Memórias de Jânio Quadros

Contado por um ex-assessor de Fernando Collor:

Janio Quadros  e Collor se encontraram em Lisboa. Jânio se dirige a ele, com seus modos formais:

– Presidente, acho que o senhor é muito novo para entrar no cargo

– Mas cheguei com sua idade

– E deu no que deu.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. Essas renúncias…

    Janio, nascido em  janeiro de 1917, assumiu a presidência em janeiro de  1961 (estava com 44 anos). E renunciou em  agosto de 1961.

    Fernando Collor, nascido em  agosto de 1949, assumiu a presidência em janeiro de  1990 (estava com 41 anos) . Renunciou em  29 de dezembro de 1992.

     

     

  2. É exatamente esses casos

    É exatamente esses casos emblematicos que guardo na memoria em letras de ferro e jaspe,e ninguem daqui ou de alhures consegue ganhar de mim uma corrida de 100 metros com obstaculos.Aí está,fudamentalmente,a raiz de tudo,do meu inesgotavel conhecimento dos bastidores da politica,e o que ela tem de interessante ou não.O aprofudamento da minha curiosidade dos fatos marcantes dela,meu interesse em ler e buscar cada detalhe.Isso levou anos,decadas,para saber o que eu sei,e armazena-las cronologicamente na minha memoria.Sei de tudo um pouco,mas essencialmente só cheguei a esse nivel de conhecimento,por ter herdado do meu Pai uma imensa Biblioteca onde abri minha cabeça para o mundo encantado dos livros de toda espicie,da intelestualidade do meu Pai,enquanto me esforço para que a vida não passe em vão.

  3. Atribuído a Jânio Quadros

    Após a renúncia, Jânio embarca para o autoexílio londrino. Quando retorna, e assim que permitido, começa a percorrer o país em palestras nas escolas e faculdades. Em uma delas, após a sua fala no velho estilo de sempre, começaram as perguntas. Um estudante, abusado como só a pouca idade permite, sapeca a queima-roupa: “E aí, afinal você vai explicar por que renunciou?”

    Jânio pigarreou e fulminou: “Meu jovem, a intimidade gera dois problemas, aborrecimento e filhos. Com o senhor não quero nem uma coisa, nem outra.”

  4. memórias…..

    Collor, apesar de pouco tempo, teve seus méritos como Presidente. Mas é produto do Coronelato Nordestino e da Velha Política, alimentada pela Esquerdopatia. Como José Sarney, passeou em 40 anos redemocratas por todos Governos dito Progressistas. Não representaria nada de novo. Jânio Quadros foi um gênio. Como tantas outras vezes, a capacidade que esteve país teima em perder. Não à toa, depois de anos, volta ao país e dá um passeio sobre FHC, mostrando o abismo de capacidade, competência e intelectualidade que existia entre os dois. Mas não fiquem apenas com a minha opinião. Vejam o que Raquel de Queiroz, apenas Raquel de Queiroz, uma das fundadoras do Partido Comunista no Brasil, diz sobre o Presidente Jânio. Por fanatismos e ignorância, vamos perdendo oportunidades.     

  5. Jânio Quadros era um louco. . .

    Jânio Quadros era um louco, mas um gênio político. Suas tiradas eram inigualáveis. Conta-se que quando presidente recebeu uma delegação de funcionários dos Correios que pediam um reajuste salarial, representando a comitiva um funcionário bem velhinho, que apresentaram a Jãnio como o mais velho funcionário dos Correios com mais de quarenta anos de casa. Jânio cumprimenta o velhinho e lhe pergunta: “Há quantos anos mesmo o senhor vem sendo funcionário dos Correios?” E o velhinho responde com uma voz fininha: “Há mais de quarenta anos, senhor presidente'” e Jânio retruca: “E o senhor gosta de sê-lo?” A gargalhada foi geral.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome