Com o avanço das exportações de commodities, venda de caminhões aumenta

A imagem acima mostra um flagrante de caminhões transportando toras de madeira ilegal na rodovia BR-319, no trajeto entre Porto Velho, em Rondônia, e Humaitá, no Amazonas em 24/08/2019 (Foto: Michael Dantas/WWF-Brasil)

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

  1. ——Segundo ele, a estimativa de produtos agropecuários que seriam levados pela hidrovia entre agora e dezembro é em torno de 1,5 milhão de toneladas. ——
    —Ou seja, no caso da Hidrovia Tietê-Paraná, que transporta 10 milhões de toneladas de produtos por ano (incluindo os 3,5 milhões de produtos agropecuários), são 250 mil viagens de caminhões retiradas por ano das estradas. —
    —O uso da hidrovia e a alternativa mais poluente
    Uma das principais hidrovias do país, a Tietê-Paraná encerrou os trabalhos em 2021. O motivo? Falta água para viabilizar a navegação.

    Pelos 2,4 mil quilômetros de extensão da hidrovia escoam grãos do Centro-Oeste, parte de Rondônia, Tocantins, Minas Gerais e São Paulo. Parte dos produtos seguem em ferrovia ou rodovia para o porto de Santos e saem para exportação – daí a localização da hidrovia ser tão estratégica. O porto de Santos é o maior da América Latina.

    Cerca de 3,5 a 4 milhões de toneladas de produtos agropecuários, como milho, soja, cana-de-açúcar e etanol, são transportados por ano por ali, diz o presidente do Sindicato dos Armadores de Navegação Fluvial do Estado de São Paulo (Sindasp), Luizio Rizzo.—

    A catastrófica reação em cadeia à seca do rio Paraná(https://www.bbc.com/portuguese/brasil-58441586)
    Juliana Gragnani – @julianagragnani—Da BBC News Brasil em Londres—6 setembro 2021

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome