Quem são os homens do gabinete de transição de Bolsonaro

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN – Um time de homens brancos, ricos, influentes. Engenheiros, militares, economistas, assessores políticos e políticos, técnicos com passagem pelo governo federal, empresários ligados a João Dória e ao Instituto Liberal. Tem, contrariando o discurso contra a corrupção e pelo moralismo, condenado por estelionato, violência doméstica e dívida trabalhista. Tem também anti-petista referência em estudos sobre a Previdência.

O gabinete de transição de governo de Jair Bolsonaro – que chegou nesta terça (6) em Brasília – não tem nenhuma mulher, e não é nenhuma surpresa. Até o momento, o Diário Oficial da União divulgou nome de ao menos 27 deles. O presidente eleito tem direito a 50. Os trabalhos de passagem junto ao governo Temer começaram nesta semana. 

Confira a lista dos primeiros nomeados abaixo:
 
Marcos Aurélio Carvalho: CEO da agência AM4, que cuidou da campanha eleitoral de Bolsonaro à Presidência tanto no ambiente virtual quanto no rádio e TV. Segundo a Folha de S. Paulo, a empresa recebeu meio milhão de reais para isso.
 
Paulo Roberto: Segundo o Poder360, trata-se de um militar da reserva. Não há muitas informações divulgadas sobre ele.
 
Luciano Irineu Carvalho: Engenheiro do ITA e economista.
 
Paulo Antônio Spencer Uebel: Ex-CEO do Grupos Lide (de João Doria) e secretário municipal de Gestão de São Paulo, sob a gestão do tucano.
 
Arthur Bragança de Vasconcellos Weintraub: Professor da Unifesp especializado em Previdência.
 
Gulliem Charles Bezerra Lemos, ou Julien Lemos: Vice-presidente do PSL, processado por causas trabalhistas; condenado, segundo O Globo, por estelionato (a pena prescreveu antes do julgamento em 2ª instância) e denunciado por violência doméstica.
 
Eduardo Chaves Vieira: Estudou na Academia Militar das Agulhas Negras. Segundo o site do Instituto Militar de Engenharia, ele se formou capitão na turma de 1986. Tem passagem pelo MCT (Ministério da Ciência e Tecnologia).
 
Roberto da Cunha Castello Branco: Da FGV, ex-conselheiro da Petrobras e ex-diretor da Vale.
 
Coronel Luiz Tadeu Vilela Blumm: Ex-comandante operacional do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal e atual chefe do Departamento de Segurança Contra Incêndio do DF.
 
Carlos Von Doellinger: Economista, cotado por Paulo Guedes para reassumir a Secretaria do Tesouro. É coordenador do grupo de Bolsonaro que analisa questões orçamentárias e de finanças públicas. Em sua página no Facebook, ele se posiciona contra as gestões petistas, foi a favor do impeachment de Dilma Rousseff e compartilhou um texto que diz que as prisões da Ditadura Militar formaram 2 presidentes da República. Foi um “upgrade” nos “vagabundos”, comentou.
 
Bruno Eustáquio Ferreira Castro de Carvalho: Engenheiro, analista de infraestrutura, diretor de Programa da Secretaria de Articulação para Investimentos e Parcerias, da Secretaria-Geral da Presidência da República.
 
Sérgio Augusto de Queiroz: Procurador da Fazenda Nacional.
 
Antônio Flavio Testa: Cientista político da UnB que tem ajudado a moldar o discurso de Bolsonaro antes da campanha começar.
 
Carlos Alexandre Jorge da Costa: Economista da diretoria da Área de Planejamento e Pesquisa do BNDES, com passagem pelo JP Morgan Partners.
 
Paulo Roberto Nunes Guedes: futuro ministro da Fazenda.
 
Waldemar Gonçalves Ortunho Júnior: Foi diretor do Departamento de Outorgas de Serviços do Ministério das Comunicações sob Helio Costa (2005, governo Lula).
 
Abraham Bragança de Vasconcellos Weitraub: Alguns portais informam que é coronel reformado. Acompanha Bolsonaro desde o começo do ano. Economista especializado em Previdência. 
 
Jonathas Assunção Salvador Nery de Castro: Diretor da Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos do governo federal.
 
Ismael Nobre: A informação ainda é imprecisa. Há jornais que informam que é um coronel reformado e outros dizem que é um biólogo.  
 
Alexandre Xavier Ywata de Carvalho: Engenheiro mecânico-aeronáutico pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).
 
Pablo Antônio Fernando Tatim dos Santos: Secretário-executivo da Secretaria-Geral do governo Temer.
 
Waldery Rodrigues Júnior: coordenador-geral da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda.
 
Adolfo Sachsida: economista do Instituto Liberal.
 
Marcos Cintra Cavalcanti de Albuquerque: economista e ex-deputado.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Decifrando Bolsonaro, por Antonio Martins

1 comentário

  1. quem é quem

    Cristovam Buarque – DF
    Bloco Parlamentar Democracia e Cidadania – PPS (Líder)

    http://www6g.senado.leg.br/transparencia/sen/3398/pessoal/?local=gabinete&ano=2015#conteudo_transparencia

     Consulta Remuneração/SubsídioNome: WALDERY RODRIGUES JUNIORVínculo: EFETIVOSituação: ATIVOAdmissão: 2014Cargo/Plano: CONSULTOR LEGISLATIVOPadrão: S45Especialidade: ASSESSORAMENTO LEGISLATIVOFunção:Nome da Função:Dados de RemuneraçãoReferência: 10/2018
    Valores em R$ Tipo da FolhaNormal Estrutura Remuneratória Básica33.268,99https://www.senado.leg.br/transparencia/rh/servidores

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome