Aliados de Lula acham que condenação pode ser revertida com declaração de Moro

Jornal GGN – Em resposta aos embargos de declaração de Lula, Sergio Moro admitiu que “jamais afirmou” que “valores obtidos pela OAS nos contratos com a Petrobras foram utilizados para pagamento da vantagem indevida para o ex-presidente”, revelando a falta de conexão entre o caso triplex e a denúncia da Lava Jato. É com essa fala que aliados de Lula acreditam que a sentença de 9 anos e meio de prisão poderá ser revertida em segunda instância.

Segundo o Painel da Folha desta segunda (24), “aliados de Lula aconselham a defesa do petista a explorar [esse] trecho” da decisão de Moro. “Conselheiros de Lula lembram que o processo só foi distribuído para o juiz de Curitiba porque, na ocasião, prevaleceu a tese de que havia vínculo entre o caso e os desvios na Petrobras.”

A coluna ainda lembrou que o assunto foi alvo de polêmica no passado. “Promotores que iniciaram a investigação em São Paulo travaram uma luta para que as investigações sobre o tríplex ficassem sob sua jurisdição.”

A Justiça de São Paulo acabou extraindo de um processo todas as informações do caso triplex e enviando o caso para a jurisdição de Moro.

A defesa de Lula já sinalizou que deve usar as palavras do juiz, reconhecendo que não há laços entre o triplex e os contratos da Petrobras, em recurso no Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Em nota à imprensa, os advogados chegaram a falar na nulidade do caso.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Haddad: Se STF chancelar abusos de Moro, golpe de Bolsonaro "já terá sido em parte consumado"

14 comentários

  1. Comentário.

    Não gosto de jeito como as coisas estão, sempre jogando – ou buscando, não sei – a esperança pra lá.

    Se for assim, significa que esse movimento não é seu, é algo de outrem.

  2. De acordo com o juizo o

    De acordo com o juizo o pagamento se deu (ou se daria sem usufruto) na forma de apartamento e reformas. Acontece que Lula nem era mais presidente (entao cade o crime?), e tudo indica que nem aceitou (que agora tambem e crime, de enganar a astucia do moreno). De acordo com o juiz quando presidente Lula era responsavel por todos os contratos da petrobras? Como dizer que Lula beneficiou essa empresa quando a propria Lava-jato mostra que esse era o modus operandi de todas as empreiteiras?

    Se o corrupto roubou e pagou algo para fulano, que crime fulano cometeu? Tem que mostrar que fulano sabia da corrupcao, e dai fazia parte. Se Aecio pagasse um jantar de moro, esse estaria cometendo o crime de corrupcao passiva, porque aecio iria ganhar ou estava ganhando ou seria pago com vantagens nas investigacoes? Toda figura publica estaria cometendo crime da corrupcao se se relacionou com alguem com um processo para ser condenado.

  3. Condenação de Lula

    Moro não está nem aí com o povo nas ruas, ele é comandado, tem que fazer o que o comandante quer!

    O comandante quer Lula, Dilma e o PT fora!

    Dane-se o povo!

  4. Condenação de Lula

    Moro não está nem aí com o povo nas ruas, ele é comandado, tem que fazer o que o comandante quer!

    O comandante quer Lula, Dilma e o PT fora!

    Dane-se o povo!

  5. O problema é que os

    O problema é que os desembargas-quartanistas deram ao desM “poderes de exceção”, ou seja, deram ao desM o que a Constituição Federal não permite e, nem assim, houve qualquer corregedoria que os trouxessem de volta ao legalmente estatuído. Haja país de merrecas.

  6. A reversão da condenação de

    A reversão da condenação de Lula no TRF-4 só acontecerá mediante mobilização em massa, com ares de revolução.

    Só a reação dura do povo reverte este estado de coisas.

    Infelizmente não é mais possível acreditar nas instituições. O ponto de não retorno já pssou há tempos.

  7. Falta um Carlos Alberto na esquerda

    Copa do Mundo de 1970. Brasil versus Inglaterra. O atacante inglês Francis Lee dava entradas violentas nos brasileiros. Num lance na área, chutou o rosto do goleiro Felix. Então,  Pelé e o capitão Carlos Alberto concluíram que seria preciso revidar a violência do atacante inglês, pois o árbitro nem falta marcava.

    Quando o Lee recebeu uma bola pelo meio, Carlos Alberto saiu da direita decidido como um touro e deu uma entrada escandalosamente violenta no inglês.

    “A partir dali eles sossegaram”, diria depois o capitão da seleção. E tivemos um dos mais emocionantes jogos de futebol.

  8. Péssima estratégia, essa!
    A

    Péssima estratégia, essa!

    A melhor estratégia é apontar os erros grosseiros de Moro:

    1) Atribuir a um compromisso informal de compra-e-venda o status de compra-e-venda efetivamente concluida.

    2) Tomar o bombástico depoimento do Leo Pinheiro e não contrapor os depoimentos dos supostos envolvidos no tal “encontro de contas”: Vaccari, Okamoto e o próprio Lula.

    3) Contentar-se com um suposto “encontro de contas” caido do céu, como um deus ex-machina. Mas ainda havia, em maio-junho de 2014, saldos pró-PT nessa conta da OAS? Isto vários anos após o término da operação Costa-Duque-Barusco?

    4) Não se interessar em desvendar a vestimenta contábil desses repasses ao PT. Sim, porque devia haver uma contrapartida contábil (notas frias, etc.) para explicar a saída desse numerário, que evidentemente não era lançado como “propina ao PT”…

    5) Ignorar que uma compra-e-venda só se conclui quando ocorre, simultaneamente ou em sequência, o pagamento por parte do comprador, e a outorga da posse definitiva (seja ela por escriturúa pública ou acordo de gaveta) por parte do vendedor.

    Quanto à caracterização de “compromisso de compra-e-venda”:

    Tá na cara que a coisa foi assim interpretada pela OAS desde 2009, e a sua longa extensão não lhe tira a característica. Lula não queria o triplex, mas dona Mariaí Letícia (e talvez o resto da família) queria, e muito! Porisso, Lula nunca pode afirmar categoricamente a Leo Pinheiro que o triplex estava liberado para venda normal a quem o quisesse. Afinal, uma sociedade conjugal bem constituida não admite imposições de uma parte, mas sim, exige consenso.

    É claro que não ocorreu de fato a transferência, formal ou informal, da propriedade. Mesmo se, como assevera Leo Pinheiro, foi feito em maio ou junho de 2014 um “acerto de contas” fora da Lei, a entrega do imóvel não se efetivou. Talvez tivesse se efetivado se Moro não fosse tão apressadinho. E as tais mensagens escritas trocadas pelo celular entre membros do staff da OAS está me cheirando plantio proposital de pistas para “pegar” o Lula. E um interesse tão inarredável do Leo Pinheiro pela efetivação da venda a esse cliente em especial, pode muito bem ser parte de uma armadilha bolada pelas forças políticas que implantaram a lavajato.

    Mas, a bem da honestidade, eu, Lulista convicto (validade para os 8 anos do governo Lula), não gostei da malandragem do casal, ao enrolar a OAS durante tanto tempo e ao utilizar os serviços da OAS no tal sítio (que não era seu). Quanto aos serviços no sítio, alguém teria que pagar à OAS, mas não os beneficiários, o que caracteriza injustiça e corrupção lato senso.

    Vamos aposentar Lula, com glória (e sem prisão), e vamos partir para outra, com novas lideranças. Quem sabe Haddad?

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome