S&P baixa rating de crédito da França e diz que temor brasileiro é exagerado

Jornal GGN – A Standard & Poor’s rebaixou os ratings de crédito de longo prazo em moeda local e estrangeira da França nesta sexta-feira em um degrau, de “AA+” para “AA”.

A S&P informou que o alto desemprego está enfraquecendo o apoio por mais medidas de políticas estruturais e fiscais significativas, acrescentando que as reformas macroeconômicas do governo francês não elevarão substancialmente as perspectivas de crescimento de médio prazo do país.
 
A S&P também revisou a perspectiva de crédito soberano da França para estável, de negativo.

Ontem, em entrevista, a diretora para ratings soberanos para a América Latina, Lisa Schineller, afirmou que, embora preocupados com a situação fiscal brasileira, a piora não significa que a nota de crédito do país cairá um degrau na categoria grau de investimento, o que denotaria mais especulação  e incertezas em torno da economia brasileira.

A executiva também afirmou que “é exagero” afirmar que o Brasil poderia ser o primeiro a perder status neste quesito entre os Brics, do qual fazem parte Rússia, China, Índia e África do Sul. A informação partiu de um relatório recente do banco Barclays enviado ao jornal inglês Financial Times. Segundo ela, a Índia tem mais chances de cair um pouco nas perspectivas da S&P.

Com informações da Reuters.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  O vespeiro EUA vs. Irã e o maior erro da política externa bolsonarista, por Cesar Calejon

2 comentários

  1. O temor brasileiro não é exagerado.

     

    O “temor brasileiro” é eleitoral, no governo FHC com a paridade cambial asfixiando nossa economia e dilapidando nossas reservas não se via tanto terrorismo jornalistico, “o grande timoneiro” foi reeleito e o país foi a breca, uma imprensa que assistiu impassível o país ser levado para o buraco agora em condições opostas e muito mais favoraveis a toda hora despeja alarmismo e prega que o “fim esta próximo”, nada mais natural para quem deixou de ser um canal de informação e virou um partido politico.

  2. Temor sobre o Brasil, nao temor brasileiro; nao é o Brasil q tem

    Às vezes questoes de língua sao importantes, quando a “correçao” nao é por motivos normativistas, e sim por necessidade de clareza (embora o texto tb se refira ao temor de certo Brasil, aquele que aposta no pior para tentar derrubar um governo de que nao gosta). 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome