Advogado de Temer é convidado a elaborar lei que regulamentará delação premiada

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – O advogado Antônio Cláudio Mariz, que faz a defesa de Temer no caso JBS, foi convidado pelo presidente da Comissão do Código de Processo Penal da Câmara, o deputado Danilo Forte (PSB-CE), para elaborar uma “proposta de regulamentação das delações premiadas e das conduções coercitivas”. É o que informa o Painel da Folha desta quarta (12).

Segundo a coluna, o parlamentar quer “incorporar a tese de Mariz ao relatório final sobre o novo código. O deputado falou com o criminalista na segunda (10), quando ele foi à CCJ apresentar a defesa de Temer na denúncia que nasceu da delação de Joesley Batista.”

Ao fazer a defesa de Temer e se posicionar contra o relatório de Sergio Zveiter, que apoia a investigação contra o presidente, Mariz criticou a Lava Jato e se colocou à disposição de elaborar um projeto de lei que regulamente a delação premiada.

O advogado expôs o que chamou de atuação “horrorosa e seletiva” do Ministério Público Federal, que é, além de aceitar delações sem provas, só inserir nos autos aquelas que atacam os denunciados. Isso porque, segundo Mariz, a Procuradoria Geral da República excluiu da denúncia depoimentos colhidos pela Polícia Federal que desmontam a denúncia contra Temer.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Regina Duarte diz que fake news sobre Marisa Letícia foi “crítica”

1 comentário

  1. Suspeita para queimar o criminalista

    Como sàbiamente tem dito e escrito Lênio Streck “…sim, porque, como venho dizendo, defender a legalidade, hoje, é um gesto revolucionário ” em tempos de Fraude a Jato e tribunal midiático – que acusa, julga e condena – as primeiras vítimas desse ativismo midiático-judicial são a justiça, a verdade e – claro – as pessoas acusadas, os que defendem essas pessoas, tenham elas cometido, ou não, as ilicitudes e crimes a elas imputados.

    Nesta curta nota vemos dois graves erros e uma edição maldosa do fato noticiado.Os erros são do deputado Danilo Forte, ao convidar o renomado e repeitado advogado criminalista, Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, para propor regulamentação de delações premiadas e conduções coercitivas no momento em que esse profissional se dedica à defesa de Michel Temer – atual ocupante da presidência da república e acusado de cometer crimes de corrupção passiva, obstrução de justiça e organização criminosa – de denúncia originada em gravações clandestinas e que pode ser reforçada por delações premiadas de assessores e pessoas próximas ao atual ocupante do Palácio do Planalto, assim como do criminalista, ao declarar que dispõe a elaborar um projeto de lei que regulamente a delação premiada.

    No mérito faz sentido o convite feito pelo deputado, assim como a colaboração do advogado em elaborar tal regulamentação. Mas o momento e circunstâncias atuais, o convite do deputado revela um primarismo e analfabetismo parlamentar inomináveis. Já o advogado poderia, de forma discreta e elegante, declinar do convite ou não opinar neste momento, declarando-se impedido, já que está imbuído de defender Michel Tmer das acusações feitas contra ele pela PGR.

    A edição maldosa da nota temo claro propósito de queimar a reputação do advogado, já que o deputado que o procurou é um insignificante do baixo clero, que apoiava Eduardo Cunha e Michel Temer.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome