Rússia ganha com guerra na Ucrânia e vira a maior exportadora de petróleo à China

Apesar de sanções impostas pelo Ocidente, Rússia estreitou relações comerciais com a China

Vladimir Putin, presidente da Rússia, e Xi Jinping, presidente da China, Foto: Sputnik/Aleksey Druzhinin/Kremlin – via Agência Brasil.

A China aumentou a importação de petróleo vindo da Rússia em 55% no mês de maio, em comparação ao ano passado. Dessa forma, o país do leste europeu superou a Arábia Saudita e se tornou a principal fornecedora da commodity à nação asiática. As informações são da BBC News.

Segundo o Partido Comunista Chinês, os suprimentos vindos do oleoduto Sibéria-Pacífico totalizaram aproximadamente 8,5 milhões de toneladas no mês passado. Os árabes ficaram na casa das 7,8 milhões de toneladas.

Isso aconteceu apesar do cenário de incertezas, com desaceleração da atividade econômica na China e dos recentes lockdowns por conta de uma nova onda de casos da covid-19.

Em fevereiro, os dois países declararam que a amizade entre eles “não tinha limites”.

Rússia dribla sanções

Nesse contexto, com as sanções econômicas impostas pela Europa e Estados Unidos como punição à guerra na Ucrânia, as gigantes estatais chinesas Sinopec e Zhenhua Oil aumentaram as compras vindas de Putin.

Com a instabilidade nos preços em decorrência do conflito, a Índia também aproveitou para aumentar importações do combustível fóssil.

Assim, esses dois países tem permitido que Putin drible as penalidades da OTAN.

Ocidente reage, mas ainda depende da energia russa

O representante comercial ucraniano Taras Kachka fez um alerta aos países que decidirem comprar mais de Moscou. Ele disse à agência britânica BBC que Putin é capaz “de qualquer coisa”, e que o Kremlin pode usar a dependência do gás russo para manipular esses países.

Além disso, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, já disse que as sanções atingiram “a principal artéria da economia da Rússia”.

Apesar das exportações energéticas serem uma fonte de receita vital à Russia, o Ocidente ainda depende dela para manter sua economia de pé.

LEIA: Comandante militar do Reino Unido insinua que 3ª guerra mundial está a caminho e prepara tropas britânica

Relatório do Centro de Pesquisa para Energia e Ar Limpo mostrou que o Kremlin arrecadou 100 bilhões de dólares em exportações de combustíveis fósseis, nos primeiros 100 dias de invasão à Ucrânia. Desse valor, 61% foram comprados pela União Europeia.

Vale lembrar que os Estados Unidos proibiram completamente qualquer importação de combustível vindo da nação comandada por Putin. Porém, o mesmo não aconteceu na Europa, justamente pela dependência energética.

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Pedro de Alcântara

- 2022-06-21 15:17:24

Como é essa história de aumento de 55% na importação de petróleo da Rússia e "Desaceleração da atividade econômica". Uma coisa não bate com a outra.

AMBAR

- 2022-06-21 13:23:37

Acho bonito 😍😸 os estados unidos "proibirem" países soberanos de proverem a sua própria subsistência. É uma amizade bastante peculiar em que nem os países tem soberania e nem os estados unidos são amigos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador