Em sessão da OEA, maioria não reconhece governo Guaidó

Apenas 16 países deram respaldo ao governo autoproclamado da Venezuela. Organização precisa de 18 para iniciar processo de reconhecimento 
 
Foto: Reprodução
 
Jornal GGN – A Organização dos Estados Americanos (OEA), sediada em Washington, Estados Unidos, não conseguiu reunir o número de membros suficientes na sessão extraordinária do Conselho Permanente para retirar a legitimidade do governo Maduro, e conceder a cadeira da Venezuela para o embaixador indicado pelo presidente autoproclamado Juán Guaidó.
 
A reunião aconteceu nesta quinta-feira (24) e apenas 16 países, liderados pelos Estados Unidos, deram respaldo à ação de Guaidó. O líder da oposição e presidente da Assembleia venezuelana se proclamou como presidente interino durante uma manifestação na última quarta-feira, em Caracas. 
 
A sessão da OEA contou com a presença do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo. “Chegou o momento de a OEA, como instituição, se alinhar com a democracia e com o império da lei e reconheça o novo presidente [da Venezuela]. A hora de debater já passou”, apelou. 
 
A pedido de Nicolás Maduro, a Venezuela está em processo de desligamento da OEA que termina em 28 de Abril. Logo após Guaidó se proclamar presidente, o porta-voz da OEA, Luiz Almagro pediu o cancelamento da saída da Venezuela. Mas a mudança do curso não é tão simples.
 
A organização precisa convocar uma Assembleia Extraordinária de Chanceleres. Para isso, vai precisar de 18 votos dos 35 países membros, somente para fazer a convocação. Mas, na reunião de ontem, obteve 16. 
 
Depois de conseguir os 18 votos para chamar os primeiros-ministros das relações exteriores, o segundo passo será pôr em votação o pedido de reconhecimento do governo de Juan Guaidó e não legitimidade do governo Maduro. 
 
Se mais de dois terços do total de 35 países se posicionar contra o governo chavista, portanto 23 países, aí sim, Guaidó poderá manter a Venezuela na organização e colocar Gustavo Tarre como novo Embaixador do país na OEA. 
 
Segundo informações do jornal colombiano El Tiempo, os participantes da reunião de ontem na OEA ficaram surpresos com a “alto nível e intensa pressão que os EUA decidiram praticar sobre o tema Venezuela”.
 
“É muito estranho, de fato, que o secretário de Estado decida visitar a OEA para uma reunião com embaixadores, apesar de sua sede ficar apenas a alguns quarteirões do Departamento de Estado”, pontuou o jornalista Sergio Gómez Maseri.
 
Além dos EUA, votaram em favor do governo Guaidó: Argentina, Bahamas, Canadá, Brasil, Chile, Costa Rica, Equador, Colombia, Honduras, Guatemala, Haití, Panamá, Paraguay, Perú e República Dominicana. 
 
Enquanto a votação acontecia na OEA, o ministro da Defesa a Venezuela, general Vladmir Padriño López acompanhou outros comandantes da Força Nacional proclamando apoio a Maduro e chamando Guaidó de golpistas. 
 
Leia também: A tensão geopolítica na crise da Venezuela
 

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mathaus

- 2019-01-25 21:16:39

De Golpe em Golpe

A elite rentista já não precisa se esconder atrás de líderes democraticos para legitimar a predação

republicano arrependido

- 2019-01-25 21:15:08

a oea é uma vergonha

a oea é uma vergonha continental,

é notória golpista que só atende

aos interesses estadunidenses...

Francisco Vieira

- 2019-01-25 20:22:26

Vivemos a desregulamentação

Vivemos a desregulamentação de todo e qualquer estatuto de caráter civilizatório. A substituição da soberania popular é a desregulamentação mais grave que presenciamos. Ela cria o abismo da incerteza, a desesperança. Nós brasileiros experientamos a ruptura do pacto democrático, continuamos sendo o laboratório dessa nossa fórmula de diversas elites. O modelo de deslegitimação vai desertificando a América. Pra onde estamos indo?

AMORAIZA

- 2019-01-25 16:57:00

EUA

ou EU HEIN?

Acho legal a maioria desses paises empregadinhos do " grande irmão do norte"  se reunirem contra o desenvolvimento de seu próprio povo e de suas regiões,  quando deveriam estar reunidos entre si contra o patrão explorador que os mantém em atraso e  miséria perpétua.

Que a gente não se veja,  porque ninguém vê a si mesmo, vá lá, mas que não veja o mal que o outro faz à gente, aí é ser leso.

Acho legal também a ousadia desse molequinho se "autoproclamar" presidento.

Nasce um Napoleão na Venezuela?

Tô ficando com o estômago embrulhado com os rumos da política no hemisfério.

Afff!!!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador