Martin Luther King: “Tenho orgulho de ser desajustado”, por César Locatelli

Ele completaria 90 anos, esse mês. Mas foi assassinado ao 39 anos, em 1968

Martin Luther King: “Tenho orgulho de ser desajustado”

por César Locatelli

Hoje, 21 de janeiro de 2019, é feriado nos Estados Unidos: dia de Martin Luther King. Nascido em 15/01/29, ele completaria 90 anos se não tivesse sido assassinado em 1968. Para lembrarmos de sua luta e sua forma não violenta de lutar, apresentamos trechos traduzidos do discurso feito por Dr. Martin Luther King Jr., em Londres, no dia 7 de dezembro de 1964, três dias antes de se tornar o mais jovem agraciado com o Prêmio Nobel da Paz.

Suas palavras ajudam nossa reflexão sobre o debate que ainda existe sobre as cotas e as oportunidades para a população negra, sobre o tratamento punitivista do aparato judiciário e o encarceramento em massa de negros, sobre o genocídio dos jovens negros, sobre a falta de oportunidades e sobre, essencialmente, o racismo profundamente enraizado em nossa cultura.

Com a palavra Dr. Martin Luther King Jr.:

A Suprema Corte declarou, em 1857, que o negro não é cidadão dos Estados Unidos

Vamos registrar, em primeiro lugar, que percorremos um longo caminho. Eu gostaria de dizer neste ponto que o próprio negro percorreu um longo caminho na reavaliação de seu amor-próprio. Um pouco de história é necessário para ilustrar isso. Foi no ano de 1619, quando os primeiros escravos negros desembarcaram nas costas da América. Eles foram levados para lá dos solos da África. Ao contrário dos peregrinos que desembarcaram em Plymouth um ano depois, foram levados para lá contra suas vontades. E durante a escravidão, o negro foi tratado de uma maneira muito desumana. Ele era uma coisa a ser usada, não uma pessoa a ser respeitada. A Suprema Corte dos Estados Unidos proferiu uma decisão em 1857, conhecida como decisão Dred Scott, que ilustra bem toda essa ideia e o que existia naquela época, pois nesta decisão a Suprema Corte dos Estados Unidos disse, em essência, que o negro não era cidadão dos Estados Unidos, era apenas uma propriedade sujeita aos ditames de seu dono. A decisão ainda acrescentava que o negro não tinha qualquer direito que devesse ser respeitado pelo homem branco. Essa foi a ideia que prevaleceu durante os dias da escravidão.

Se todos os homens são criados à imagem de Deus e Deus não é negro…

Houve aqueles que até usaram mal a Bíblia e a religião para dar alguma justificativa para a escravidão e para cristalizar os padrões do status quo. E assim argumentou-se de alguns púlpitos que o negro era inferior por natureza por causa da maldição de Noé sobre os filhos de Cam. Então, o dito do apóstolo Paulo se tornou uma palavra de ordem: “Servos sejam obedientes a seu mestre”. E um irmão provavelmente leu a lógica do grande filósofo Aristóteles. Vocês sabem, Aristóteles fez muito para criar o que hoje conhecemos como lógica formal em filosofia. E na lógica formal, há uma grande palavra conhecida como silogismo, que tem uma premissa maior, uma premissa menor e uma conclusão. E assim, esse irmão decidiu colocar seu argumento para a inferioridade do negro no quadro de um silogismo aristotélico. Ele pode dizer que todos os homens são feitos à imagem de Deus – essa era uma premissa importante. Então veio a premissa menor: Deus, como todos sabem, não é um negro, portanto o negro não é um homem. Este era o tipo de raciocínio que prevalecia.

Instalações separadas são, inerentemente, desiguais

E então algo maravilhoso aconteceu. O Supremo Tribunal da nossa nação em 1954 examinou o corpo legal da segregação, e em 17 de maio daquele ano, declarou-o constitucionalmente morto. Dizia, essencialmente, que a velha doutrina de Plessy [que em 1896 determinou instalações separadas, mas iguais para brancos e negros] deveria deixar de existir, que instalações separadas são inerentemente desiguais e que segregar uma criança com base em sua raça é negar a essa criança a mesma proteção da lei. E assim, nós vimos muitas mudanças desde que a importante decisão foi tomada em 1954, que veio como uma grande luz de esperança para milhões de pessoas deserdadas em todo o país.

Kennedy carregou a bandeira dos direitos civis

Então algo mais aconteceu, o que trouxe alegria a todos os nossos corações. Aconteceu este ano [1964]. Foi no ano passado, depois da luta em Birmingham, no Alabama, que o falecido presidente Kennedy percebeu que havia uma questão básica com a qual nosso país tinha de lidar. Com um senso de preocupação e um senso de imediatismo, ele fez um ótimo discurso, alguns dias antes – ou melhor, foi no mesmo dia em que a Universidade do Alabama seria integrada, e o Governador Wallace estava na porta para tentar para bloquear essa integração. O Sr. Kennedy teve que federalizar a Guarda Nacional. Ele se colocou diante da nação e disse, em termos eloquentes, que o problema que enfrentavam nos direitos civis não era apenas uma questão política, não era apenas uma questão econômica, era, no fundo, uma questão moral. Era tão antiga quanto as escrituras e tão moderna quanto a Constituição. Era uma questão de tratar nossos irmãos negros como nós mesmos gostaríamos de ser tratados.

Se encontrarmos algo correto no Mississippi é porque as coisas estão melhorando

E assim, na América agora, temos uma lei de direitos civis. Fico feliz em informar a vocês que, em geral, esse projeto de lei está sendo implementado em comunidades em todo o sul. Temos visto alguns níveis surpreendentes de conformidade, mesmo em algumas comunidades no estado do Mississippi. E sempre que você consegue encontrar alguma coisa certa no Mississippi, as coisas estão melhorando.

Nós nunca podemos esquecer o fato de que neste verão três trabalhadores de direitos civis foram brutalmente assassinados perto da Filadélfia, Mississippi. Tudo isso nos revela que não alcançamos o nível de fraternidade – não alcançamos a fraternidade de que precisamos e que devemos ter em nossa nação. Ainda temos um longo caminho a percorrer.

A automação pode ser uma benção e não uma maldição

O problema econômico está ficando mais sério por causa de muitas forças que coexistem em nosso mundo e em nossa nação. Durante muitos anos, negaram-se oportunidades educacionais adequadas aos negros. Por muitos anos, até mesmo a formação de aprendizes foi negada aos negros. As forças do trabalho e da indústria muitas vezes discriminavam os negros. E isso significava que o negro acabava sendo limitado, em geral, ao trabalho não qualificado e semiqualificado. Agora, por causa das forças da automação e da cibernética, essas são as tarefas que estão desaparecendo. E assim, o negro acorda em uma cidade como Detroit, Michigan, e descobre que ele é 28% da população e cerca de 72% dos desempregados. Agora, para lidar com esse problema, nosso governo federal terá que desenvolver programas robustos de retreinamento e de obras públicas, para que a automação possa ser uma bênção, como deve ser para a nossa sociedade, e não uma maldição.

O perigo de uma sociedade em que parte vê a vida como um longo corredor se saídas

A outra coisa quando pensamos neste problema econômico é que devemos pensar no fato de que não há nada mais perigoso do que construir uma sociedade com um segmento que sente não ter participação na sociedade. Nada mais perigoso do que construir uma sociedade com um número de pessoas que veem a vida como um longo e desolado corredor sem qualquer sinal de saída. Eles acabam em desespero porque não têm emprego, porque não podem educar seus filhos, porque não podem morar em uma boa casa, porque não podem ter instalações de saúde adequadas.

Respostas criminais não são raciais, mas ambientais

Nós sempre ouvimos as várias razões e os vários mitos pelos quais a integração não deveria acontecer. As pessoas que argumentam contra a integração neste ponto costumam dizer: “Bem, se você integrar as escolas públicas, por exemplo, você puxará a raça branca de volta uma geração”. Eles gostam de falar sobre o atraso cultural na comunidade negra. E vão dizer: “Você sabe, o negro é um criminoso. Eles têm a maior taxa de criminalidade em qualquer cidade que você encontrar nos Estados Unidos.” E os argumentos vão ad infinitum para que a integração não aconteça.

Mas eu acho que há uma resposta para isso, e isso é que, se há um atraso cultural na comunidade negra – e certamente existe -, essa defasagem existe por causa da segregação e da discriminação. Está lá por causa dos longos anos de escravidão e segregação. Respostas criminais não são raciais, mas ambientais. Pobreza, privação econômica, isolamento social e todas essas coisas geram crimes, qualquer que seja o grupo racial. E é uma lógica torturante usar os resultados trágicos da segregação racial como um argumento para a continuação da mesma. É necessário voltar. Portanto, é necessário ver isso e fazer de tudo para tornar a justiça econômica uma realidade em todo o país.

O mito do tempo: em 100 ou 200 anos o problema se resolverá

Agora gostaria de mencionar uma ou duas ideias que circulam em nossa sociedade – e elas provavelmente circulam na sociedade de vocês e em todo o mundo – que nos impedem de desenvolver o tipo de programas de ação necessários para nos livrarmos da discriminação e da segregação. Um é o que eu chamo de mito do tempo. Existem aqueles indivíduos que argumentam que somente o tempo pode resolver o problema da injustiça racial nos Estados Unidos, na África do Sul ou em qualquer outro lugar: você tem que esperar na hora. E eu sei que eles nos disseram tantas vezes nos Estados Unidos e aos nossos aliados na comunidade branca: “Apenas seja gentil e tenha paciência e continue a orar, e em 100 ou 200 anos o problema irá se resolver”. Já ouvimos e vivemos com o mito do tempo. A única resposta que posso dar a esse mito é que o tempo é neutro. Pode ser usado de forma construtiva ou destrutiva. E devo dizer honestamente a vocês que estou convencido de que as forças do mal terão usado o tempo com muito mais eficiência do que as forças da boa vontade. Provavelmente, nossa geração tenha que se arrepender, não apenas pelas palavras tórridas e as ações violentas das pessoas más, mas pelo silêncio e indiferença aterradores das pessoas boas que se sentam ao redor da questão e dizem: “Espere pela hora certa”.

O mito da impotência da lei: A lei não faz alguém me amar, mas o impede de me linchar

Pode ser verdade que você não pode legislar a integração, mas pode legislar a dessegregação. Pode ser verdade que a moralidade não pode ser legislada, mas o comportamento pode ser regulado. Pode ser verdade que a lei não pode mudar o coração, mas pode conter os sem coração. Pode ser verdade que a lei não pode fazer um homem me amar, mas pode impedi-lo de me linchar. E acho que isso é muito importante também.

A filosofia da não-violência desarma o oponente

Agora, como você sabe, nós nos envolvemos nos Estados Unidos em uma luta pesada para tornar a dessegregação e, finalmente, a integração uma realidade. E nessa luta, tem havido uma filosofia subjacente: a filosofia da não-violência, a filosofia e o método da resistência não-violenta. E gostaria de dizer apenas algumas palavras sobre o método ou a filosofia que fortaleceu nossa luta. E primeiro quero dizer que ainda estou convencido de que a não-violência é a arma mais poderosa disponível para as pessoas oprimidas em sua luta por liberdade e justiça. Esse método tem uma maneira de desarmar o oponente, expondo suas defesas morais. Isso enfraquece sua moral e, ao mesmo tempo, trabalha em sua consciência, e ele simplesmente não sabe como lidar com isso. Se ele não bater em você, maravilhoso. Se ele bater em você, você desenvolve a coragem silenciosa de aceitar golpes sem retaliação. Se ele não te colocar na cadeia, maravilhoso. Ninguém com bom senso adora ir para a cadeia. Mas se ele te colocar na cadeia, você vai para essa cadeia e a transforma de uma masmorra de vergonha em um refúgio de liberdade e dignidade humana. Mesmo que ele tente matar você, você desenvolve a convicção interna de que há algo tão caro, algo tão precioso, algo tão eternamente verdadeiro, pelo qual valem a pena morrer. E se um homem não descobriu algo pelo qual ele morrerá, ele não está apto a viver. E é isso que a disciplina não violenta diz.

Os fins preexistem nos meios

Outra coisa é que a filosofia da não-violência dá ao indivíduo uma maneira de lutar para assegurar fins morais através de meios morais. Um dos grandes debates da história foi sobre toda a questão dos fins e meios. Desde os tempos dos diálogos de Platão, reaparecendo através de Maquiavel e outros, tem havido aqueles indivíduos que argumentam que o fim justifica os meios. Mas, em um sentido real, a filosofia não-violenta aparece e diz que o fim preexiste nos meios. […] E assim, no longo curso da história, os meios imorais não podem trazer fins morais. De alguma forma, o homem deve chegar ao ponto em que vê a necessidade de coerência entre fins e meios, por assim dizer. E esta é uma das coisas básicas da filosofia não violenta no seu melhor. Dá um caminho e um método de luta que diz que você pode procurar assegurar fins morais por meios morais.

O desperdício de líderes nas cadeias

Hoje, grandes líderes, como Nelson Mandela e Robert Sobukwe, estão entre as muitas centenas de pessoas que estão sendo desperdiçadas na prisão de Robben Island. Contra um estado pesado, armado e implacável, que usa a tortura e formas sádicas de interrogatório para esmagar seres humanos, levando alguns ao suicídio, a oposição militante dentro da África do Sul parece, no momento, estar silenciada. A massa do povo parece estar contida, parece momentaneamente incapaz de romper com a opressão. Eu enfatizo a palavra “parece” porque podemos imaginar que emoções e planos devem estar fervilhando abaixo da superfície calma daquele estado policial bem-sucedido. Sabemos que emoções estão fervendo no resto da África e, na verdade, em todo o mundo. Os perigos de uma guerra racial, desses perigos, recebemos repetidos e profundos avisos.

Sanções econômicas poderiam encerrar o apartheid na África do Sul

É nessa situação, com a grande massa de sul-africanos tendo negada sua humanidade, sua dignidade, negada oportunidade, negada a todos os direitos humanos; é nessa situação, com muitos dos mais corajosos e melhores sul-africanos cumprindo longos anos na prisão, com alguns já executados, nessa situação, nós, na América e na Grã-Bretanha, temos uma responsabilidade única, pois somos nós, através dos nossos investimentos, através do fracasso dos nossos governos em agir de forma decisiva, os culpados de reforçar a tirania sul-africana.

Nossa responsabilidade – nossa responsabilidade nos apresenta uma oportunidade única: podemos unir-nos à única forma de ação não violenta que poderia trazer liberdade e justiça à África do Sul, ação que os líderes africanos apelaram: um movimento robusto de sanções econômicas. Em um mundo que vive sob a terrível sombra das armas nucleares, não reconhecemos a necessidade de aperfeiçoar o uso de pressões econômicas? Por que o comércio é considerado sagrado por todas as nações e por todas as ideologias? Por que nosso governo e seu governo na Grã-Bretanha se recusam a intervir efetivamente agora, como se apenas quando houver um banho de sangue na África do Sul – ou na Coreia ou no Vietnã – eles reconheceriam uma crise? Se o Reino Unido e os Estados Unidos decidissem amanhã de manhã não comprar produtos sul-africanos, não comprar ouro sul-africano, colocar um embargo ao petróleo, se nossos investidores e capitalistas retirassem seu apoio à tirania racial que encontramos lá, então o apartheid seria encerrado. Então, a maioria dos sul-africanos de todas as raças poderia finalmente construir a sociedade compartilhada que eles desejam.

A injustiça racial espalha-se por todo o mundo

E assim, este é um desafio para as nações do mundo. E Deus conceda que nós enfrentaremos este desafio e faremos parte desse grande movimento criativo que procurará trazer mudanças e transformar aqueles “ontens” sombrios da desumanidade do homem para “amanhãs” brilhantes de justiça, paz e boa vontade. E posso lhes dizer que o problema da injustiça racial não se limita a qualquer nação. Sabemos agora que este é um problema que se espalha por todo o mundo. E aqui mesmo em Londres e aqui mesmo na Inglaterra, você sabe tão bem que milhares e milhares de pessoas de cor estão migrando de muitas e muitas terras – das Índias Ocidentais, do Paquistão, da Índia, da África. E eles têm o direito de vir a esta grande terra, e eles têm o direito de esperar justiça e democracia nesta terra. E a Inglaterra deve ser eternamente vigilante. Pois se não, o mesmo tipo de guetos se desenvolverá nos Harlems dos Estados Unidos. Os mesmos problemas de injustiça, os mesmos problemas de desigualdade nos empregos irão se desenvolver. E então eu lhes digo que o desafio diante de cada cidadão de boa vontade desta nação é fazer de tudo para tornar a democracia uma realidade para todos, para que todos nesta terra possam viver juntos e que todos os homens sejam capazes de viver juntos, como irmãos.

“Nunca me conformarei com a loucura do militarismo”

Você sabe, há certas palavras em cada disciplina acadêmica que logo se tornam estereótipos e clichês. Toda disciplina acadêmica tem seu vocabulário técnico. A psicologia moderna tem uma palavra que provavelmente é usada mais do que qualquer outra palavra da psicologia moderna. É a palavra “desajustado”. Você já ouviu essa palavra. Este é o grito da moderna psicologia infantil. E certamente todos nós queremos viver vidas bem ajustados a fim de evitar personalidades neuróticas e esquizofrênicas. Mas devo dizer-lhes esta noite, meus amigos, quando chego ao fim de minha exposição, que há algumas coisas em minha própria nação, e há algumas coisas no mundo, em relação às quais tenho orgulho de ser desajustado e às quais eu chame todos os homens de boa vontade a serem desajustados até que a boa sociedade seja realidade. Devo dizer honestamente a vocês que nunca pretendo me ajustar à segregação, à discriminação, ao colonialismo e a essas forças específicas. Devo dizer honestamente a você que nunca pretendo me ajustar ao fanatismo religioso. Devo dizer honestamente a você que nunca pretendo me ajustar às condições econômicas que levarão muitos à necessidade para dar luxo a poucos. Devo dizer-lhe esta noite que nunca pretendo me ajustar à loucura do militarismo e aos efeitos autodestrutivos da violência física, pois em um dia em que os Sputniks e os exploradores estão correndo pelo espaço sideral e os mísseis balísticos guiados estão esculpindo rodovias de morte através da estratosfera, nenhuma nação pode vencer uma guerra. Não é mais a escolha entre violência e não-violência; é não-violência ou não-existência. E a alternativa ao desarmamento, a alternativa a uma maior suspensão dos testes nucleares, a alternativa para fortalecer as Nações Unidas e, assim, desarmar o mundo inteiro, pode muito bem ser uma civilização mergulhada no abismo da aniquilação. E asseguro-lhes que nunca me conformarei com a loucura do militarismo.

A proposta de criação da “Associação Internacional para o Avanço do Desajuste Criativo”

Pode muito bem ser que todo o nosso mundo esteja necessitado neste momento de uma nova organização – a Associação Internacional para o Avanço do Desajuste Criativo – homens e mulheres que serão tão desajustados quanto o Profeta Amós, que no meio das injustiças de seus dias, podia gritar em palavras que ecoam através dos séculos: “Que a justiça role como águas e justiça como um fluxo poderoso”; tão desajustado quanto o falecido Abraham Lincoln, o grande presidente de nossa nação, que teve a visão de ver que os Estados Unidos não poderiam sobreviver com metade da população composta por escravos e metade de pessoas livres.; tão desajustado como Thomas Jefferson, que, no meio de uma época surpreendentemente ajustada à escravidão, pode gravar através das páginas da história palavras elevadas a proporções cósmicas: “Consideramos como verdades evidentes, que todos os homens são criados iguais, que eles são dotados pelo seu Criador com certos direitos inalienáveis, que entre estes estão a Vida, a Liberdade e a Busca da Felicidade”; tão desajustado quanto Jesus de Nazaré, que poderia dizer aos homens e mulheres de seus dias: “Aquele que vive da espada perecerá pela espada.” E através de tal desajuste, seremos capazes de emergir da longa e desolada noite da desumanidade do homem para com o homem na aurora brilhante da liberdade e da justiça.

Fé em uma sociedade de fraternidade e de paz

Posso dizer-lhes que ainda acredito que a humanidade se levantará para a ocasião. Apesar das trevas da hora, apesar das dificuldades do momento, apesar desses dias de tensão emocional, quando os problemas do mundo são gigantescos em extensão e caóticos em detalhe, ainda tenho fé no futuro, e ainda acredito que podemos construir essa sociedade de fraternidade e de paz.

Palavras simples de um pregador negro

Temos um longo caminho a percorrer até que esse problema seja resolvido, mas graças a Deus, avançamos. Percorremos um longo, longo caminho. Termino citando as palavras de um velho pregador escravo negro, que não tinha a gramática e a dicção certas, mas pronunciava palavras de grande profundidade simbólica: “Senhor, nós não somos o que queremos ser. Nós não somos o que deveríamos ser. Nós não somos o que vamos ser. Mas, graças a Deus, não somos o que éramos”. Obrigado.

Nota: a tradução foi feita a partir de trechos escolhidos da transcrição do discurso de Martin Luther King publicada no site DemocracyNow em: https://www.democracynow.org/2019/1/21/mlk_at_90_a_rediscovered_1965#transcript

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador