O mito de que gays são mais ricos que héteros

O mito de que gays são mais ricos do que os heteros

17/10/2011

Um jornalista canadense chamado Joe Clark catalogou mais de uma centena de trabalhos (livros, artigos, teses) publicados nos últimos 20 anos sobre a o salário de gays, expondo a verdade e derrubando os mitos – com rigor e frieza analítica – sobre como as empresas conduzem a remuneração de gays, lésbicas e bissexuais.

Um dos mitos desmontados por Clark foi o da bonança que existiria entre os gays. Segundo uma tese muito disseminada no mundo dos negócios, casais homossexuais sem filhos teriam mais dinheiro para gastar com vinhos, carros de luxo, spas, viagens e roupas de grife. Nos anos 90, marqueteiros chegaram a cunhar o termo “pink money” para definir o potencial desse público. Porém, as estatísticas mostram que, ao menos nas companhias, os gays não estão com essa bola toda. 


A socióloga Anastasia Prokos, da Universidade de Nevada, conseguiu provar estatisticamente que mesmo quando os homens gays possuem educação superior em relação aos homens hetero, seus salários são menores. “É comum gays escolherem profissões dominadas por mulheres, que pagam salários menores, deixando de lado áreas como a construção civil, que pagam bem”, afirma Clark. Uma curiosidade: homens gays também dedicariam mais tempo a trabalhos não remunerados.

Por outro lado, lésbicas recebem salários maiores que os das mulheres hetero. Um dos motivos, de acordo com uma pesquisa conduzida em 2003 pelo economista Dan A. Black, é que lésbicas enfrentam uma carga horária superior à de mulheres hetero. Além disso, seu distanciamento – mesmo que temporário – do mercado de trabalho por causa da maternidade ou da adoção é consideravelmente menor. Enquanto afastamentos causados por eventos como a licença-maternidade são uma realidade para 22% das mulheres heterossexuais, o mesmo ocorre com apenas 12% das lésbicas. 


As lésbicas também teriam alta representação em algumas áreas preferencialmente masculinas, como as relacionadas à engenharia. A pesquisa não mostrou evidências de discriminação contra lésbicas em promoções, em comparação às mulheres heterossexuais (haveria discriminação igual contra ambas). “De qualquer forma, a discriminação aos gays e lésbicas é um fato”, diz Clark.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome