A APAE exemplar que foi descredenciada pela Federação, por fazer educação inclusiva

Não é tarefa fácil desvendar realidades complexas envolvendo pessoas ou instituições vistas até então como intocáveis.

Digo isso a respeito do desafio de defender a educação inclusiva contra a pressão da Federação das APAEs e de seu principal líder, o ex-senador e atual vice-governador do Paraná Flávio Arns.

Leia aqui a história da educação inclusiva e a pressão exercida pela Federação das APAEs e pelo senador Flávio Arns para impedir o avanço das políticas públicas pro-inclusão de alunos com deficiência.

Clique aqui para um caso – que não pode ser generalizado – de abuso no uso de recursos públicos por uma APAE do Paraná. É exemplar para mostrar a falta de controle sobre e estrutura APAE.

Depois, faça uma breve pesquisa no Google com o nome de Flávio Arns, APAE e “educação inclusiva”. Pela leitura, parecerá que as APAEs apoiam a educação inclusiva. Apenas são contra o que chamam de “inclusão selvagem”, alegando que há inúmeros casos de crianças que não conseguiriam estudar, a não ser nas APAEs.

Clicando aqui, você saberá que mesmo a APAE-SP, a primeira e principal APAE do país, antes de aderir à educação inclusiva, aceitava apenas alunos “moderados” e “treináveis”.

Confira, agora, o que ocorreu com uma APAE exemplar, a de Contagem, pioneira da educação inclusiva, com 47 anos de existência. É uma história definitiva para entender os métodos da Federação das APAEs, o boicote à educação inclusiva, e o jogo político pesado sobre as APAEsmunicipais  sérias.

No site da APAE Brasil há uma notícia alvissareira sobre educação inclusiva: APAE de Contagem – MG – consolida inclusão social” .
 
É um embuste. A APAE de Contagem é referência não apenas de educação inclusiva mas de trabalho inclusivo. Acaba de fechar convênios com a Secretaria da Saúde de Minas e com o Ministério da Saúde. No estado, a APAE DE Contagem foi pioneira em trabalho com bebês, em convênio com a Secretaria da Saúde do estado. Com o Ministério da Saúde, participa de estudos sobre trabalho inclusivo.
 
No entanto, já não se chama mais APAE. Mudou o nome para CAIS (http://www.otempo.com.br/o-tempo-contagem/apae-de-contagem-adere-ao-novo-modelo-de-inclusão-1.701917).
 
Devido ao fato de apoiar a educação inclusiva, foi descredenciada pela Federação das APAEs. Sendo decredenciada, perdeu acesso às verbas da Secretaria da Educação estadual – já que todas elas passavam por um convênio guarda-chuva com a Federação. Sem as verbas, perdeu 19 professores que cuidavam das crianças na rede escolar.
 
Não havia nada que desabonasse a APAE Cotagem. Pelo contrário, há anos seu trabalho era visto como exemplar (http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf).
 
Como a Federação tem a propriedade do nome APAE, a de Contagem precisou mudar de nome, depois de 47 anos de atividade. No início, sentiu muito. Depois, conformou-se por entender que o nome APAE não mais representava os ideais da APAE de Contagem, devido ao desvirtuamento político.
 
Como Contagem, há inúmeras APAEs no estado que não puderam aderir à educação inclusiva por ameaça de descredenciamento e de perda de verbas. E há enormes receios de retaliação política. da Federação fazer valer sua influência política para queima-la junto às Secretarias estaduais.
 
Até hoje essas informações estavam escondidas, devido ao receio geral da exploração política por parte da Federação das APAEs, dos críticos serem apontados como verdugos de pessoas com deficiência. Todo esse modelo de pressão, de uso das crianças para chantagens políticas e emocionais, é liderado pelo ex-senador Flávio Arns.
 
A Secretaria da Educação de Minas poderia protagonizar um episódio exemplar de responsabilidade pública mapeando as APAEs municipais dispostas a bancar a educação inclusiva e livrando-as da chantagem política da Federação.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. “Secretaria da Educação de

    “Secretaria da Educação de Minas poderia protagonizar um episódio exemplar de responsabilidade pública”:

    Se ha UMA coisa no mundo que nao vai sair de Minas… voce acertou em cheio.

  2. Na década de 80 do século

    Na década de 80 do século passado presenciei iniciativa de educação inlusiva. Foi aqui mesmo no Paraná, em Curitiba, no colégio Novo Ateneu. Um garoto com sindrome de down estudou regularmente em outra classe.

    Há 30 anos já se apresentava a educação inclusiva como a forma mais humana e avançada de lidar com a educação de deficientes. 

     

  3. Morro de medos de intocáveis.

    Morro de medos de intocáveis. Não tem jeito: ganhou status de intocável, começa a fazer besteira.

    As APAEs foram para o Brasil, o que durante muito tempo os hospícios e leprosários: locais de isolamento dos indesejáveis, muitas vezes hipocritamente mascarados como os coitadinhos; os coitadinhos que tinham que ter alguém pra cuidar. É inegável o trabalho que tem feito muitos agentes da APAE durantes estes anos; todavia, o uso político partidário contra a modernização pela humanização do processo, a educação inclusiva, está enlameando a entidade e mostrando quem de fato são, muitos dos que ali vivem a dizer Senhor, Senhor.

    É brabo!

  4. Então, de fato as APAEs estão ameaçadas!
    Nassif, quando “A Secretaria da Educação de Minas poderia protagonizar um episódio exemplar de responsabilidade pública mapeando as APAEs municipais dispostas a bancar a educação inclusiva e livrando-as da chantagem política da Federação”? Como fazer se a população acredita *falsamente* que as APAES estão ameaçadas de extinção e foi a de Contagem que acabou?

  5. Totalmente equivocado

    Acho que o senhor está equivocado, pois não é bem assim. Pelo que vejo o senhor esxcreu um texto sem ter um mínimo sequer do assunto. Sou o Michael, moro em Cariacica-ES e estou envolvido com a APAE da minha cidade quase 19 anos. Onde fui aluno, fui paciente e agora faço parte da diretoria da mesma. E posso garantir com toda certeza para o senhor que não há pressão nenhuma da federação das APAES sobre as mesmas em nenhum estado brasileiro, tanto das federações estaduais quanto a nacional. Se a Apae de Contagem foi descrendenciada da federação, ou algo de muito grave aconteceu ou está havendo um grande mal entendido, mas pressão não é. Sugiro que o senhor pesquise melhor sobre o assunto, pois o senhor está mal informado. E é muito feio, é ridiculo escrever ou falar de coisas que a gente nem tem conhecimento. É um absurdo o senhor alegar que as APAES sofrem pressão das federações, é inadimissivel isso.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome