Dilma propõe a governadores parceria para enfrentar crise

Da Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff enumerou hoje (30), durante reunião com governadores de todos os estados, as causas que levaram à queda da arrecadação e à redução das receitas nos estados e na União. Ela citou fatos recentes, como a queda no preço das commodities e o aumento do dólar, que tiveram impacto sobre os “preços e a inflação”. Dilma ressaltou que ela e os governadores foram eleitos e fizeram campanha em uma conjuntura “bem mais favorável” do que a atual.

“Tudo isso não é desculpa para ninguém: é o fato de nós, como governantes, não podemos nos dar o luxo de não ver a realidade com olhos muito claros. Não podemos nos dar o luxo de ignorar a realidade”, disse a presidenta. “Fomos obrigados, diante dos fatos, a promover o reequilíbrio no Orçamento. Estamos fazendo esforço grande”, afirmou Dilma, citando os contingenciamentos feitos pelo governo neste ano. Segundo ela, o objetivo é colocar o Brasil na rota do crescimento e da geração de emprego.

“Não nego as dificuldades, mas afirmo que o governo federal tem todas as condições de enfrentar as dificuldades, os desafios e, em um prazo bem mais curto que alguns pensam, assistir à retomada da economia brasileira”, afirmou Dilma.

Após enumerar as causas da atual crise e as medidas que tem adotado, Dilma complementou que é importante sempre estabelecer parcerias, cooperações e enfrentar problemas juntos. “Queremos construir parcerias em novo ciclo desenvolvimento”, acrescentou a presidenta. Segundo ela, uma das parcerias será no âmbito da segurança pública, para reduzir a criminalidade.

Leia também:  A Economia solipsista e a negação do desemprego, por Albertino Ribeiro

A presidenta ressaltou também que ela e os governadores foram eleitos em um processo democrático em 2014, para mandatos de quatro anos, até 2018.  Ela defendeu as medidas que vem adotando para combater a crise econômica, que ocorre em um período de transição para um “novo ciclo de expansão” e crescimento.

No início da reunião com os 26 governadores e uma vice-governadora dos estados de todas as regiões do país, a presidenta destacou o importante papel do encontro no destino e na condução do país. Dilma disse que ela e os governadores têm um “grande patrimônio em comum”: o fato de terem sido eleitos em processo democrático bastante amplo no país.

Segundo ela, o plano de governo de cada um dos mandatários tem um prazo de execução. “Todos nós temos deveres em relação à democracia, ao voto democrático popular. Fomos eleitos na última e maior mobilização democrática e, nessas eleições, assumimos compromissos perante o país e nossos eleitores. Esses compromissos expressos no plano de governo dão um quadro que temos de desenvolver com todas as ações, iniciativas e projetos, realizando esses compromissos no horizonte, no marco e ao longo do nosso período de governo de quatro anos – portanto até 2018.”

Durante a reunião entre a presidenta e os governadores, no Palácio da Alvorada, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, fará uma exposição sobre o tema da segurança. Dilma convidou também o ministro da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha, que auxilia a articulação política do governo, para explicar as medidas de impacto econômico em análise no Congresso Nacional.

Leia também:  As fotos de Dilma dormindo no avião ou A trilogia do ódio, por Armando Coelho Neto

De acordo com o governador de Rondônia, Confúcio Moura, alguns mandatários foram escalados para falar sobre temas preestabelecidos. O acordo foi feito durante reunião prévia entre os governadores da base aliada, em um hotel de Brasília. O governador do Maranhão, Flávio Dino, falará sobre estabilidade política, e o da Paraíba, Ricardo Coutinho, sobre desenvolvimento econômico.

“Estamos fazendo uma travessia para levar o Brasil a um lugar melhor, estamos atualizando as bases da economia e vamos voltar a crescer com todo nosso potencial”, prometeu Dilma aos governadores, ao final de sua fala.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

    • NENHUM governo brasileiro nos

      NENHUM governo brasileiro nos ultimos seculos liberou tanto dinheiro pros governadores como os governos de Lula e Dilma.  NAO minta aqui, ok?  Nao vai colar.

      • Não sei os outros estados mas

        Não sei os outros estados mas para o Rio Grande do Sul não foi, se o RS gera 32 bilhões em impostos federais e retorna 11 bilhões ta faltando grana ai na sua conta e o RS ta devendo pra união e paga juros maiores que a odebrecht paga..

        Ate onde sei o governo federal arrecada 720 bilhões de reais em impostos federais e retorna apenas 250 bilhões para os estados (ano 2012 sem levar em conta o INSS).

         

    • O seu frustado,

      tem o que fazer não, praga. 

      Fica o dia todo aqui trollando, vai ler um livro, lava uma louça, conhece umas gata…

      ou não curti, então procura uns boy.

  1. raaaahhhhh!!

    RAAAAHHHHH!!!!

    pegadinha do malandro….

     

    finalmente entendi que o usuário oneide é um fake criado pelo próprio gnn para “animar e divertir” os comentários.

     

  2. Duvido

    Duvi-dê-o-dó que ela tenha a grandeza de fazer uma autocrítica da sua postura apática, ausente e das desastrosas medidas que seu gov. vem tomando no campo econômico, assim como no enfrentamento da crise política. Duvi-dê-o-dó que anuncie uma reforma do seu pífio ministério. Duvi-dê-o-dó que saia dessa reunião disposta a assumir o protagonismo político que contribua para o país sair deste caos que está se instalando.

    Seu discurso medíocre desta tarde só reforçam as minhas dúvidas, surgidas na observação aflita do seu primeiro governo e deste semestre de desgoverno.

    • Você duvida? Eu tenho certeza

      Os governadores não são bobos, sabem que tem que tocar seus projetos, e vão colaborar para o pais avançar. O país supera a crise, o plano do Zé Serra de entregar o Pré-Sal, e a Petrobrás para os EUA, se frustra, e aí então estará tudo pronto para Lula assumir em 2019. Depois de tudo isso você pode enfiar o dedo naquele lugar, e rasgar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome