Ives Gandra irá negociar pleitos da greve dos petroleiros

Os petroleiros reforçaram a importância de um canal de negociação com a estatal para solução do impasse gerado pela Petrobras e que levou à greve.

Jornal GGN – Deputados e senadores do campo progressista articularam uma reunião com o ministro do TST, Ives Gandra, relator do dissídio coletivo ligado à greve dos petroleiros. Participaram os petroleiros da FUP e da CUT. A reunião aconteceu nesta terça, dia 18.

Os petroleiros vêm, desde a semana passada, se reunindo com parlamentares e representantes da Justiça do Trabalho, em busca da abertura de um canal de negociação para resolver o conflito da greve da categoria.

Na reunião com Ives Gandra, os petroleiros reforçaram a importância de um canal de negociação com a estatal para solução do impasse gerado pela Petrobras e que levou à greve. Depois da reunião, a FUP protocolou uma petição nos autos do processo, formalizando o pedido de abertura de negociação para tratar dos pontos pleiteados, inclusive as demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen).

No documento, a FUP cita a decisão da desembargadora Rosalie Michaele Bacila, do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná, que suspendeu as demissões na Fafen até o dia 6 de março.

O ministro Ives Gandra publicou, à noite, a convocação de reunião de mediação com a FUP, na próxima sexta, dia 21, para que se discutam as matérias referentes à greve, ‘condicionando sua realização à imediata cessação do movimento paredista’, conforme cita no despacho.

As direções sindicais irão analisar e debater o documento do ministro do TST nesta quarta, dia 19, na reunião do Conselho Deliberativo da FUP, no Rio de Janeiro.

Com informações da FUP

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Condicionar a “reunião” à imediata paralisação do movimento ??? O que o TST quer? Mediar a bronca ou resolver o problema da Petrobrás??? Não é possível isso!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome