Depois de quase 50 horas, petroleiros de MG são libertados de cárcere privado

37 trabalhadores foram impedidos de sair da Regap desde a noite de sexta, sob ameaça de demissão por abandono de emprego. Empresa queria impedir petroleiros de participar da greve contra fechamento da Fafen-PR

 SINDIQUÍMICA/MG E FUP/MG

A direção do Sindicato dos Petroleiros de Minas Gerais (Sindipetro/MG) e da Federação Única dos Petroleiros (FUP) conseguiu, na manhã desta segunda-feira (3), libertar os 37 petroleiros mantidos em cárcere privado dentro da Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim, desde as 23h30 da sexta-feira (31).

Foi com “cárcere privado”, denuncia Alexandre Finamori, diretor do Sindipetro/MG e da FUP, que a petroleira tentou impedir a adesão dos trabalhadores à greve da categoria contra as demissões de mil trabalhadores e o fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR).

“Todos saíram exaustos, depois de quase 50 horas de trabalho, proibidos de saírem do local de trabalho, sob ameaça de serem demitidos por abandono de trabalho se saíssem da unidade”, contou Alexandre, um dos sindicalistas que lutou e recorreu ao Ministério Público do Trabalho (MPT) e até à Polícia Federal (PF) para conseguir libertar os trabalhadores.

De acordo com Alexandre, durante a madrugada, representantes do MPT e da PF foram até a Regap, mas nada puderam fazer porque a empresa tem uma liminar que obriga a troca de turno de 8 em 8 horas.

“É um total desrespeito à lei de greve”, afirma o dirigente que lembra as tentativas que o sindicato fez para garantir o direito da categoria de paralisar as atividades, como a sugestão de redução de carga. O  sindicato garantiria a troca de turnos, mas cuidaria do controle da produção. A empresa não aceitou esta nem as outras sugestões. “Eles simplesmente ignoraram todas as nossas sugestões”.

Leia também:  Denis Einloft: Eu apoio a greve dos petroleiros!

A empresa só recuou porque o MPT falou sobre a possibilidade de interditar a unidade caso constatasse risco para a saúde dos trabalhadores e para a comunidade no entorno.

Hoje a tarde, as 14h, os sindicalistas têm uma reunião com representantes da Refinaria no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), que vai mediar a greve. O Sindiquímica e a FUP de MG vão alegar o cerceamento do direito de greve e reafirmar a disposição de negociar com a direção da empresa.

“Queremos negociar o controle com segurança da produção, garantir o abastecimento da sociedade e todas as condições para garantir nosso direito de greve”, afirma Alexandre.

Segundo o dirigente, o ato realizado na frente da refinaria desta manhã, reforçou a decisão da categoria de lutar por empregos, contra fechamentos de unidades e o direito de protestar, fazer greve contra os desmandos da Petrobras.

Sindíquima/MG e FUP/MG
SINDÍQUIMA/MG E FUP/MG

A greve dos petroleiros

No primeiro minuto do sábado (1°), os petroleiros de MG, assim como os de outros 9 estados – nesta manhã já são 11 estados – iriam parar as atividades e aderir à greve geral convocada pela FUP e foi por isso que a direção da Refinaria Gabriel Passos resolveu prender a turma que entrou as 15h30.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Empregador promover cárcere privado; já ocorreu na Universidade de São Paulo. Em 2017.
    Só pra lembrar, veja em https://jornalistaslivres.org/circo-de-horrores-na-usp-brutalidade-feridas-sangue-e-lagrimas-na-gestao-zago/.
    A polícia, a segurança e os “gestores” da USP trancaram funcionários dentro da Reitoria, na surdina. Logo em seguida, a pancadaria começou do lado de fora.
    Curiosamente, quem era funcionário graduado e graúdo saía e não retornava. Ou seja, houve gente que saiu do prédio.
    Infelizmente, o sindicato de trabalhadores e a associação de docentes não pegam de jeito essas minúcias.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome