Civilização Maia foi tão complexa quanto Grécia Antiga

Tecnologia derruba ‘presunção ocidental de que civilizações complexas não poderiam florescer nos trópicos’ 
 
civilizacao_maia.jpg
 
Jornal GGN – A tecnologia está reescrevendo a história da civilização Maia. Ao contrário do que até então historiadores e arqueólogos acreditavam existiu uma civilização nos trópicos tão complexa como foram as da Grécia Antiga e China. 
 
A descoberta foi possível graças ao LiDar (da sigla inglesa  “Light Detection And Ranging”), programa de varredura a laser que revelou uma civilização muito maior e mais complexa na região de Petén, na Guatemala, dentro dos perímetros da área hoje conhecida como Reserva da Biosfera Maia. As informações são da National Geographic.
 
Basicamente, o LiDar escaneia removendo digitalmente o dossel da floresta. Com isso, pesquisadores descobriram, ao mapear 2 mil dos 21,6 mil km2 da Reserva da Biosfera Maia, ruínas de mais de 60 mil casas, palácios, rodovias elevadas e outros recursos comparados a civilizações avançadas do mesmo período, há cerca de 1,2 mil anos. 
 
Entre os achados estão estradas que ligam centros urbanos a pedreiras, sistemas complexos de irrigação e terraços para apoiar agricultura intensiva. Na cultura Maia, ainda acreditam os estudiosos, não foram usadas rodas ou animais de cargas no transporte.
 
A população médica calculada também surpreendeu: 5 milhões. Descobriu-se ainda sistemas de proteção contra ataques de inimigos, como muros defensivos, muralhas, terraços e fortalezas. 
 
“A guerra não só estava acontecendo no final da civilização. Foi em larga escala e sistemática e durou muitos anos”, explicou Thomas Garrison, arqueólogo do Ithaca College e Explorador National Geographic, especialista em tecnologia digital para pesquisas arqueológicas.
 
Para o arqueólogo Marcello Canuto, da Universidade Tulane, que participou do projeto o achado derruba “uma presunção ocidental de que civilizações complexas não poderiam florescer nos trópicos.”
 
“Com as novas provas baseadas no LiDAR da América Central e de Angkor Wat [Camboja], agora temos de considerar que sociedades complexas podem, sim, ter se formado nos trópicos e fizeram sua vida lá”. Leia a matéria na íntegra no site da National Geographic. 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Realmente, na Europa onde surgiu a civilização?

    Acho interessante a afirmação “uma presunção ocidental de que civilizações complexas não poderiam florescer nos trópicos.”, pois por acaso toda a civilização européia começa a onde. Na Suécia, na Alemanha ou nas regiões mais quentes como no Egito, na Suméria, na Grécia e na Itália?

    • Pois é…

      Eu estava pensado justamente o mesmo. O texto da NG é claramente uma “make news”: pega um fato interessante mas que seria trivial, embala com uma aparência de polêmica, põe pitadas de racismo, sexismo ou apocalípticas, e  passa adiante para a patuléia.

      Infelizmente essas “make news” parecem ser uma praga que assola o “jornalismo” no mundo, junto com as famigeradas “fake news”.

       

      • Acho que vocÊ deve ter

        Acho que vocÊ deve ter aportado por estes dias no planeta Terra. Nunca deve ter ouvido falar dos ”avanços da civilização europeia/judaico cristã”(leia-se, branca) em detrimento de outros grupos étnicos. Tampouco sabe que o argumento canalha do ”gênio inventivo do homem branco” é reescrito pelos media e por outros a serviço da reescrita do processo histórico. Mas estamos contentes pois nestas circunstâncias, os racistas enrustidos sempre saem com o discurso vitimista contra um estudo sério…feito pela ”civlização branca ocidental” que encontra laivos de genialidade em grupos outrora tidos como ”subhumanos”

    • Alguém pulou as aulas de

      Alguém pulou as aulas de História /moderna/contemporânea onde capitaneados pelo racismo científico, uma legião de pensadores foram formatados em tal perspectiva histórica…
      Aliás, a tão decantada imigração europeia para o Brasil tem vieś racista, visando o ”branqueamento” dos negros, que por conseguinte daria ”apuramento civilizacional’ aos subhumanos que habitavam a decrépita terra brasilis…

  2. Acho que nem precisava disso

    Acho que nem precisava disso pra entender o quanto os Maias foram avançados. A civilização antiga que construiu o calendário mais preciso não poderia jamais ser considera, digamos, “simples”… 

  3. Complexidade????

    O critério neoevolucionista da “complexidade” para caracterizar, julgar e comparar sociedades e civilizações já ficou na poeira da teoria antropológica há mais de 50 anos.

    Este artigo padece de um problema jornalístico sério ao abordar um assunto como esse: analfabetismo científico.

  4. Um limite às civilizações americanas

    Talvez as devantagens para estas civilizações tenha sido não ter tido à disposição animais de carga como equinos e bovídeos, a mineração de ferro e não ter desenvolvido a roda; caso assim fosse teriam meios de transporte e melhores armas aliadas à sua genialidade, alcançando um ápice que seria invejado pela prepotente invasão europeia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome