Efeitos da Incompetência

Analistas já cogitam a quebra da BP

Efeitos provocados pelo vazamento no Golfo do México despertam a hipótese de falência da gigante do petróleo britânica

The New York Times | 12/06/2010 05:50

  • Mudar o tamanho da letra:
  • A+
  • A

Parece impensável, mesmo agora, que o desastroso derramamento de óleo no Golfo do México pudesse afundar a poderosa British Petroleum (BP). Mas os analistas dos bancos de investimentos são pagos para pensar no impensável – e é exatamente isso o que eles estão fazendo.

 

Foto: The New York Times

Plataforma Deepwater Horizon, no Golfo do México: não se pode descartar a possibilidade de as rivais Shell e Exxon Mobil disputarem o controle da petrolífera britânica

 

A possibilidade de um pedido de falência da BP, especialmente como parte de um processo de fusão no qual suas obrigações relativas ao derramamento pudessem ser segregadas, é uma ideia que já começou a circular em Wall Street. Advogados e banqueiros já estão calculando as possíveis negociações (e também seus possíveis honorários).

Com a queda das ações da BP – a empresa já perdeu mais de um terço de seu valor desde a explosão da plataforma Deepwater Horizon – alguns banqueiros e analistas dizem que a mesma já está tomando forma de uma isca para aquisições. A pergunta é: quem compraria a BP, com suas prováveis obrigações legais gigantescas?

Dizem que tanto a Shell quanto a Exxon Mobil já estão com água na boca. E mentes astutas do mundo jurídico já estão imaginando cenários nos quais a BP entraria em um processo de recuperação extrajudicial, segregando os custos da faxina – e possivelmente bilhões de dólares em ações judiciais – em uma empresa separada.

Tony Hayward, principal executivo da BP, insiste que a gigante do petróleo irá sobreviver a este temporal. A BP ainda é uma máquina de fazer dinheiro: a empresa obteve lucros de aproximadamente US$ 17 bilhões no ano passado.

Leia também:  Crime ambiental em andamento no Atlântico Sul, por Gustavo Gollo

“A força do capital de giro gerado em trimestres recentes nos garantiu um balanço financeiro que nos permite assumir por completo a responsabilidade do ocorrido no Golfo do México”, explica Hayward a funcionários da empresa na semana passada.

Entretanto, isso não impediu que os interessados na aquisição vislumbrassem os resultados possíveis. Eis um pouco desses cálculos:

Custos da limpeza

De acordo com dados do banco Credit Suisse, os gastos da BP com a limpeza do derramamento de óleo poderiam chegar a US$ 23 bilhões. Além disso, a empresa poderia ter de enfrentar gastos adicionais de US$ 14 bilhões em ações movidas pela indústria turística e por pescadores do Golfo. É por isso que, enquanto estimativas mais conservadoras apresentam uma fatura de US$ 15 bilhões, algo em torno de US$40 bilhões não está fora de questão. Afinal, muito pouco em relação ao derramamento saiu como o esperado.

A empresa tem cerca de US$ 12 bilhões em caixa e aplicações de curto prazo, mas já existe um debate questionando se a mesma deveria cortar seus dividendos temendo uma descapitalização. Certamente a empresa poderia vender ativos ou pedir empréstimos, mas estas ações não seriam muito fáceis no cenário atual.

Mas todos esses números não calcularam a maior de todas as possíveis ameaças: um veredicto judicial contra a BP. Tal veredicto poderia empurrar os gastos com o derramamento para a casa das centenas de milhões. Se isso acontecesse, mesmo a BP poderia sucumbir.

Tal resultado pode parecer bastante descabido no momento. Mas, os banqueiros de Wall Street já cunharam um termo para descrevê-lo: “O cenário Texaco”.

Em 1987, a Texaco foi forçada a pedir concordata depois que a Justiça americana determinou que a empresa deveria pagar US$ 1 bilhão à Pennzoil. Um juiz reduziu tal valor a partir da exorbitância inicial de US$ 10,53 bilhões (a Pennzoil processou a Texaco, obtendo ganho de causa, por ter abandonado a fusão planejada com a Getty Oil – em partes, por transferir o caso para tribunais próximos à matriz da empresa. A Justiça determinou o pagamento de danos triplos).

 

Imaginemos o caso da BP sendo julgado em um tribunal de Louisiana, tendo como pano de fundo uma economia local fortemente afetada pelo petróleo, uma alta taxa de desemprego e uma plateia enfurecida. Até onde isso pode chegar?

De acordo com o Oil Pollution Act de 1990, as obrigações da BP pela devastação econômica – além dos gastos com a limpeza da área afetada pelo derramamento – podem chegar a US$ 75 milhões, valor do qual Hayard já disse que pretende fugir. Mas, se for provado que a BP violou os regulamentos de segurança, o que parece bem provável, esse valor máximo se torna irrelevante.

Isso não quer dizer que a BP não irá atravessar um extenso julgamento contra isso. Depois do derramamento do petroleiro Exxon Valdez, a Exxon lutou contra o pagamento de uma indenização de US$ 5 bilhões por duas décadas. E ganhou. O valor foi reduzido primeiramente para US$ 4 bilhões e depois para US$ 2,5 bilhões. O caso acabou chegando à Suprema Corte, que cancelou a indenização determinando que os atos da Exxon como sendo “mais graves do que negligência, mas menos graves do que intencionais”. A sentença limitou os danos morais a danos compensatórios, que foram calculados em US$ 507,5 milhões.

“Se as obrigações da BP teriam ou não um valor máximo fixado é uma questão que envolve muitos fatores imponderáveis. Caso as ações da empresa continuem a cair, ela pode se tornar um alvo de aquisições”, escreveu David Buik, da corretora BGC Partners de Londres.

Leia também:  "Loucura dizer que é nosso petróleo", diz especialista venezuelano sobre vazamento

Como a Shell e a Exxon têm em mãos bilhões de dólares e valores de mercado que facilmente ultrapassam a BP – somente a Exxon tem o dobro do tamanho da gigante britânica – banqueiros dizem que agora é o momento de fazer uma negociação, contanto que a empresa compradora possa encontrar uma maneira de segregar suas obrigações legais. É claro que essa é uma condição de grande relevância.

Tem muita gente – além da BP – pensando que é tolice até mesmo discutir a possibilidade de falência ou de venda da BP. Mas, se olharmos para alguns anos à frente, esta pode ser a melhor e a última esperança para a empresa.

“Mesmo com um processo de recuperação judicial, a marca BP está manchada para sempre”, disse Robert Bryce, professor assistente sênior do Manhattan Institute e autor do livro “Power Hungry: The Myths of ‘Green’ Energy and the Real Fuels of the Future”. Ele afirma que a BP é uma empresa sólida financeiramente. Mas, em sua opinião, a falência da mesma em um curto prazo é improvável.

“Pelo contrário, a BP irá atravessar as próximas décadas envolvida nas questões do vazamento, atolada em infindáveis processos judiciais, com sua reputação irreparavelmente manchada e suas finanças enfraquecidas”, disse Bryce.

Se você acreditar nos banqueiros, este é o resultado otimista. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Ola Alfredo, td bem meu
    Ola Alfredo, td bem meu amigo? Eu me chamo charles e tenho 25 anos de idade, recém formado. Pude ver um interessante comentário seu a respeito de um assunto e percebi sua maturidade crítica a respeito de algumas coisas q envolve nossa politica Brasileira para diversas áreas, eu queria falar com vc pq no estagio em que me encontro busco pessoas que possam compartilhar um pouco da sua sabedoria comigo, n desejo obter segredos e nem know how de ninguem, apenas quero instrução de pessoas com crítica madura, cm de pai para um filho sem abusar muito. Caso possa me ajudar meu email é charlesbmoreirajunior@hotmail.com.

    Grato

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome