Acordo com EUA para explorar Alcântara ameaça desenvolvimento do Brasil, alerta pesquisador americano

‘Razão explicitada é que o acordo visa proteger a tecnologia americana, mas tem restrições bem mais amplas às parcerias e ao desenvolvimento tecnológico brasileiros’, afirma Sean T. Mitchell

Base de lançamento espacial de Alcântara, no Maranhão. Foto: Reprodução

Jornal GGN – O Acordo de Salvaguardas Tecnológicas, que permite aos Estados Unidos a utilização do Centro de Lançamento de Satélites de Alcântara, no Maranhão, ameaça a soberania e o desenvolvimento econômico do Brasil. O alerta é do brasilianista e professor de antropologia na Rutgers University, Newark (EUA), Sean T. Mitchell.

O norte-americano acompanha desde 2001 o caso de Alcântara. Seu trabalho gerou a publicação do livro “Constellations of Inequality: space, race, and utopia in Brazil” (Constelações de desigualdade: espaço, raça e utopia no Brasil), publicado em 2017.

Recentemente, ele escreveu um artigo, publicado no GGN, manifestando preocupação com a proximidade da votação do acordo no Plenário da Câmara dos Deputados.

Nesta terça-feira (10), em entrevista ao jornalista Luis Nassif, na TV GGN, Mitchell reforça os riscos à soberania do Brasil caso o acordo com o governo Donald Trump seja referendado por deputados e senadores.

“A razão explicitada [no contrato] é que o acordo visa proteger a tecnologia americana, mas tem restrições bem mais amplas às parcerias brasileiras e ao desenvolvimento tecnológico brasileiro”, pondera o brasilianista.

Mitchell lembra que os documentos vazados pelo WikiLeaks, em 2011, mostraram que os Estados Unidos nunca quiseram que o Brasil tivesse sucesso em um programa de lançamentos.

No dia 22 de agosto, a Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (CREDN), da Câmara dos Deputados, presidida pelo filho do presidente da República Eduardo Bolsonaro (PSL), validou o acordo bilateral por 21 votos a favor e 6 contra.

No dia 4 de setembro, o Plenário da Câmara aprovou por 330 votos a 98, o regime de urgência da tramitação do Projeto de Decreto Legislativo (PLD) 523/19, que contém o acordo de salvaguardas tecnológicas. O que significa que a proposta poderá entrar em votação nos próximos dias.

Leia também:  Lema do novo partido de Bolsonaro é inspirado no movimento fascista, diz advogado

O texto estabelece regras para o uso do centro de Alcântara por países que utilizam pelo menos 80% de tecnologia norte-americana e até restrições à circulação da base por técnicos brasileiros.

Além disso, o texto proíbe que países que não tenham assinado o Regime de Controle de Tecnologia de Mísseis (MTCR, em inglês) frequentem a base, cláusula que atinge diretamente o acordo bem sucedido de lançamento de satélites entre o Brasil e a China.

Outro fator que chama atenção no texto é um projeto de expansão da área ocupada pelo Centro Espacial que resultará na expropriação de 800 famílias quilombolas.

Mitchell lembra que quando o Centro de Lançamento em Alcântara foi criado, nos anos 1980, cerca de 300 famílias quilombolas foram realocadas para agrovilas do interior, “onde não foi possível manter a forma de vida que tinham antes”. O resultado foi o “empobrecimento e dependência dos quilombolas ao pouco dinheiro que recebem” como indenização.

“Isso gerou uma certa resistência nas comunidades que hoje vivem na costa, próximas à base de Alcântara, que têm uma vida decente e não querem sair de lá”, completa.

O antropólogo ressalta que o Centro de Lançamento existente já dispõe de terras suficientes (9.000 hectares) para suas atividades. E, ainda, que as comunidades quilombolas têm “felizmente” garantias da Constituição Federal para permanecerem ali. Em 2004, o governo federal reconheceu os territórios de Alcântara como área de “remanescentes das comunidades dos quilombos”.

O silêncio dos militares

O antropólogo observa que o acordo assinado entre Bolsonaro e Trump, para a exploração da base de Alcântara quase que exclusivamente pelos norte-americanos, é semelhante ao acordo assinado em 2000 pelos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Bill Clinton, que foi rechaçado pelos militares e negado pelo Congresso naquela época.

Leia também:  Xadrez do pacto político, comentário de Rafael Viera

“O acordo em 2000 foi criticado tanto pela esquerda quanto pela direita. Não só o Lula rejeitou, mas também Jair Bolsonaro, como congressista, também rejeitou o acordo, segundo ele na época, porque era uma ameaça à soberania brasileira. Mas o acordo assinado por ele com Trump hoje é muito semelhante a esse de 2000”, destaca Mitchell.

Ao ser questionado por Nassif porque os militares brasileiros assistem em silêncio a cessão da Base de Alcântara aos EUA, Mitchell lembra que, no início dos anos 2000, “tinha muita oposição militar contra o acordo assinado por Fernando Henrique Cardoso com Bill Clinton”.

Como antropólogo e brasilianista ele não entende porque as Forças Armadas no Brasil assistem o avanço da relação bilateral pacificamente.

“Talvez os brasileiros possam entender melhor do que eu e responder essa pergunta do por quê o nacionalismo dos militares parece ter enfraquecido muito no governo Bolsonaro. Não estou percebendo a oposição militar [hoje]. Talvez ainda irá surgir, porque na época [em 2000] existia muito”, relembra.

No artigo, publicado no GGN, Mitchell observa que quando o Centro Lançamento foi anunciado na década de 1980, o então Ministério da Aeronáutica o apresentou como o mais ambicioso projeto científico a ser empreendido por um “país em desenvolvimento.”

“Ao abandonar essas ambições, o Brasil receberá pouco em troca. O fato é que não tem que ser assim. O Brasil pode desenvolver seu programa espacial e proteger os direitos de suas populações tradicionais e as populações minoritárias”, conclui.

Leia também:  Mídia ignora participação dos EUA no caso Lula e continua "campanha de difamação"

Porque Alcântara é tão atraente

A velocidade de rotação da Terra é maior em áreas mais próximas ao Equador, isso faz com que a região de Alcântara (divisa entre a Amazônia Legal e o Nordeste brasileiro) tenha posição geográfica privilegiada de lançamentos para o espaço.

Essa vantagem tem impactos financeiros reduzindo em até 30% o consumo de combustível usado para arremessar, por exemplo, um satélite.

O GGN prepara uma série de vídeos explicando a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar esse projeto? Acesse www.catarse.me/LavaJatoLadoB e saiba mais.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Ja havia comentado que Mitchell tem muito mais amor e respeito pelo brasil que esses que estão no poder, incluindo as FFAA caladinhas.
    Luis Nassif talvez você devesse entrevistar especialistas nas forças armandas. Tem a historiadora Maud Chirio, especialista no assunto, que fala perfeitamente português. E ha muitos outros.

  2. É incompreensível que tanto a legislação quanto a cultura de nossa (pobre) sociedade não preveja, entenda ou sinta o processo de traição dos interesses dela própria por uma pequena (medíocre e poderosa) parte dela. Lamentavelmente aquela que deveria defendê-la, desenvolvê-la e liderá-la para tanto, o que é uma razoável definição da palavra “elite”.
    Há séculos que esta pequena parte privilegiada não deixa que o restante da sociedade brasileira não se transforme numa (grande) nação para todos ou a imensa maioria, tal qual o cérebro de um viciado nos “prazeres” da heroína definhando continuamente o restante de um corpo parasitado e entregue ao roubo e à prostituição.
    O Brasil é o ÚNICO país grande, populoso e rico que não evolui em seus índices humanos e tecnológicos, comparado à países como China, Índia, Rússia, Canadá, Austrália e EUA, este último “fundado” cerca de 160 anos depois de nós e tornado potência em apenas ~200 anos.
    Apesar de serem há algumas décadas, países mais atrasados que nós, têm poder nuclear e de tecnologia de ponta (já enviam até sondas à Lua), com indústria crescente, como a automobilística e eletrônica próprias, genuinamente nacional (deles), ao contrário da nossa, 100% estrangeira.
    Enquanto isso, nós ficamos discutindo cortes e mais cortes, a reforma da previdência, trabalhista, produção de commodities (preço definido externamente), até na Amazônia, beijos gays, censura à propagandas estatais, embaixamburgeres, bijuterias de nióbio, nazismo de esquerda, exaltação de ditadura e tortura, balbúrdias universitárias, militares que dão 200 tiros e matam, mas “não cometem erros”e tantas outras (mantendo IDH pior do que o da tão mal falada Cuba).
    Somos ultrapassados até por nanicos com pouca ou sem riqueza alguma, com Cingapura, Israel e Coréia do Sul, sem falar em Japão e Alemanha arrasados em 1945 ou nos países escandinavos com muito gelo e frio mas os mais altos índices de desenvolvimento humano.
    Como não pensar que a vendoação de empreendimentos de alto sucesso e imenso custo em impostos sobra a população, verdadeira dona deles, como Eletrobrás (Itaipú!…), Petrobrás (pré-sal!…), Embraer (sucesso comercial e tecnomilitar), Vale (imensas riquezas minerais), BB, CEF e BNDES (desenvolvimento agropecuário, habitacional e econômico) e uma Base pensada para nos levar ao desenvolvimento e lançamento de foguetes, com todo o know-how sendo entregue a UM usuário que nenhum conhecimento pretende dividir, além de impedir o nosso próprio.
    Se dizem que o problema de Alcântara é “econômico” (aahh, como somos incapazes de qualquer coisa!…), porque não alugar (para lançamentos) a base para TODOS os países que quiserem utilizá-la, já que todos podem ganhar.
    Se “não podemos” desenvolver tecnologia (ajente somus inútel!), pelo menos podemos desenvolver NEGÓCIOS parceiros com TODO mundo e não apenas com nosso chefe imperial da VEZ (sim, passamos de Portugal à Inglaterra e depois aos EUA).
    Este sentimento de pertencimento, de nação, não existe aqui (em nossa medíocre “elite”), tal qual numa Índia, China, Israel, Cingapura, Coréia do Sul e tantos exemplos.
    Talvez grande parte da população o tenha, mas são mantidas de pés e mãos amarradas em grilhões e correntes para que façam apenas o necessário para que tais TRAIDORES dos seus vivam em sociedade (de sócio ou agente) com interesses externos à nossa própria sociedade como um todo.
    Se há uma PEC que deva ser criada é aquela que defina a traição e suas penas, que em países desenvolvidos pode ser punida até com a morte!
    Palavra que se segue à um (suposto) brado de “independência”…
    Aquela que ainda está por vir.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome