Irã lança mísseis contra instalações dos EUA no Iraque

Logo após o lançamento dos mísseis, o Irã alertou os aliados dos EUA na região, incluindo Israel, que eles também seriam atacados se permitissem que seus países fossem usados para atacar o Irã.

Iran attacked the Ain al-Asad airbase in the western Anbar desert of Iraq in the early hours of Wednesday morning. US forces are stationed in the sprawling complex [File: Nasser Nasser/AP Photo]

do Al Jazeera

Irã lança mísseis contra instalações dos EUA no Iraque

A TV estatal iraniana informou, na madrugada desta quarta-feira, que o Corpo Revolucionário da Guarda atacou a base militar de Ain al-Asad, onde estão posicionadas as tropas norte-americanas. Uma segunda instalação, perto do aeroporto de Erbil, também foi atingida.

As forças armadas iraquianas disseram que 22 mísseis foram lançados nos dois locais entre 1h45 e 2h15, hora local. Dois dos 17 mísseis lançados na base de Ain al-Asad não dispararam, disseram os militares, enquanto os cinco mísseis em Erbil alcançaram o objetivo.

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mahammad Javad Zarif, em um comunicado no Twitter, disse que o Irã tinha tomado e concluído ‘medidas proporcionais em legítima defesa’, de acordo com o artigo 51 da Carta da ONU.

‘Não buscamos escalada ou guerra, mas nos defenderemos de qualquer agressão’, afirmou ele.

Em Washington, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse em um tweet na terça-feira que estava em andamento uma avaliação das vítimas e danos causados pelos ataques. ‘Tudo está bem’, disse ele no Twitter, e prometeu fazer uma declaração na manhã desta quarta-feira.

“Tudo está bem! Mísseis lançados do Irã em duas bases militares localizadas no Iraque. Avaliação das vítimas e danos ocorridos agora. Por enquanto, tudo bem! Temos, de longe, as forças armadas mais poderosas e bem equipadas do mundo! Farei uma declaração amanhã de manhã.”

Leia também:  'Amor' do Brasil pelos EUA 'não é correspondido' e não traz benefícios, diz especialista

A televisão estatal iraniana afirmou que ao menos 80 ‘terroristas americanos’ foram mortos em ataques envolvendo 15 mísseis, acrescentando que nenhum dos mísseis foi interceptado. A versão oficial não forneceu evidências de como obteve essa informação.

Citando uma fonte do Corpo da Guarda Revolucionária, a tv iraniana também disse que o Irã tinha outros 100 alvos na região, caso Washington adotasse medidas de retaliação. Ele também disse que helicópteros e equipamentos militares dos EUA foram ‘severamente danificados’.

As autoridades americanas não se pronunciaram de imediato. Antes disso, uma autoridade dos EUA sob condição de anonimato disse à agência de notícias Associated Press que havia ‘poucas, se houver’ baixas.

Enquanto isso, as forças dinamarquesas disseram, pelo Twitter, que nenhum soldado dinamarquês foi ferido ou morto no ataque com mísseis na base aérea de Al-Asad. A Dinamarca tem cerca de 130 soldados na base, como parte da força internacional que luta contra o Estado Islâmico do Iraque e o grupo armado Levant (ISIL ou ISIS).

Logo após o lançamento dos mísseis, o Irã alertou os aliados dos EUA na região, incluindo Israel, que eles também seriam atacados se permitissem que seus países fossem usados para atacar o Irã.

A televisão iraniana informou que uma autoridade do gabinete do líder supremo iraniano disse que os ataques com mísseis foram os “mais fracos” de vários cenários de retaliação.

Enquanto isso, o Pentágono confirmou que mais de uma dúzia de mísseis foram lançados contra as forças militares e de coalizão dos EUA no Iraque, acrescentando que os mísseis vieram do Irã.

Leia também:  Democracia da hipocrisia, por Francisco Celso Calmon

“Estamos trabalhando nas avaliações iniciais dos danos das batalhas”, disse o porta-voz do Pentágono Jonathan Hoffman em comunicado. “Todos tomaremos todas as medidas necessárias para proteger e defender o pessoal, parceiros e aliados dos EUA na região”.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, e o secretário de Defesa, Mark Esper, chegaram à Casa Branca na noite de terça-feira, e uma autoridade disse que Trump havia sido informado dos ataques e estava monitorando a situação de perto.

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, democrata, alertou anteriormente que os EUA e o mundo não podiam se dar ao luxo de entrar em guerra.

“Monitorando de perto a situação após atentados contra as tropas dos EUA no Iraque. Devemos garantir a segurança de nossos membros de serviço, inclusive encerrando desnecessárias provocações do governo e exigindo que o Irã cesse sua violência. América e mundo não podem pagar guerra.”

Mais de 5.000 soldados dos EUA permanecem no país, juntamente com outras forças estrangeiras, como parte de uma coalizão que treinou e apoiou as forças de segurança iraquianas contra a ameaça do Estado Islâmico no Iraque e no Levante (ISIL ou ISIS).

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Se houvesse retaliação, 52 alvos não seriam atingidos no Irã?

    Como está tudo bem?

    Prá quem está distante das bombas, está tudo bem, é claro. Esse Topete é um fanfarrão.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome