Arqueólogos acreditam ter descoberto antigo assentamento Anglo-saxão

Jornal GGN – Arqueólogos ingleses anunciaram a descoberta de evidências que apontam para a existência de um antigo assentamento anglo-saxão citado na obra “História Eclesiástica do Povo Inglês”, escrito pelo monge Beda, conhecido como “Beda, o Venerável”. O monge nasceu por volta do ano 672, no primeiro século depois de Cristo, e morreu em 26 de maio de 735, sendo conhecido como o “Pai da História Inglesa”.

“A pesquisa identificou um sítio de importância nacional e mesmo internacional para a compreensão da elite do povo anglo-saxão e suas conexões europeias. A qualidade de alguns dos metais não deixa dúvidas de que ela foi feita para e utilizado pelos mais altos escalões da sociedade. Estas descobertas excepcionais são verdadeiramente significativas em lançar uma nova luz sobre início de East Anglia (Ânglia Oriental, hoje pertencente aos condados de Norfolk e Suffolk, na Inglaterra) e as origens dos reinos Anglo-saxões”, explica Christopher Scull, professor da Faculdade de História, Arqueologia e Religião da University College London.

A equipe de pesquisadores utilizou detectores de metais em uma faixa de região a quatro quilômetros ao norte-leste de Sutton Hoo, uma grande necrópole descoberta em 1939, onde foram feitas uma série de achados arqueológicos. As pesquisas na região foram feitas durante os últimos cinco anos. Entre os novos achados, há fragmentos de joias de ouro requintado, tostões saxões e pesos associados ao comércio, além de sobras de metal do que seria a oficina de um ferreiro.

Além da detecção de metal, foram utilizadas técnicas de fotografia aérea, análise química e geofísica – processo de varredura do terreno abaixo da superfície para a evidência de características enterradas – dentro de uma vasta região de 50 hectares dentro de outra área de pesquisa com um total de 160 ha. A organização National Trust vai realizar uma exposição dos novos achados, em comemoração aos 75 anos desde que as primeiras descobertas foram feitas na região.

Leia também:  Ciência volta à Casa Branca: pandemia e os desafios do governo Biden, por Edna Aparecida da Silva

Segundo os pesquisadores, os indícios apontam que houve ocupação humana na região desde o final de pré-História até os dias de hoje, com a existência de um particularmente grande, rico e importante assentamento durante o início e o meio do período Anglo-saxão. Isso significa, segundo os arqueólogos, que a área teria sido habitada durante o século 7, ao mesmo tempo que os internacionalmente famosos túmulos foram construídos em Sutton Hoo.

“Esta exposição, pela primeira vez, vai permitir que as pessoas possam redescobrir o período e obter mais conhecimentos sobre os anglo-saxões que enterraram os seus reis em Sutton Hoo. É uma oportunidade única e emocionante para descobrir sobre como esses reis e seus dependentes passavam os dias e viveram suas vidas. São cerca de 70 pequenos objetos em exposição, mas os achados são de enorme significado histórico e arqueológico. Olhando para estes objetos de perto, você realmente tem uma sensação de como as pessoas viveram aqui, mais de 1.300 anos atrás”, diz Martin Payne, do National Trust e diretor do Sutton Hoo.

Com informações do Phys.org

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome