A defesa da privatização dos aeroportos

Por Igor Cornelsen

Caro Luis

Voei ontem de Porto Alegre a Congonhas.

O aeroporto de Porto Alegre é relativamente novo.

O ar condicionado das salas de espera são fracos para o verão gaúcho. Não existem lojas depois da segurança, enquanto nos aeroportos privatizados do mundo elas são enormes e abundantes para aumentar a receita do administrador. Nota-se logo que o aeroporto foi desenhado por burocratas e não por administradores de um negócio.
Os aeroportos centrais no Brasil são de uso exclusivo de empresas velhas que não oferecem o mínimo de conforto aos passagerios. Congonhas é o melhor exemplo.

Porque a Infraero não leiloa anualmente os slots para as empresas pelo melhor preço?

Porque um slot em Congonhas não é vendido pelo dobro do preço de um em Guarulhos ou em Viracopos?

Novamente porque os aeroportos são administrados por burocratas e não por gente de negócios.

Seria muito diferente se os aeroportos fossem privados e competissem entre si.

Seria melhor ainda se o governo permitisse ainda uma empresa privada construir um aeroporto totalmente novo nas cercanias das grandes metrópoles para concorrer com os obsoletos estatais.

O problema é que o partido no poder quer dizer nas eleições que seus adversários querem privatizar, e que eles são contra, e a população não entende, nem a mídia, que o seu desconforto vem do modelo estatal de administração de aeroportos.

O partido no poder na verdade está comprometendo o seu futuro. Cedo ou tarde a população vai entender que privatizar é essecial para melhorar os serviços públicos.

Leia também:  Sem investimento em parques industriais, governo Bolsonaro acelera o desemprego

A falta de privatização de portos, aeroportos, estradas e ferrovias é a maior responsável pelo pibinho e pela falta de investimentos no Brasil. Isto porém vai contra os princípios, e contra a propaganda do partido político que está no poder.

Lamentavelmente a oposição não tem competência para explicar a população que a falta de privatização é a grande responsável pelo atraso do país, e pelo seu desconforto e insegurança quando se deslocam no território nacional.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome