Advogados de Cunha são hostilizados por manifestantes em Curitiba

 
Jornal GGN – Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso, advogados do ex-deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, foram hostilizados por manifestantes ontem, em Curitiba (PR), depois de saírem da sede da Polícia Federal na capital paranaense.
 
Eles acompanharam Cunha no voo entre Brasília  e Curitiba depois da determinação de prisão preventiva. Eles chegaram a ser acusados de receber “honorários de propina”.
 
Depois do ocorrido, advogados criminalistas saíram em defesa de seus colegas de profissão. Juliano Costa Couto, presidente da OAB do Distrito Federal, afirmou que o trabalho de um advogado não pode ser confundido com eventuais crimes de seus clientes. 
 
Leia mais e veja o vídeo abaixo:
 
Do Migalhas
 

Para o criminalista Kakay, agressões representam grave retrocesso ao Estado Democrático de Direito.

Os advogados do ex-deputado Eduardo Cunha foram hostilizados por manifestantes nesta quarta-feira, 19, após deixarem a sede da PF em Curitiba/PR, onde o parlamentar cassado permanece preso. 

Os alvos dos manifestantes foram os advogados Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso(Figueiredo & Velloso Advogados Associados), que acompanharam Cunha no voo de Brasília a Curitiba após o decreto de prisão preventiva pelo juiz Federal Sérgio Moro.

 

Ao sair da sede da PF na capital paranaense, eles foram perseguidos por repórteres e manifestantes. Entre gritos como “bandido”, foram acusados de receber “honorários de propina”.

Assista ao vídeo.

Retrocesso

Leia também:  Justiça rejeita denúncia do "quadrilhão do PT" contra Lula

Para o criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, as agressões direcionadas aos advogados representam um grave retrocesso do Estado Democrático de Direito brasileiro, que, em sua opinião, vive um momento extremamente delicado.

“O Estado democrático de Direito precisa ter parâmetros, precisa ter limites. E esse limite é o da Constituição, é o da lei. Se nós cairmos na barbárie a ponto de criminalizar a advocacia criminal, a ponto de entender que o fato de um advogado, no exercício legítimo de seu trabalho (…), isso significa uma ofensa a toda a classe dos advogados.”

O advogado ainda criticou a PF que, em sua opinião, tinha a obrigação de tomar providências em defesa dos advogados com o episódio de grave agressão. Para ele, o fato deveria atingir não só os advogados criminais, mas também a PF, o MP, e o juiz.

“O que nós vemos é uma omissão absoluta por parte das autoridades constituídas, que alimentam, de certa forma, esse ódio, esse maniqueísmo infantil que tem na sociedade brasileira hoje.”

Kakay afirma que há uma espetacularização do Direito Penal.

“As pessoas investigadas estão todas pré-condenadas. O pré-condenamento se dá através de uma espetacularização do Direito Penal; através de uma mídia opressiva; através da falta de espaço para a defesa, que chegou no limite máximo que é a agressão física de um advogado no exercício da profissão.”

Ouça o áudio aqui

 

Preocupação

Ao tomar conhecimento das agressões, o residente da OAB/DF, Juliano Costa Couto, disse que o trabalho do advogado não pode, em hipótese alguma, ser confundido com eventuais crimes cometidos por seu cliente.

“O que separa as sociedades civilizadas das bárbaras é justamente o devido processo legal, que garante um julgamento imparcial e justo. Isso só é possível quando se respeita o pleno direito de defesa, quando o advogado atua de forma desembaraçada, sem quaisquer entraves ao seu trabalho. É esse trabalho que, inclusive, dá legitimidade às decisões judiciais, sejam ela quais forem.”

Vice-presidente da seccional, a advogada Daniela Teixeiradestacou a importância da ação da PF na proteção de advogados e jornalistas nas imediações de seu prédio.

“É dever da PF resguardar a segurança dos advogados e jornalistas que estão trabalhando nas imediações do seu prédio. Não queremos que o triste caso do cinegrafista Santiago Andrade se repita. As pessoas podem e devem se manifestar contra atos de corrupção, mas não podem confundir o cliente com o advogado, nem podem cometer atos ilegais e violentos. Estaremos vigilantes para que essas cenas de desrespeito não se repitam.”

Cleber Lopes de Oliveira, advogado criminalista e secretário-geral da seccional, ao tomar conhecimento dos fatos, afirmou que “a sociedade brasileira está sendo conduzida ao abismo do justiciamento, onde não há garantias elementares, sem se dar conta de que isso é a relativização de tudo aquilo que conquistamos ao longo de séculos“. Segundo ele, a advocacia “não é e jamais foi privilégio dos réus culpados, sendo uma garantia de validade do próprio processo. O que houve hoje em Curitiba é motivo de preocupação e reclama uma retomada de consciência cívica para que não cheguemos ao fundamentalismo“.

21 comentários

  1. Impressionante o fardamento

    Impressionante o fardamento de guerrilha do Oriente Medio para execução de um mandato de prisão judiciaria em pessoa

    de vida burguesa que ao que se saiba não opera com violencia fisica e não tem o biotipo de reação armada à ordem de prisão, o FBI usa policiais à paisada sem arma à vista e nem porisso deixa de ser respeitado.

     

    • É parte importante da

      É parte importante da espetacularização…

      A Globo entende bem disso.

      E ainda lembra aquela foto da presidenta Dilma com os algozes escondendo o rosto. Pura covardia.

    • A cultura do espetáculo
      Essa é a cultura criada pela espetacularização midiática das ações da PF e da Lava a Jato. Uma cultura que vai deixar profundas e lamentáveis sequelas em nossa sociedade.

  2. O advogado não deve ser

    O advogado não deve ser confundido com seu cliente.

    Por mais repugnante e desprezível que seja, Cunha também tem direito de defesa.

    O mesmo direito de defesa que ele não deu a Dilma Rousseff ao conduzir o Impedimento mediante fraude.

    A porca deu sua última volta completa, mas ainda não espanou.

    Aquele que rasgou a CF/88 vai agora exigir em Juízo as garantias constitucionais que ele desprezou e ajudou a destruir.

    Francamente… mesmo sendo advogado e, portanto, um defensor do Estado de Direito, confesso que não ficaria surpreso ou triste ao ver Cunha ser linchado. Cada qual colhe o que planta. 

    Eduardo Cunha plantou uma teocracia intolerante. É justo que ele colha apedrejamento na forma da Béééééblia que ele usou para chegar ao poder e tentou colocar num pedestal enquanto desmantelava nosso regime constitucional laico e civilizado. 

    Tenho pena, contudo, dos advogados dele. Eles ficarão para sempre associados ao cliente infame que escolheram defender. 

  3. “O que separa as sociedades

    “O que separa as sociedades civilizadas das bárbaras é justamente o devido processo legal, que garante um julgamento imparcial e justo.” 

     

    E não é justamente isso que estamos denunciando desde o golpe (apoiado inclusive pela OAB-DF) e que toma corpo principalmente nesse estado de exceção que é a Lava Jato?

    Qual lei prevê coletiva de imprensa em hotel, com power point tosco, gerando manchetes sensacionalistas condenatórias? Isso faz parte do devido processo legal? Isso é um julgamento imparcial e justo? Ou só vale quando se trata de um advogado?

  4. Coxinhas idiotas!
    Ignoram que

    Coxinhas idiotas!

    Ignoram que o ex-advogado de Cunha é o atual sinistro da justiça (sic) do governo usurpador que ajudaram a entronizar.

    Só transformando em adubo…

  5. Advogado, Magistratura, Justiça
    As hostilidades recebidas pelos advogados de Eduardo Cunha são mais um dos inúmeros exemplos para onde a mídia parcial e desinformadora, as ações de juízes e de promotores e a impunidade dos atos policiais conduzem a sociedade, para barbárie. Estas pessoas apenas reagiram a desconstrução da democracia, do estado de direito, do respeito ao ser humano que, no Brasil, todos os poderes e em especial a imprensa oligopolista e familiar, diuturnamente, impõe aos brasileiros. O arbítrio dos juízes e tribunais, as acusações por convicções ideológicas e sem provas, as prisões violentas e a violação do próprio corpo das pessoas, o que não dizer da honra e do respeito devido ao ser humano, tudo conduz a esta manifestação recebida por profissionais no exercício de suas prerrogativas. É o Brasil dos Mensalões, dos Lava Jato, dos golpes do judiciário-legislativo-imprensa que, mais dia menos dias atingirá os algozes de hoje.

  6. Curitiba, capital brasileira

    Curitiba, capital brasileira da barbárie.

    E pensar que esta cidade já foi considerada a melhore do país.

    É certo que nessas considerações não entravam – uma pena – o caráter de seu povo.

    Hoje um juiz, alguns procuradores e agentes da PF fazem com que a mesma se torne objeto de vergonha mundial. 

  7. A natureza do “natural”

    Vamos combinar não é pessoal.

    Nossas “instituições sólidas em estado de sublimação rumo ao estado de sublevação” em conluio com a “imprensa livre”, os movimentos sociais privados individuais travestidos de “coletivos”  do “povo” e para o “povo, o qual, diga-se de passagem, é  bobo avante a r…, deram o pontapé inicial nesse estado da “natureza” à brasileira  do século XXI.

    Agora segura a onda! 

    Falar em maniqueísmo agora? Ah …convenhamos! Haja paciência!

    O  que se viu , sobretudo, desde as eleições presidenciais de 2014 pra cá,  foi exatamente   o colocar de lenha na fogueira para se alcançar essa meta! E auge, pelo menos até agora,  dessa colocação de lenha na fogueira foi o TEATRO do processo de afastamento da presidente eleita que não cometeu crime de responsabilidade!

    Viver em sociedade requer a alimentação de certos valores, certos exemplos de  condutas humanas  urbanas, rurais, históricas, evolutivas, razoáveis, proporcionais.

    Não se trata, portanto, de uma “novela” em “horário nobre” para mentecaptos!

    Chutar nosso passado, nossa história,  os valores éticos de uma disputa qualquer, mas sobretudo, de uma disputa eleitoral,  não me parece o caminho para a paz social. 

    E o “poder de polícia” de um  órgão do poder executivo qualquer, certamente, não vai aguentar repressar a  tsunami que perigosamente se aproxima.

    Mesmo porque uma sociedade para ser  livre, justa e solidária precisa realmente ser  livre, justa e solidária!  E no Brasil, como sabemos, não há uma sociedade livre, justa e solidária!

    Ademais,  a “sociedade” contemporânea, pilar para a estrutura de MASSA  é “CRIA” do ser humano( saint simon, comte, durkheim, Marx,Condorcet, Weber, etc) e sua qualificação em “livre, justa e solidária, mais ainda!

    Hoje, creio que o “justo” tornou-se “justiceiro”, o “livre” é diretamente proporcional ao quantum que se carrega no bolso da calça, ou  fora dela( no swiss bank, por exemplo) e o solidário… o quê? solidário? O que é isso?  heureca! Trata-se de caridade filantrópica e meritocrática de um  ser humano superior -sobretudo, do sexo masculino –   para com um ser humano inferior – demais gêneros – essencialmente  não meritocráticos e que, portanto, “não são capazes”  de fazerem   por merecer a riqueza no planeta terra. Mas, a riqueza no “reino dos céus, essa sim, está garantida para estes.

     Haja paciência!

    A propósito pergunto: Delfin e cia , cadê o  bolo?…

    Prosseguindo.

    Sociedade, ao contrário do que pensam os economistas de escol e de MEIA TIGELA ! ( com ênfase!) não é “natural”, atemporal, e demais adjetivações baboséricas que esses “homens” racionais  propagam baseando-se  em sistema de preços nada “naturais”.

    A lei de oferta e demanda é uma “criação” nada natural  para enganar otários, esses sim, naturais!

    O direito penal  é outra “criação” para prender os otários naturais  que, eventualmente, deixam de ser otários naturais!

    Mas, pensando bem. Eu acho que os advogados estão corretos. Afinal, eles foram contratados para, naturalmente,  defenderem os interesses de seu cliente, oras bolas.

     

    Brasil, ame-o ou deixe-o!

     

     

  8. É lamentável
    É profundamente lamentável esse ataque boçal ao direito de defesa.
    O pior é que a maioria dos agressores dos advogados de defesa do CUnha certamente estavam entre aqueles que vestiram a camiseta da CBF e foram mostrar cartazes com “Somos milhões de Cunhas” no início do ano.
    Impedir o direito de defesa com difamação e agressões é uma prática fascista. Depois de mais de uma década envenenando a sociedade, a mídia conseguiu minar as bases da democracia e criar um exército de odiadores em busca do próximo judas para malhar, sem se importar com o motivo ou a coerência.
    Essa barbárie é um profundo retrocesso que vai prejudicar imensamente a próxima geração. O dia em que esse ódio cego e irracional se dirigir contra a própria mídia eles vão se arrepender amargamente de criar esse monstro.

  9. De grão em grão….

    Atiçaram a besta contra o PT, contra Lula, Dilma, Dirceu, Genoino, todo o partido foi e é atacado, injuriado e qualquer indicio ja é tratado convictamente como prova e condenado. O problema da malta fascista é que ela pode se virar também contra os que a alimentaram. Eh o que mais provavelmente acontecera no Brasil.

  10. Esse Juliano Costa Couto
    Esse sujeito foi apoiador público e vigoroso do impeachment. Agora que viu o tamanho da besta-fera que alimentou com tanto carinho?

  11. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome