Ao suspender investigação a Richa, Gilmar desagrada Lava Jato

Reprodução

do Congresso em Foco

Gilmar Mendes garante o privilégio de não ser investigado a tucano, diz procurador da Lava Jato

A decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), de suspender inquérito contra o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), foi bombardeada por procuradores da Operação Lava Jato em Curitiba. “É absurda a suspensão da investigação do governador Beto Richa pelo ministro Gilmar Mendes. É o velho sistema de justiça criminal disfuncional mostrando as garras da impunidade”, criticou o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa no estado. “Agora temos mais que o foro privilegiado, Gilmar reconheceu o privilégio de não ser sequer investigado”, resumiu o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima.

Em sua decisão, Gilmar alegou que a delação foi homologada por um juiz de primeira instância, o que contraria o foro privilegiado do governador, que é o STJ. O ministro argumentou também que o acordo concedeu benefícios ilegais ao delator, livrando-o de condenação por crimes não ligados ao caso.

“O Ministério Público local não apenas invadiu, por duas vezes, a competência da Procuradoria-Geral da República e do Superior Tribunal de Justiça, mas também o fez oferecendo ao acusado benefícios sem embasamento legal, gerando uma delação pouco confiável e não corroborada por outros elementos, a qual foi reputada suficiente para a abertura das investigações contra o governador do Estado”, sustentou o ministro.

“A manutenção do trâmite de investigação sem um mínimo de justa causa contra o governador do estado compromete não apenas a honra do agente público, mas também coloca em risco o sistema político”, justificou o ministro em seu despacho.

 

Procurador da Lava Jato reagiu a decisão de Gilmar Mendes

Em seu perfil no Facebook, Carlos Fernando contestou os argumentos de Gilmar Mendes:

“O simples fato de um colaborador dizer que o dinheiro da corrupção era destinado para a campanha do governador Beto Richa não implica que o acordo devesse ser feito no STJ. Esse fato por si não implica pessoalmente o governador, mas justifica claramente que se deve proceder uma investigação a respeito. Infelizmente Gilmar Mendes impediu a continuidade da investigação – ao que parece em contrário ao próprio STJ, o que significa que o conhecimento ou não dessa corrupção pelo governador não pode ser investigada. Não investigar uma autoridade com base em uma corrupção admitida por um colaborador é absurdo. Não se trata apenas de foro privilegiado, mas de estabelecer um privilégio de não ser sequer investigado”.

Esse não foi a única decisão polêmica tomada por Gilmar nessa segunda-feira (18). Ele também determinou a volta da advogada Adriana Ancelmo, ex-primeira-dama do Rio de Janeiro, para a prisão domiciliar e rejeitou a denúncia da Procuradoria Geral da República contra o senador Benedito de Lira (PP-AL) e os deputados Arthur Lira (PP-AL), Eduardo da Fonte (PP-PE) e José Guimarães (PT-CE).

 

 

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Dorival

- 2017-12-22 18:20:17

PRA MIM O GILMAR É MERDA MAS...

Para mim o Gilmar é merda da qual teriam nos livrado desde algum tempo atrás se o Renan Calheiros, na presidência do Senado, houvesse aceito o pedido de impeachement contra o boca mole.  Mas, nesse caso, merdas são o Deltan Dalagnol e o Santos Lima, que mais uma vez querem fazer valer a vontade da quadrilha da VAZAJATO ao arrepio de normas legais. Uma delas, um juiz de primeira instância (seria o Verme Moro?) querer validar uma delação contra um outro verme que tem Foro Privilegiado ( governador do Paraná), cuja competência legal é de segunda instância.   E outra ilegalidade é livrar a cara de um delator dedo duro de ser punido só porque ele delatou outro (como aliás o verme Moro fez em relação ao Alberto Youssef que, punido no caso Banestado, pelo próprio Moro, acabou delinquindo de novo e dedurou agora na lava jato e então fica livre de ser punido.   Ou seja, os vermes da lava jato seguem a lei que lhes interessa, são seletivos, ao que parece, segundo Tacla Duran, falsificaram situações para sair uma propinazinha, Zucoloto amigo do Moro que o diga, e se acham no direito de quererem criticar o ministro boca torta.   Ou seja, a descarga precisa ser bem caprichada pra ver se leva todas elas merdas (críticos e criticado) de uma vez por todas..........

Marcos Antônio

- 2017-12-22 00:49:16

O sujo falando do mal

O sujo falando do mal lavado...

A justiça tipo exportação brigando com justiça tupiniquim!

Só precisavam ser justiça...

Schell

- 2017-12-21 20:59:18

Invadiram a seara comercial

Invadiram a seara comercial do gilmau, deu nisso: retaliação total e irrestrita. Agora, de graça e favor. Nem precisa pedir. Houvesse senado nesta república de bananas e o gilmau estaria preso. Houvesse presidência no stfezinho da dona carmencita e o gilmau estaria preso. Como nium e nioutro acontecem, o gilmau faz e acontece. Os rabos que abanem o cachorro já provocou ele. Agora, nosotros, ó, fedidos e mal pagos, como sempre.

André Oliveira

- 2017-12-21 19:34:36

São todos canalhas nessa
São todos canalhas nessa história mas o que mais salta aos olhos é a arrogância a que chegaram os dois caipiras de curitiba ao atacar abertamente uma decisão do STF na figura do Gilmar. Se acham acima da leis e do judiciário.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador