Derrota da CIA no Irã após o fiasco espetacular na Turquia, por J. Carlos de Assis

Derrota da CIA no Irã após o fiasco espetacular na Turquia

por J. Carlos de Assis

Nem todas as coisas vão de mal a pior em termos de geopolítica. Na Coréia do Norte o “homem foguete”, com evidente apoio chinês e russo, está tendo relativo sucesso em desafiar o império americano na sua sanha de governar o mundo sozinho. Mais espetacular, porém, foi o contragolpe que acaba de ser desfechado pelo Governo iraniano para desarticular o golpe armado pela CIA contra o país. Nos anos recentes, só se viu algo parecido quando a Turquia liquidou com tremenda eficiência outro golpe armado pelos americanos.

A tentativa de golpe iraniano seguiu o figurino da chamada Primavera Árabe: uma vanguarda de militantes financiados pela CIA apostou na possibilidade de incitar uma sublevação geral para quebrar a espinha do Governo e assumir o poder. Não eram bandos organizados. Eram basicamente anarquistas, americanófilos, nazistas (como na Ucrânia) sem compromisso com um projeto futuro para a nação, qualquer que fosse. Vimos isso na Líbia. A força destrutiva da CIA, ali experimentada, matou Kadafi e literalmente destruiu o país.

Fui um dos primeiros jornalistas no país e em grande parte do ocidente que percebeu a extensão do golpe que a CIA havia preparado para liquidar com o governo de Erdogan, na Turquia. Não foi uma investigação em campo, mas pura dedução. Muitos ainda se lembram do caça russo que derrubou um avião de guerra russo na fronteira da Síria. Isso, naturalmente, enfureceu Moscou. Entretanto, alguns meses depois Putin propôs uma troca de missões comerciais com a Turquia. Queria melhorar as relações entre os dois países.

Como isso aconteceu? O desenrolar do golpe, e do contragolpe, explicou tudo. O serviço secreto russo (provavelmente com apoio do muito competente serviço secreto chinês) descobriu que os norte-americanos estavam alimentando um golpe de estado contra Erdogan tendo como líder o clérigo Fathullah Gulen, dono de um vasto patrimônio pessoal na Turquia, que vai de escolas a bancos. Ele vive nos Estados Unidos e é tido pela CIA como aliado incondicional. Erdogan esperou que os golpistas botassem a cabeça para fora a fim de liquidá-los com inteligência russa e apoio militar e do povo.

O que se seguiu foi uma lição exemplar de reação ao golpismo padrão patrocinado por Washington, cujo objetivo estratégico, no caso, era tornar a Turquia um estado vassalo no plano geopolítico. No eixo do golpe estavam milhares de integrantes do corpo jurídico do país, de juízes a advogados (qualquer semelhança com o Brasil não é  mera coincidência),  todos encarcerados e acusados de conspiração. Tanto os EUA quanto a Europa, tendo culpa  no cartório, não ousaram condenar o contragolpe. Limitaram-se a pedir o respeito aos direitos humanos dos presos.

A compreensão desse processo é essencial para se entender o desenrolar recente das relações entre Turquia e EUA. Membro da OTAN como um Estado tampão entre o Oriente e o Ocidente, a Turquia é um aliado de extrema relevância para a Aliança militar ocidental . Entretanto, indignado com as reincidentes intervenções norte-americanas e israelenses  em países como Irã e Síria, visando a sua desestabilização,  Erdogan vem de ameaçar os EUA com a ruptura de relações diplomáticas e, como consequência, das relações militares.

Se isso vier a acontecer, é a primeira grande perda de OTAN desde o fim da União Soviética. Se não acontecer, é que o império ainda consegue conservar os seus limites numa posição logística confortável. Acostumada a engolir países europeus do Leste numa escalada impressionante desde o fim da União Soviética – foram 12 países, desde 1991 -, a ordem militar ocidental enfrentaria um tremendo desafio geopolítico se a Turquia cumprir a ameaça de desconectar-se do grande eixo militara do Ocidente. Em qualquer hipótese, à custa de um caça derrubado, a Rússia soube como obter seu primeiro ganho geopolítico desde a URSS.

 

Site parceiro: frentepelasoberania.com.br

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

19 comentários

  1. derrota no Iran

    pensei que o autor iria fornecer dados da derrota.

    Acho que o titulo do artigo que melhor corresponderia é  Golpe e Contragolpe na Turquia.

    • Irã e Turquia: sem qq semelhança com o contexto brasileiro

      Não faz qq sentido estabelecer paralelo entre aqueles países e o Brasil. 

      Por aqui, TODOS os poderes aderiram (ou foram forçados a) ao golpe, com  o judiciário na linha de frente.  O chefe do executivo se viu cercado por todos os lados sem contar sequer com apoio da população,  em grande parte contaminada pelo veneno da massacrante campanha midiática, que controla as mentes dos antes enfurecidos e agora entorpecidos.

    • Vá se catar, gringo arrogante

      Vá dar liçoes a seus compatriotas, dizer a eles como abolir o Patrioct Act, por ex. É muita arrogância de colonizador pretender nos dar liçoes.

  2. Go home!

    Totalmente verossímil as conclusões do autor, mas nada que qualquer jornalista especializado não pudesse deduzir. Mas, e as fontes, as há? Tá no Wikileaks? Não podemos esquecer que a Rússia continua sendo um  império(meio em  hibernação por razões unicamente  econômicas) que tem altos sonhos de dominação. Ou não?

  3. Aqui eles contaram com uma

    Aqui eles contaram com uma arma de destruição em massa imbatível: A classe média reacionária e midiotizada que acha que é rica e que odeia pobre.

  4. Problema é que Turquia e Irã

    Problema é que Turquia e Irã são governados por gente que tem culhões. Aqui éramos governados por um bando de frouxos crédulos e agora, por frouxos corruptos.

  5. O governo do Irã, gostemos ou

    O governo do Irã, gostemos ou não do governo do Irã, mostrou que “liberdade de expressão” via internet tem limite: o interesse nacional. O que a China (1989(, Irã, Turquia e até Cuba mostraram foi que “republicanismo”, “democracia” (de fachada) e “liberdade de imprensa” não impedem golpes contra nações.

  6. Observando que em todos os

    Observando que em todos os paises que resistiram ao golpe as Forças Armadas e o serviço de informação estiveram junto com o presidente. Aqui as Forças Armadas se aliaram com os americanos e com a quadrilha de ladrões que esta entregando o país, inclusive parte do território, com a cessão da Barreira do Inferno. 

    PS. O autor se esqueceu de falar da resistência do Nicolás Maduro que bravamente tem defendido a Venezuela dos ataques. Inclusive do Brasil, esse paiseco sem fibra e que serve de tapete para os americanos.

  7. Nesses países tinha governo

    Nesses países tinha governo com coragem de ser governo,

     

    aqui tinhamos uma presiddente que, alertada várias vezes, preferiu fritar ovos com uma golpista de carteirinha (lembram do cansei?), e dizia que a regulação da midia era o controle remoto, um governo que tinha conhecimento da espionagem e não se defendeu, acreditou ser democratico subjugar-se aos caprichos de um juiz de píso e de grupos facistas, isso explica o buraco em que nos metemos, talvez o curso dos acontecimentos não pudesse ser facilmente mudados, mas que o governo tinha a obrigação de desnudar as reais intenções desses grupelhos facista e quem os financia.. 

    • É preciso lembrar também que

      É preciso lembrar também que o governo Dilma não contou com o apoio dos militares como esses  governos contaram. Não foi a Abin que a alertou a presidenta Dilma, pelo que eu li foi o serviço secreto russo.  A PF, Abin e as Forças Armadas estavam aliados com a CIA no movimento de derrubada do governo.

      No momento atual,  se houvesse um movimento nos quartéis contra a entrega do pré sal, da Eletrobrás e do setor militar da Embraer o covarde governo Temer voltaria atrás. Mas não, eles também querem participar do butim. 

      Exército, Judidicário, imprensa, legislativo, executivo e plutocratas brasileiros se equivalem na canalhice e traição ao país e à nação. O Brasil é um dos países mais podres do mundo. 

      Só falta agora os componentes das Forças Armadas exigirem que seus uniformes sejam comprados em Miami.

  8. Aqui funcionou!

    Aqui funcionou…

    E a destruição não virá por guerra civil!

    Estão destruindo o nacionalismo, aos poucos pela insistência vão absorvendo e capturando o povo, por que afinal todos precisam viver!

    Amar a pátria para quê?

    Se o que a pátria faz é esfolar seus cidadãos e dar o melhor aos estrangeiros!

    E amar e esfolar não são verbos conjugados num mesmo indivíduo quer seja sucessivamente ou simultaneamente…

    É o tal povo hospitaleiro de que falava o aecio…

    Não acredito em reversão, pois como reverter o judiciário, que se tornou o Quartel General do Golpe!

    Mas como o judiciário viveu por décadas a sombra do poder de políticos corruptos, é difícil de dentro dos tribunais, seus membros compreenderem o que é e o que não é corrupção!

    É normal para eles burlar as leis em beneficio próprio…

    Mais de 70% dos juízes ganham acima do que manda a lei!

    São fatos internos ao poder judiciário desde quando veio para o Brasil!

    Como explicar as favelas senão por omissão deste poder?

    Assim como o golpe de 2016, foi por interesse e omissão do judiciário…

  9. O Assis continua alucinando

    O Assis continua alucinando pelo visto…rs

    Para começar o Endorgan muito possivelmente já sabia do golpe e deixou rolar para consolidar sua agenda totalitaria.

    O Assis não é burro ele sabe disso mas comunga com ideias totálitarias pois tem relação com suas pérfidas visões sobre o que venha a ser um governo dito “democratico ” e soberano

    Só a citação ao caso turco (como se houvesse um lider apenas nacionalista e democratico vitima da CIA) já serve para atestar o grau Ideologico dessa e de TODAS analises feitas por ele.

    Para não citar a fala envolvendo aquela infeliz nação cujo povo foi reduzido a zumbis que devem idolatrar a PRMIEIRA MONARQUIA SOCIALISTA do mundo.

    Só mesmo a desfaçatez de um totalitário poderia avalizar algo tão bizarro como digno de nota (ainda que fosse de rodapé) em uma suposta resistencia contra imperialismo.

    Por fim temos o Assis dizendo (até parece a chancelaria Iraniana) que os problemas do Irã são tudo culpa dos inimigos de sempre né?

    Todo regime calhorda totalitario vive disso, buscar lá fora inimigos para justificar sua ditadura teocratica ou apenas secular… 

  10. Korea do Norte, Irã, Turquia,

    Korea do Norte, Irã, Turquia, Venezuela, Cuba, Vietnam. Dentre outros, que não vem ao caso

    O único dado a validar alguma comparação entre o Brasil e os países acima, é o fato de
    que todos aqueles foram, ou, ainda são, alvos das mesmas ações criminosas do governo de
    Washington. Como é da natureza imperialista dos que se arvoram a “donos do mundo.”

    No mais, desgraçadamente para nós, a elite brasileira, desde sempre, é quase que majoritariamente “entreguista.” Enquanto nos países mencionados, suas populações. Refiro-me aqui, especificamente, aos não proprietários dos meios de produção. Eles, puderam contar com uma elite nacional imbuída de valores e princípios mínimos de patriotismo.
    Inclusive, entre membros de suas Forças Armadas, que não vacilaram em unirem-se. Se
    juntando ao povo, para enfrentar os criminosos externos na defesa do país deles.

    Não de interesses exógenos. Como apreciam os nossos milicos.
    Desse jeito, nem para Porto Rico. Quiçá, nos tornemos um imenso agro-exportador Haiti*

    Orlando

    *Aproveite para cantarolar um pedacinho do que disse Gil e Caetano

    …E quando você for dar uma volta no Caribe
    E quando você for trepar sem camisinha
    E apresentar sua participação inteligente no bloqueio a Cuba
    Pense no Haiti, reze pelo Haiti
    O Haiti é aqui…

  11. Mais uma observação, O

    Mais uma observação, 

    O Endorgan vive denunciando ocupação miltar Israelense mas não retirou a ocupação turca sobre parte do Chpre que até hoje a ONU não reconhece.

    Vive falando da opressão Israelenses sobre palestinos, mas não para de perseguir e exterminar os ‘SEUS PALESTINOS” OS CURDOS

    Ele sempre que pode mata, prende, tortura, executa e persegue implacavelmente eles mesmo em fronteiras estrangeiras como o Iraque.

    Porque a exemplo do que ele pede a Israel ele não concorda com a criaçao de um estado Curdo?

    Como dizem, palestinos no “dos outros” é refresco né? rs

    Mas o nosso querido Assis (Como não poderia deixar de ser) só tem ollhos para Israel, Estados Unidos, Otan etc etc etc

    Que sono…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome