Mundo reage depois que o Irã dispara mísseis contra alvos dos EUA no Iraque

O Irã lança ataques com mísseis nas instalações dos EUA no Iraque, menos de uma semana após a morte do principal general em ação dos norte-americanos.

Os países estão considerando a segurança de seus cidadãos no Iraque e no Irã em meio à crescente tensão entre os EUA e o Irã [Jonathan Ernst / Reuters]

do Al Jazeera

O Irã disparou mais de uma dúzia de mísseis contra duas bases militares iraquianas que hospedam tropas americanas, confirmou o Pentágono.

Os mísseis atingiram a base de Ain al-Assad, na província de Anbar, e uma instalação perto do aeroporto de Erbil, no norte do Iraque, na manhã desta quarta-feira; eles foram lançados em retaliação pela morte do comandante iraniano Qassem Soleimani pelos EUA, disse o Irã.

À medida que a tensão aumenta, os governos de todo o mundo estão pedindo um retorno à diplomacia e considerando planos de retirar seus cidadãos.

Abaixo estão as reações de todo o mundo.

França

A França expressou sua condenação aos ataques iranianos contra bases militares que abrigam tropas americanas no Iraque.

“A França gostaria de destacar novamente a importância de continuar a luta contra o Estado Islâmico, respeitando a soberania do Iraque”, disse um comunicado do Ministério das Relações Exteriores da França.

Noruega

A primeira-ministra norueguesa Erna Solberg classificou os ataques com mísseis iranianos como “uma escalada”.

“Trata-se de uma escalada e uma retaliação. Nossa principal mensagem é que é importante encontrar meios para reduzir a escalada desse conflito. Não nos serve se isso acabar em guerra”, disse Solberg ao jornal norueguês.

Solberg disse que Oslo está em contato com outros países da coalizão internacional contra o Estado Islâmico.

O ministro da Defesa da Noruega, Frank Bakke-Jensen, está “profundamente preocupado com a dramática escalada que vimos nos últimos dias”.

“Peço a todos os lados que acalmem a situação e evitem que ela se descontrole”, acrescentou ele em comunicado.

Israel

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyhahu alertou que seu país reagiria com força a quem o atacasse, reiterando seu apoio ao governo Trump após o assassinato de Soleimani.

“Quem tentar nos atacar sofrerá o golpe mais forte”, disse Netanyahu em Jerusalém.

Ele disse que Israel “fica completamente” ao lado da decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, dizendo que Trump deveria ser parabenizado por agir “com rapidez, ousadia e resolução”.

Espanha

A vice-primeira-ministra da Espanha, Carmen Calvo, disse que o governo retirou algumas de suas tropas do Iraque por questões de segurança.

“Aqueles que estavam em posições mais arriscadas partiram para o Kuwait”, disse Calvo à emissora estatal RTVE. “Só resta um número reduzido lá.”

A decisão foi tomada quando a Otan anunciou que retiraria parte do seu pessoal de treinamento militar do Iraque em meio a temores de uma conflagração regional.

União Europeia

A Comissão Europeia pediu o fim imediato do uso de armas no conflito no Oriente Médio, em meio às crescentes tensões entre Washington e Teerã, instando os esforços para reiniciar o diálogo.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse em uma entrevista coletiva antes de partir para Londres que discutia a situação com o primeiro-ministro britânico Boris Johnson.

Leia também:  Coronavírus: EUA ultrapassa 13 milhões de casos e tem 264.624 mortes

“O uso de armas deve parar agora para dar espaço ao diálogo”, disse ela a repórteres após uma reunião de seus comissários.

“Somos convocados a fazer todo o possível para reavivar as conversas. Não há o suficiente. Estabelecemos e testamos relações com muitos atores da região e de outros países para diminuir a situação”, afirmou.

Alemanha

A ministra da Defesa alemã, Annegret Kramp-Karrenbauer, disse que seu país “rejeita essa agressão da maneira mais precisa possível”.

Ela disse à emissora pública alemã ARD que “agora cabe particularmente aos iranianos não se envolver em mais escaladas”.

Nenhuma das tropas alemãs estacionadas no Iraque ficou ferida.

Emirados Árabes

O ministro de Estado dos Negócios Estrangeiros dos Emirados Árabes Unidos, Anwar Gargash, disse que é essencial que a região se afaste das atuais tensões “preocupantes”.

“A redução é tanto sábia quanto necessária. Um caminho político para a estabilidade deve seguir”, disse Gargash no Twitter.

Polônia

O ministro da Defesa da Polônia disse que as tropas polonesas estacionadas no Iraque não foram feridas durante os ataques com mísseis de quarta-feira.

“Nenhum soldado polonês no Iraque foi ferido em ataques com foguetes às bases de Al-Asad e Erbil. Estamos em contato constante com o comandante do contingente militar polonês no Iraque”, escreveu Mariusz Blaszczak no Twitter.

Reino Unido

A Grã-Bretanha condenou ataques de mísseis iranianos a bases militares no Iraque, que receberam forças da coalizão liderada pelos EUA, incluindo pessoal britânico.

“Condenamos esse ataque às bases militares iraquianas que hospedam as forças da Coalizão – incluindo as britânicas”, disse o secretário de Relações Exteriores da Inglaterra, Dominic Raab.

“Pedimos ao Irã que não repita esses ataques imprudentes e perigosos e, em vez disso, busque uma remoção urgente”.

Iraque

Os militares iraquianos disseram que não houve baixas iraquianas entre suas forças no ataque de 22 mísseis de quarta-feira às duas instalações militares.

“O Iraque foi submetido entre 1:45 e 2:45 desta manhã de 8 de janeiro de 2020 a bombardeio de 22 mísseis; 17 mísseis caíram na base aérea de Ain al-Asad, incluindo dois que não explodiram … e cinco na cidade de Erbil, todos na sede da coalizão. Não foram registradas baixas entre as forças iraquianas “, afirmou o comunicado.

Japão

O Japão instou os governos a fazer o possível para ajudar a aliviar as tensões após os ataques com mísseis. O primeiro-ministro Shinzo Abe deve cancelar uma visita neste final de semana à Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Omã.

Leia também:  Veja o fechamento dos mercados internacionais no Giro Econômico GGN

O porta-voz do gabinete japonês, Yoshihide Suga, disse na quarta-feira que seu “governo se coordenará com os governos relacionados para coletar informações enquanto garantimos a segurança dos cidadãos japoneses na região.

“O Japão também instará todas as nações relacionadas a fazer o máximo esforço diplomático para melhorar as relações”, acrescentou.

O Japão está enviando um navio de guerra ao Golfo para ajudar a proteger navios e petroleiros japoneses que viajam pela área.

Canadá

Alguns dos 500 militares do Canadá sediados no Iraque serão transferidos temporariamente para o Kuwait por razões de segurança, afirmou na terça-feira a principal autoridade militar do país.

“Nos próximos dias, e como resultado do planejamento da Coalizão e da OTAN, algumas pessoas serão transferidas temporariamente do Iraque para o Kuwait”, disse o chefe do Estado-Maior da Defesa, Jonathan Vance, em uma carta às famílias militares postada no Twitter.

“Simplificando, estamos fazendo isso para garantir a segurança deles”, escreveu ele.

OTAN

A OTAN está retirando alguns de seus treinadores do Iraque, disse uma autoridade da Otan na terça-feira, após temores de uma conflagração regional.

“Estamos tomando todas as precauções necessárias para proteger nosso povo. Isso inclui o reposicionamento temporário de algumas pessoas em locais diferentes, dentro e fora do Iraque”, disse uma autoridade da Otan à agência de notícias Reuters.

A missão da OTAN no Iraque, composta por várias centenas de treinadores, conselheiros e pessoal de apoio dos países da aliança de 29 membros e países não-membros da OTAN, inclui militares e civis.

Austrália

Após os ataques, o primeiro-ministro australiano Scott Morrison disse que todas as tropas e funcionários diplomáticos de seu país estavam seguros.

Aproximadamente 300 agentes de defesa australianos estão estacionados no Iraque.

Morrison disse que discutiu a situação entre os EUA e o Irã com Trump na terça-feira, durante uma ligação sobre os incêndios na Austrália.

Falando aos repórteres na quarta-feira, Morrison disse em referência ao assassinato de Soleimani: “Os Estados Unidos tomaram as medidas necessárias para resolver o que tem sido a inteligência que eles dizem ter recebido, o que coloca seus interesses em risco e sob ameaça”.

Filipinas

As Filipinas ordenaram que seus cidadãos deixassem o Iraque após os ataques do Irã, disse o Ministério das Relações Exteriores das Filipinas na quarta-feira.

“O nível de alerta em todo o Iraque foi elevado para o nível 4, exigindo evacuação obrigatória”, disse Eduardo Mendez, porta-voz do Departamento de Relações Exteriores.

O departamento disse que existem 1.600 cidadãos filipinos trabalhando no Iraque, mais da metade na região curda do norte do Iraque e o restante em instalações nos EUA e em outras instalações estrangeiras em Bagdá.

Uma embarcação de patrulha da guarda costeira filipina, recém-adquirida da França e a caminho das Filipinas, foi ordenada a navegar para Omã e Dubai para ajudar os cidadãos que precisassem sair.

Leia também:  Eleição presidencial dos EUA 2020: conspirações e conspiradores, por Ruben Rosenthal

“Trabalhadores filipinos no exterior serão levados para portos mais seguros, onde houver transporte aéreo, conforme a necessidade”, afirmou a guarda costeira em comunicado.

A secretária de Defesa Delfin Lorenzana, que chefia um comitê recém-criado para preparar as evacuações, disse na terça-feira que o governo está preparando aviões para filipinos no Iraque e no Irã que desejam voltar para casa ou se mudar para áreas mais seguras.

Cerca de 2,3 milhões de pessoas das Filipinas estão trabalhando no Oriente Médio como ajudantes domésticas, trabalhadores da construção civil, engenheiros e enfermeiras.

Paquistão

O Paquistão emitiu uma declaração aconselhando os cidadãos que planejam visitar o Iraque para ter “máxima cautela”.

“Em vista dos desenvolvimentos recentes e da situação de segurança prevalecente na região, os cidadãos paquistaneses são aconselhados a ter o máximo de cautela ao planejar a visita ao Iraque neste momento”, dizia o comunicado.

“Aqueles que já estão no Iraque são aconselhados a permanecer em contato próximo com a Embaixada do Paquistão em Bagdá”.

Dinamarca

As forças armadas dinamarquesas disseram em um post no Twitter que nenhum soldado dinamarquês foi ferido ou morto no ataque com mísseis de quarta-feira à base aérea de Al-Asad, no Iraque.

A Dinamarca tem cerca de 130 soldados na base, como parte da coalizão internacional que luta contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria.

Índia

A Índia aconselhou seus nacionais a evitar todas as viagens não essenciais ao Iraque até novo aviso.

Os que já estão no país foram instruídos a ficarem alertas e evitarem viajar pelo país.

Nova Zelândia

O primeiro-ministro interino da Nova Zelândia, Winston Peters, expressou preocupação com a escalada das hostilidades entre o Irã e os EUA.

“Agora é a hora de restringir e diminuir a escalada e de a diplomacia assumir o controle … o governo foi informado de que todo o pessoal da Nova Zelândia está tão seguro quanto possível nessas circunstâncias em desenvolvimento”, disse Peters.

A Nova Zelândia tem 50 militares no Iraque, onde o Irã atacou duas bases na quarta-feira. O acampamento Taji, onde a maioria do pessoal está estacionado, não foi atacado, disse Peters

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. O cálculo é simples: se houver guerra o preço do barril de petróleo dispara. Se isso acontecer o preço da gasolina dispara. Em disparando o preço da gasolina o brasileiro não vai mais poder ir pra praia e o país vai explodir.
    Já pensou: o brasileiro ficar sem praia? É mais do que motivo para uma revolução…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome