Juros para pessoa física voltam a subir em abril

Jornal GGN – A taxa média de juros do crédito para as famílias subiu em abril, de acordo com dados do Banco Central (BC): de março para o mês passado, a alta apurada no segmento livre chegou a 1,7 ponto percentual, com a taxa de 56,1% ao ano, a mais alta da série histórica do BC, iniciada em março de 2011. Nas operações com as famílias, a taxa média apresentou elevações de 0,7 ponto percentual (p.p) no mês e 2,8 pontos em doze meses, alcançando 33,9% ao ano (a.a).

No segmento livre, o destaque ficou para a alta de 8,8 pontos percentuais no crédito pessoal não consignado. No crédito direcionado, registrou-se custo médio de 8,4% ao ano, o que corresponde a uma redução mensal de 0,1 ponto, refletindo o declínio de 0,2 ponto percentual nas taxas dos financiamentos imobiliários.

O valor médio dos juros praticados nas operações de crédito do sistema financeiro alcançou 26,4% ao ano em abril, com elevações de 0,5 ponto no mês e 2,5 pontos em doze meses. No crédito livre, o custo médio atingiu 41,8% ao ano, com altas respectivas de 0,9 ponto e 5,4 pontos. Nas contratações com recursos direcionados, a taxa situou-se em 8,7% ao ano, após aumentos de 0,3 ponto percentual e 0,7 ponto.

No caso do direcionado (empréstimos com regras definidas pelo governo, destinados, basicamente, aos setores habitacional, rural e de infraestrutura), a taxa de juros do crédito para as empresas subiu 0,6 ponto percentual para 9% ao ano. No caso das famílias, houve redução de 0,1 ponto percentual, com taxa em 8,4% ao ano.

A taxa de juros mais alta na pesquisa do BC é a do rotativo do cartão de crédito, que subiu 1,7 ponto percentual para 347,5% ao ano. A taxa média das compras parceladas com juros, do parcelamento da fatura do cartão de crédito e dos saques parcelados subiu 3,1 pontos percentuais para 114,6% ao ano. A taxa do cheque especial chegou a 226% ao ano, em abril, com alta de 5,6 pontos percentuais. Já a taxa do crédito consignado (com desconto em folha de pagamento) chegou a 26,9% ao ano.

Nos empréstimos às empresas, a taxa média alcançou 18,5% ao ano em abril, o que corresponde a aumentos de 0,4 ponto percentual no mês e 1,9 ponto em doze meses. Nas contratações com recursos livres, o custo médio situou-se em 26,6% ao ano (+0,1 ponto percentual no mês), enquanto no segmento direcionado, a taxa média atingiu 9% a.a., aumento de 0,6 p.p. no mês, com destaque para a alta de 0,8 p.p. nos financiamentos com recursos do BNDES para investimentos.

O spread bancário das operações de crédito situou-se em 17 pontos percentuais, após aumentos de 0,6 ponto no mês e 1,7 ponto percentual em doze meses, com maior elevação nas.operações praticadas com as famílias, cujo spread alcançou 24,3 pontos percentuais (+0,9 ponto no mês). No crédito às empresas, o spread atingiu 9,3 pontos percentuais (+0,3 p.p. no mês). Nos segmentos livre e direcionado, o spread atingiu 29,3 p.p. e 2,9 p.p., respectivamente, com altas mensais de 1,1 p.p. e 0,2 p.p.

A inadimplência do sistema financeiro, referente a operações com atrasos superiores a noventa dias, alcançou 3% no mês, ao elevar-se 0,2 ponto percentual no mês e 0,1 ponto em doze meses. No mês, o indicador permaneceu estável no segmento de pessoas físicas e aumentou 0,2 ponto percentual no de pessoas jurídicas, situando-se, respectivamente, em 3,7% e 2,3%. No crédito livre, o nível de atrasos situou-se em 4,6%, alta de 0,2 ponto, enquanto no crédito direcionado, alcançou 1,2%, ao elevar-se 0,1 ponto percentual.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Se reduzir a selic para

    Se reduzir a selic para 10%a.a. os juros continuarão na estratosfera. Portanto, a selic deve ser reduzida rapidamente em 3 pontos, a economia do governo será de dezenas de bilhões de reais, que serão investidos na saúde, educação, infraestrutura, saneamento, etc.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome