companhias holdings da família. Uma exposição direta e indireta que pode chegar a quase 3,5 bilhões de euros – o total da capitalização de mercado do BES.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Uai ! isto não acontece

    Uai ! isto não acontece somente no Brasil ???? Pensei que o resto do mundo estava “nadando” em prosperidade. Tirando a esperta purdimais Alemanha, parece que o mundo inteiro está com problemas. Viram  srs. “Economistas” vira-latas. Logo o Sardenberg vai dizer q é pq eles falam português .

    • Nada a ver. Não tem nenhum

      Nada a ver. Não tem nenhum banco afundando alem desse em Portugal por uma razão especifica de negocio mal feito, não é um problema geral do sistema bancario português ou europeu.

      O maior banco portguês não é o Espirito Santo, é a CAIXA GERAL DE DEPOSITOS.

  2. Tempus horribilus

    Parece que a coisa aqui não vai andar mesmo. A França continua estagnada, apesar dos esforços do governo Hollande-Valls, e o desemprego nos picaros ! O Brasil que reforce suas finanças. 

  3. Banco Espirito Santo

    O banco está virtualmente quebrado desde fins do mes passado, quando o  governo portugues negou-lhe empréstimo da ordem de 4 bilhões de dólares.  Os tres principais dirigentes demitiram-se, e um deles viajou para Angola em busca de auxílio na antiga colônia. Lá já se falava em inquérito sobre o caso.   Em uma população de 11 milhões, 150 mil famílias não conseguem pagar as casas que compraram (o que pode explicar, em parte, o problema do BES); estão em processo de fechamento 430 escolas primárias, para economizar dinheiro público; nos últimos tres anos, 150 mil jovens emigraram em busca de emprego, e se discute seriamente incluir no PIB, este ano, os imaginados ganhos com tráfico de drogas e prostituição (coisa que, aliás, está em andamento na Italia, na França e na Inglaterra).  A crise na terrinha está medonha.

  4. Governo se metendo aonde não deve

    Os Governos não deveriam botar dinheiro público em bancos privados; deveriam sim fiscalizar e aplicar penas em quem se alavanca demais e descumpre normas de proteção ao dinheiro dos clientes.

    Só que os governos querem estimular o crescimento com dívidas futuras e isto é a maior causa de crises. Querem estimular consumo de quem não tem dinheiro. Resultado: crises e inadimplência.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome