Desemprego cai para 10,5% em abril, aponta IBGE

Apesar da taxa de desemprego ser melhor que o esperado, o rendimento médio real do trabalhador apresentou baixa

Agência Brasil

A taxa de desemprego no Brasil caiu para 10,5% no trimestre encerrado em abril, este é o melhor índice desde 2016. Vale ressaltar, no entanto, que ainda são 11,3 milhões de brasileiros desempregados, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada nesta terça-feira (31).

No trimestre de referência a taxa de desocupação apresentou baixa de 0,7 ponto percentual em comparação aos 3 meses anteriores e 4,3 pontos percentuais em 1 ano. No último levantamento, referente ao 1º trimestre, o desemprego estava em 11,1%. Mas o percentual ta longe da mínima da série histórica, registrada em 2014, quando chegou a 6,5%.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Apesar da taxa de desemprego ser melhor que o esperado, o rendimento médio real do trabalhador foi de R$ 2.569, seguindo a linha do trimestre anterior, que foi de R$ 2.566. Em comparação com o mesmo trimestre de 2021, a redução foi de 7,9% (R$ 2.790).

“Embora tenha havido crescimento da formalidade, não foi observada expansão do rendimento médio real do emprego com carteira assinada no setor privado. Além disso, houve queda no rendimento do setor público”, explicou Adriana Beringuy, coordenadora de pesquisas por amostra de domicílios do IBGE.

Leia também:

Datafolha: 52% dizem que a vida piorou

Ainda sobre a crise econômica e a pandemia, por Victor Leonardo de Araujo

A demora à procura de emprego, por Luis Nassif

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador