A Human Rights Watch pede uma investigação independente sobre a explosão

A organização expressou sérias preocupações sobre a capacidade do judiciário libanês de conduzir uma investigação credível e transparente por conta própria.

Da CNN

A Human Rights Watch pede uma investigação independente sobre a explosão

Jonny Hallam, da CNN, e Mohammed Tawfeeq, em Atlanta, e Mostafa Salem, em Abu Dhabi

A organização sem fins lucrativos Human Rights Watch pediu às autoridades libanesas que convidem especialistas internacionais para uma investigação independente sobre a explosão de terça-feira, que abalou a capital Beirute.

“Dada a falha repetida das autoridades libanesas em investigar falhas graves do governo e a desconfiança do público em relação a instituições governamentais, uma investigação independente com especialistas internacionais é a melhor garantia de que as vítimas da explosão receberão a justiça que merecem”, disse Aya Majzoub, pesquisadora do Líbano. na HRW, em comunicado na quinta-feira.

“A investigação deve determinar as causas e responsabilidades da explosão e recomendar medidas para garantir que isso não ocorra novamente. O governo libanês deve garantir que os afetados pela explosão tenham acesso a moradia, comida, água e assistência médica adequados, com toda a ajuda distribuída de forma justa e imparcial.”

Questões de independência judicial: A Human Rights Watch expressou sérias preocupações sobre a capacidade do judiciário libanês de conduzir uma investigação credível e transparente por conta própria.

“Grupos de direitos libaneses e internacionais documentam há anos interferência política no judiciário e criticam sua falta de independência”, afirmou a declaração. “Além disso, evidências iniciais sugerem que alguns juízes estavam cientes de que o nitrato de amônio estava armazenado no porto de Beirute e supostamente falhou. agir “, acrescentou o comunicado

Algum contexto: as autoridades ainda estão investigando a causa da explosão, mas o primeiro-ministro do Líbano disse que a sonda se concentrará em cerca de 2.750 toneladas métricas de nitrato de amônio explosivo armazenado em um armazém no porto.

Leia também:  Embaixadora do Brasil na ONU antecipa resposta de Bolsonaro e ataca Nações Unidas

O nitrato de amônio estava no porto desde 2014, apesar do diretor da Alfândega libanesa alertar repetidamente o governo sobre seu perigo ao longo dos anos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. É notório que um sistema judiciário independente, realmente comprometido com a aplicação das leis e que não seja omisso e lerdo é condição necessária para o bom funcionamento das democracias (nós sabemos disso na pele). Então, se confirmada a hipótese de que a autoridade portuária encaminhou seis documentos para o judiciário para resolver a pendência dos químicos e não houve resposta… esperaríamos que lá houvesse menos corporativismo do que aqui no Brasil? Tudo só não acabará em pizza se o executivo de lá for forte o suficiente e exigir uma punição que não seja a dos peixes miúdos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome