As negociações de paz entre o governo da Colômbia e as Farc

Sugerido por Cyro

Da BBC

Rebeldes colombianos das Farc “sonham com a paz efetiva”

Líder das Farc, o comandante Timochenko, lançou uma mensagem de vídeo de 27 minutos de duração a partir “das montanhas da Colômbia”

O líder do maior grupo rebelde da Colômbia, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), diz que seu grupo de guerrilha “sonham com a paz efetiva”.

Falando em uma mensagem de vídeo publicado no 50º aniversário de fundação do grupo, Timochenko advertiu que seus combatentes não tinham sido derrotados.

Ele disse que as Farc nunca iriam concordar com uma “rendição humilhante”.

Rebeldes e negociadores do governo têm se empenhado em negociações de paz em Havana, Cuba, nos últimos 18 meses.

Rodrigo Londono Echeverri – mais conhecido pelo seu nome de guerra, Timochenko – disse que as Farc não tinham ido à mesa de negociações por esterem derrotados militarmente.

“Estamos em Havana porque sonhamos com uma paz efetiva“, disse ele.

Mas ele também alertou que “após 50 anos de batalha incorruptível, vamos continuar a lutar enquanto for preciso, se a oligarquia insistir novamente em impedir a paz.”

Compromisso parcial

As Farc e o governo começaram as negociações de paz em Havana, em novembro de 2013.

As Farc e os negociadores do governo, em uma entrevista coletiva em Havana em 16 de maio de 2014, declararam que chegaram a um acordo sobre três tópicos em negociações de paz na capital de Cuba.

Chegaram a um acordo em três questões fundamentais: reforma agrária, a participação política dos rebeldes e drogas ilícitas.

Eles ainda têm de discutir o desarmamento, os direitos das vítimas e eventual implementação do acordo de paz.

O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, disse que espera que ele possa chegar a um acordo de paz abrangente com as Farc até o final do ano.

No entanto, ele foi derrotado no primeiro turno da eleição presidencial de domingo pelo candidato de direita Oscar Ivan Zuluaga.

Sr. Zuluaga tem sido crítico das conversas com o grupo rebelde, dizendo que “não podemos permitir que as Farc tentem comandar o país a partir de Havana“.

Eleição chave

Agora haverá um segundo turno em 15 de Junho, em que o presidente Santos disse que os colombianos teriam que escolher “entre aqueles que querem um fim para a guerra e aqueles que preferem uma guerra sem fim”.

Um estudo realizado pelo Centro Nacional de Memória Histórica sugere 220.000 pessoas morreram na luta armada da Colômbia e mais de cinco milhões de pessoas foram deslocadas internamente.

Enquanto a força das Farc diminuiu bastante, o grupo rebelde ainda está no controle de partes consideráveis ​​da Colômbia rural e continua a atacar delegacias, bases militares e oleodutos entre outros alvos.

O número de combatentes das Farc ativos agora está em cerca de 7.500, contra 20.000 no seu auge em 2000, de acordo com o Ministério da Defesa colombiano.

Apesar do número cada vez menor de seu grupo, Timochenko terminou a sua mensagem de vídeo de 27 minutos de duração em uma nota de desafio, dizendo que as Farc tinham “prometido vencer e iriam vencer“.

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

anarquista sério

- 2014-05-29 14:27:52

''Agora haverá um segundo

''Agora haverá um segundo turno em 15 de Junho, em que o presidente Santos disse que os colombianos teriam que escolher “entre aqueles que querem um fim para a guerra e aqueles que preferem uma guerra sem fim".

  Os colombianos já escolheram.

    Pergunta pra ele quem ganhou o primeiro turno.

        Se bem que isso é tudo jogo pra torcida.Nenhum deles solta um pum na Colombia sem perguntar pros E U A se pode faze-lo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador