Trump repete estratégia usada por Clinton há 22 anos

Democrata iniciou operação Raposa do Deserto enquanto seu impeachment era votado; ataque de Trump matou cérebro da estratégia militar iraniana

Jornal GGN – O Pentágono confirmou que o ataque com drone no Iraque nesta quinta-feira (02) foi efetuado a mando do presidente norte-americano Donald Trump. O ataque realizado em Bagdá matou Qassem Soleimani, chefe de uma unidade especial da Guarda Revolucionária do Irã e um dos homens mais poderosos do país.

Em nota, o Pentágono afirma que Soleimani foi responsável pela morte de muitos norte-americanos e que o objetivo foi deter planos de futuros ataques iranianos. Qassem Soleimani era general da Força Al Quds, unidade especial da Guarda Revolucionária do Irã e considerado o cérebro da estratégia militar e geopolítica do país, além de ser muito próximo do aiatolá Ali Khamenei.

O ataque acontece em meio ao andamento do processo de impeachment de Trump, que já foi aprovado pela Câmara dos Representantes dos Estados Unidos. Os deputados aprovaram dois artigos para a cassação do republicano, um por abuso de poder e outro por obstrução ao Congresso. Trump é o terceiro presidente norte-americano a passar pelo processo.

Contudo, não se pode dizer que esse plano é inédito. Outro presidente norte-americano também atacou o Oriente Médio enquanto enfrentava um processo de impeachment: em 1998, o democrata Bill Clinton estava em seu segundo mandato após ser reeleito, e foi acusado de cometer perjúrio, obstrução de Justiça e abuso de poder.

As investigações começaram por suspeitas sobre negócios imobiliários e acabaram incluindo o relacionamento extraconjugal do presidente com a ex-estagiária da Casa Branca Monica Lewinsky. A ação de abuso sexual movida por Paula Jones aumentou a tensão na época.

Leia também:  Defenestrar o terrorista virótico, por Francisco Celso Calmon

Às vésperas da votação do impeachment na Câmara dos Representantes, Clinton anunciou um ataque militar contra o Iraque. Denominada “Raposa do Deserto”, a operação bombardeou Bagdá e regiões ao norte e ao sul do Iraque.

O ataque foi ordenado por Clinton em retaliação à falta de cooperação do regime de Saddam Hussein com inspetores de desarmamento da ONU (Organização das Nações Unidas). Os iraquianos rebateram dizendo que os fiscais da entidade estavam fazendo “espionagem” para o serviço de inteligência norte-americano.

A operação Raposa do Deserto foi a maior ofensiva militar contra o Iraque desde a Guerra do Golfo: durante 70 horas, o país foi alvo de bombardeios e mísseis que destruíram instalações militares e civis. Segundo o governo iraquiano, 70 pessoas morreram neste ataque. A campanha tinha sido prevista desde fevereiro de 1998, e foi realizada com grandes críticas e apoio tanto nos EUA quanto no exterior.

A votação do processo de Clinton acabou sendo adiada por conta do ataque. Ao final do processo, o democrata foi absolvido pelo Senado em 12 de fevereiro de 1999: 50 senadores (de 100) votaram pela acusação de obstrução e 45 pela acusação de perjúrio.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Ataque com drones!!! Teriam sido orientados pela mesma turma que há alguns meses atacou refinarias sauditas?
    Afinal o objetivo é o mesmo: fomentar conflito na região.
    Adicionalmente, com possibilidade de lucros na região, pode interferir no processo de impeachment de trump.
    A mortandade em caso de conflito? E daí? Só lucros importam..

  2. Pois é….isso confirma duas teorias conspiratórias, a primeira, que determinado presidente assinava toda segunda feira ataques com drones……e a interferência direta do grande irmão do norte criando eventos que lhes favoreçam…….apenas tem um fator diverso, não há até o momento a confirmação da participação de quintas colunas aboletados no congresso ou forças repressoras que massacrem o próprio povo em defesa de interesses estrangeiros….já em certo país varonil……………

  3. Temos ai uma sinalização de grande e corrompida quadrilha que arrasa nações, aterroriza pessoas, retira as esperanças de muitos, sequestram a liberdade e os direitos. São a estes falsos profetas que só oferecem a destruição do futuro que servem os Bolsonaro, Moro, Guedes, procuradores corrompidos e os demais lesa pátrias vendidos aos departamento de espionagem, especializados em instabilidades de países.

    3
    1

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome