Itaipu assina três convênios na área de biogás

Jornal GGN – O diretor-geral brasileiro de Itaipu, Jorge Samek, vai assinar, na próxima segunda-feira (3), em Cascavel, durante a 26ª edição do Show Rural Coopavel, três convênios com o objetivo de estimular o uso do biogás em propriedades rurais do Paraná e difundir o conceito de florestas sustentáveis.
 
O primeiro convênio marca a entrada da Cooperativa Agroindustrial Copagril como parceira no Condomínio de Agroenergia para Agricultura Familiar da Microbacia do Rio Ajuricaba, em Marechal Cândido Rondon.
 
Pioneiro no País, o projeto desenvolvido por Itaipu e parceiros ajuda pequenos produtores da região Oeste do Estado a produzir biogás a partir dos dejetos da atividade agropecuária.
 
O superintendente de Energias Renováveis de Itaipu, Cícero Bley Jr., disse que a entrada da cooperativa no Condomínio Ajuricaba tem potencial de elevar a escala econômica do empreendimento.
 
Segundo ele, a cooperativa irá usar o biogás produzido pelos condôminos do Ajuricaba e iniciará a implantação de biodigestores nas suas próprias instalações, também para produção de biogás. Com isso, dobrará a quantidade de biogás purificado no condomínio e que será usado nas caldeiras da Coopagril.
 
A conexão entre o Abatedouro de Aves da Coopagril e a Microcentral Termelétrica a Biogás do Condomínio será feita por um gasoduto de 1.800 metros.
 
“A Coopagril é tida como referência de qualidade agroindustrial no Brasil e nos países em que atua”, afirmou o superintendente – que também é diretor-geral do Centro Internacional de Energias Renováveis/Biogás (CIBiogás-ER) e presidente da recém-criada Associação Brasileira do Biogás e Biometano (Abiogás).
 
Durante o Show Rural, a Itaipu também vai renovar convênio com a Prefeitura de Toledo e a participação no Comitê Municipal de Biogás. O município tem hoje a maior concentração de suínos do Paraná – cerca de 700 mil animais.
 
De acordo com Cícero Bley, quatro condomínios de produtores rurais e diferentes microbacias hidrográficas da região estão se articulando para a produção de biogás.
 
O primeiro deles, o Condomínio de Agroenergia do Lageado Grande, já está com os trabalhos de implantação em andamento, com verbas da Agência Francesa de Desenvolvimento.
 
Outro convênio de Itaipu que será renovado nesta segunda-feira é com a Cooperativa Agroindustrial C. Vale, parceira no projeto Florestas Energéticas.
 
O foco do projeto é a produção de madeira, que compõe a matriz energética do agronegócio – sendo empregada em operações com energia térmica, como secagem de grãos.
 
Com o aumento da produtividade agrícola, no entanto, a economia do Oeste do Paraná tem dificuldades para suprir toda a lenha necessária para a safra.
 
De acordo com Cícero Bley, o Departamento Florestal da C. Vale e técnicos em floresta do CIBiogás-ER desenvolveram um método para descentralizar o plantio de florestas com fins energéticos, articulando terras de vocação florestal com clones precoces de eucalipto, usando adubação orgânica com dejetos animais tratados em biodigestores.
 
A lenha também pode ser substituída pelo biogás, como fez a C. Vale nas amidonarias de Assis Chateubriand e Terra Roxa, com economia expressiva de custos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome