ONG ligada a presidente do TCU é suspeita de irregularidades

 
Jornal GGN – A ONG Instituto de Desenvolvimento da Região do Sisal, ligada ao presidente do TCU, Aroldo Cedraz, recebeu R$ 3,5 milhões do governo federal através de convênios entre os anos de 2005 e 2011. Suspeitas de irregularidades fizeram com que um desses convênios fosse suspenso.
 
O foco da ONG, sediada na cidade de Valente, na Bahia, é fomentar cadeias produtivas do artesanato e a caprinocultura.
 
Em 2011, ela firmou contrato com o Ministério do Trabalho para treinar trabalhadores do setor do petróleo em cidades do Ceará, no valor de R$ 2,9 milhões. Apenas a primeira etapa do convênio, no valor de R$ 884,7 milhões, foi paga, já que o contrato foi suspenso por inconsistências no desenvolvimento do projeto.
 
Aroldo Cedraz será o responsável por conduzir a análise das contas da presidente Dilma, que correm risco de rejeição.
 
Da Folha
 
 
JOÃO PEDRO PITOMBO
 
Ligada ao presidente do TCU, Aroldo Cedraz, a ONG Instituto de Desenvolvimento da Região do Sisal recebeu R$ 3,5 milhões do governo federal por meio de convênios entre 2005 e 2011. Um desses convênios foi suspenso por suspeitas de irregularidades.

 
A entidade, cuja sede foi construída com recursos de emenda parlamentar apresentada em 2005 por Cedraz, quando ele era deputado federal, foi comandada por seu cunhado Sílvio Roberto Habib entre 2006 e 2008.
 
Entre 2008 e 2012, Habib deixou a presidência, mas seguiu atuando como gerente-executivo e consultor, com a função de formular projetos de convênios da entidade.
 
Com sede em Valente, município com cerca de 27 mil habitantes do sertão baiano e terra natal da família Cedraz, a ONG tem como foco fomentar as cadeias produtivas do artesanato com fibra do sisal e a caprinocultura.
 
Mas firmou em 2011 contrato com o Ministério do Trabalho no valor de R$ 2,9 milhões com um objetivo bem diferente: treinar trabalhadores do setor do petróleo em três cidades do Ceará.
 
O ministério afirma que a ONG foi escolhida, mesmo não tendo atuação na área, após uma seleção pública.
 
Mas apenas a primeira etapa do convênio foi paga, já que o contrato acabou suspenso por inconsistências no desenvolvimento do projeto. Pela primeira etapa, a ONG recebeu R$ 884,7 mil.
 
Em junho deste ano, a execução da primeira etapa do convênio teve as contas rejeitadas. Na nota técnica, o ministério justifica a decisão alegando que não foi provado o cumprimento da meta de trabalhadores treinados.
 
O instituto é tido como um dos principais projetos apoiados por Aroldo Cedraz em Valente, cidade onde sua família tem forte inserção política: seu pai foi prefeito por duas vezes e um de seus irmãos é o atual vice-prefeito.
 
Em 2009, o ministro do TCU participou de um seminário na ONG sobre caprinocultura com a participação de deputados e secretários do governo da Bahia.
 
Procurado pela Folha, Cedraz informou que “não tem relação com a ONG nem com a efetivação dos convênios”.
 
A entidade ainda firmou outros seis convênios “” um com o Ministério da Agricultura e cinco com o da Ciência e Tecnologia “” para desenvolver projetos de artesanato e caprinocultura em Valente. Destes, cinco foram considerados adimplentes e um está com as contas sob análise.
 
A ONG ainda chegou a ser selecionada pelo Ministério do Trabalho para treinar trabalhadores do setor sucroalcooleiro no interior de São Paulo, num convênio de R$ 2,3 milhões. O contrato, contudo, não chegou a ser executado.
 
SUSPEITAS
 
Presidente do TCU desde dezembro de 2014, Aroldo Cedraz será o responsável por conduzir a análise das contas da presidente Dilma Rousseff (PT), que correm risco de rejeição por causa das chamadas “pedaladas fiscais”.
 
O ministro ainda é suspeito de repassar informações sobre processo de interesse da UTC Engenharia, empresa que teria pago propina ao seu filho, o advogado Tiago.
 
O processo envolvia supostas irregularidades na licitação de uma das unidades da usina Angra 3. Cedraz afirma que se declarou impedido de julgar o caso.
 
Tiago também nega que tenha recebido informações privilegiadas do pai.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Que isso, é só uma pessoa bem

    Que isso, é só uma pessoa bem intencionada.

    Essas ONGs que só vivem de dinheiro público….

    No setor ambiental está cheio de ONGs financiadas com dinheiro público que só atrapalham o Brasil. Se é ONG, se é pelo social, ou seja o que for, se financie na iniciativa privada!

  2. Legal…Bastou o TCU vir a

    Legal…

    Bastou o TCU vir a ser um elemento importante no jogo politico com uma possível não aceitação da prestação de contas da Dilma, que a mídia – pouco zelosa em relação ao órgão, agora chover de denúncias contra seus ministros!

    Nada contra publicação de erros de quem quer que seja, mas o oportunismo em forma de pressão a aquele órgão é que deveria ser MAIS UM ESCÂNDALO A SER INVESTIGADO!

  3. Parece que tudo está contaminado de corrupção nesse país?

    Parece que esse país não tem mais jeito mesmo! Parece que a contaminsção por corrupção não tem limites. Valha-nos quem?

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome