Mourão defende corte de impostos antes de abertura comercial

Nos anos 1990, abertura comercial implantada por Collor levou à quebra de empresas nacionais e aumentou desemprego 
 
Foto Antônio Cruz/Agência Brasil
 
Jornal GGN – Em entrevista à Folha de S.Paulo, o general da reserva e futuro vice-Presidente da República, Hamilton Mourão, defendeu primeiro “acertar a questão tributária” antes da abertura comercial, proposta pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes.
 
“Na minha visão, temos que arrumar a casa primeiro. Depois que arrumar a casa, a gente abre a porta (…) Precisa acertar primeiro a questão tributária, que é parcela do custo Brasil. Aí teremos espaço para iniciar uma abertura, e as nossas indústrias poderão ter preço competitivo com as que vêm de fora e que não sofrem esse aperto”.
 
Paulo Guedes vem defendendo a abertura comercial do Brasil desde a corrida eleitoral, pontuando, após a eleição de Bolsonaro, que não será repentina, para evitar perdas à competição da empresas nacionais. O desenho da abertura comercial do novo governo, entretanto, ainda não foi apresentando em detalhes, o que deve acontecer nos próximos meses de 2019.
 
“Não vamos fazer uma abertura abrupta para prejudicar a indústria brasileira, ao contrário, vamos retomar o seu crescimento com juros baixos, reformas fiscais e desburocratização”, afirmou Guedes em entrevista à Folha em 30 de outubro.
 
A abertura comercial do Brasil é um tema ligado a agenda da produtividade, mas precisa ser implantada com cuidado. Nos anos 1990, o então governo Fernando Collor fez a abertura comercial com um plano que previa a redução gradual de tarifas de importação. Com produtos estrangeiros mais baratos, os produtores nacionais seriam forçados a reduzir preços e melhorar a qualidade dos produtos. Mas o que se seguiu foi a quebra empresas nacionais e, consequentemente, impactos negativos sobre o nível de empregos.
 
Em um artigo para o Portal da Indústria, publicado em 25 de outubro, o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, alertou para a situação delicada da econômica no Brasil. 
 
“Se vier a ser, de fato, implementada, essa ideia [da abertura comercial unilateral da economia brasileira] eminentemente acadêmica terá consequências reais negativas, porque parte de um diagnóstico errado”. 
 
Nos anos 90, a abertura comercial brasileira, diferente da que foi praticada décadas antes por outros países latinos, como Chile e Argentina, aconteceu em um ambiente econômico instável, além disso, não foi realizada em escalas, primeiro com a liberalização do mercado de bens e serviços para depois no mercado de capitais. 
 
“No governo Collor, quando o Imposto de Importação médio era cinco vezes maior do que o atual, foi feita uma abertura desse tipo, que resultou no fechamento de empresas, no aumento do desemprego e na desnacionalização de diversos setores da nossa economia. A produtividade, porém, teve ganhos apenas pontuais e ficou estagnada nas duas décadas seguintes, pois as medidas necessárias para aumentar a competitividade da economia não foram tomadas”, alerta Braga de Andrade. 
 
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Dobre-se o Bolsa Família! Pra ontem!, por César Locatelli 

7 comentários

  1. A sociedade brasileira ficou

    A sociedade brasileira ficou muito mal acostumada com os governos Lula e Dilma, quando o país crescia, tinha empregos e os salários aumentavam periodicamente. É preciso que os brasileiros sofram um pouco para dar valor a governantes que os respeitavam. Agora o pais será governado por psicopatas que tem total desprezo pelo seu povo. Os eleitores do Bolsonaro, principalmente os mais jovens, saberão exatamente o que é o librealismo que tanto defendem. Hoje o desemprego no país está na casa dos 12%, não vai demorar muito para chegar aos 20% como na Espanha. Os mais atingidos serão justamente os mais jovens, que no caso da Espanha o desemprego gira em torno de 50%.

    • Sofrimento
      Que argumento ilógico é esse? A troca de governo mostra insatisfação com a situação vigente e não desejo de sofrer!

  2. O vicejar do planalto
     

    Já tivemos vices interinos, vicejantes, e presidentes desinterinos.

    Agora teremos um presidente de reserva e um vice interino, pois o cargo de presidente já está reservado para o vice.

    O governo está todo cercado e, fazendo jus aos “apelidos de família”, mourão se arma para “proteger o brasil”

     

    Mourão e os mourões

     

    Cerca e Mourão

     

    General Mourão, defensor de torturador, foi aclamado pelo …

     

     

    Mourão de Eucalipto Tratado – Serraria Falcão

     

      

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome