Governo Bolsonaro provocou fuga recorde de investimentos no Brasil

A gestão Bolsonaro afastou, somente neste ano, US$ 15,2 bilhões, o maior volume de saída de recursos estrangeiros desde que o Banco Central tem registro

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Jornal GGN – No oposto do que disse Jair Bolsonaro, no polêmico discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) nesta terça (22), de que os supostos investimentos no Brasil comprovam “a confiança do mundo em nosso governo”, a gestão Bolsonaro afastou, somente neste ano, US$ 15,2 bilhões, o maior volume de saída de recursos estrangeiros desde que o Banco Central tem registro.

A informação é de reportagem de O Globo: a fuga recorde do fluxo cambial também foi acompanhada da retirada de outros R$ 87,3 bilhões da bolsa brasileiro, entre janeiro e setembro deste ano. Segundo o jornal, a quantia é a maior da série da B3, iniciada em 2008.

O fluxo financeiro de investimentos, seja em títulos ou dividendos recebidos do exterior, também sofreu uma redução bilionária nos últimos 12 meses, até agosto deste ano.

Os números não estão só disponíveis nos balanços das contas brasileiras. Representantes do mercado também já estavam confirmando o cenário. Nesta terça (22), por exemplo, o ex-presidente do Banco Central, Armínio Fraga admitiu que houve uma piora na imagem do Brasil no exterior.

E associou a saída de investimentos ao tratamento do governo com o meio ambiente e com o enfrentamento da Covid-19 por Bolsonaro. “Em função da piora concreta das taxas de desmatamento e de sinais abundantes de que prevalece hoje uma certa tolerância com a questão, o Brasil tem merecido uma imagem bastante negativa na cena internacional. O mesmo obscurantismo que nos prejudicou e nos prejudica no combate à pandemia nos afeta também nos temas ambientais”, havia dito.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. E olha que nesta conta está a depredação da Petrobrás via subsidiárias (o golpe de mestre “jabuti na árvore” de Alexandre de Moraes) e o foco nos ganhos dos acionistas dela em Wall Street, além de tantas outras jogadas similares.
    Em faturamento, até a JBS já está maior do que a Petrobrás.
    Quando até as terras produtivas (até quando?) braZileiras estiverem sob o controle de corporações estrangeiras, o brazileiro terá a oportunidade de ser chapista do MacDonald’s, porteiro ou jagunço de fazenda ou atendedor de telemarketing.
    É o entreguista de hoje traficando o presente de amanhã.
    braZil, il, il!

  2. Um triste artigo sobre como a recusa do governo brasileiro em deter o terror policial contra estrangeiros leva Manaus ao colapso econômico – o turismo estrangeiro parou, os hotéis fecharam, as empresas estrangeiras estão fugindo da cidade. As estatísticas do turismo interno são suportadas apenas por visitantes de outras cidades que vêm visitar seus entes queridos nas prisões de Manaus.
    (o botão do tradutor está no canto superior direito)
    http://cstcommand.com/index.php/countries/yuzhnaya-amerika/braziliya/item/1088-nezhelanie-pravitelstva-yurazilii-ostanovit-politsejskij-terror-vedjot-manaus-k-ekonomicheskomu-krakhu

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome