Após ação do Facebook, advogado aciona Justiça alegando não ter elo com MBL

 
Jornal GGN – Um advogado já acionou a Justiça de São Paulo alegando que foi atingido pessoalmente pela ação do Facebook contra uma rede de perfis e páginas falsos do MBL. Segundo o Conjur desta quinta, o advogado afirmou que não faz parte do MBL e tampouco usava seu perfil para divulgar fake news.
 
Na quarta (25), o Facebook informou ao mundo que removeu 196 páginas e 87 perfis que violaram a política de uso do site de relacionamento, que proíbe o uso de contas falsas e coordenadas com o propósito de dificultar a origem das notícias compartilhadas.
 
O MBL, por sua vez, vem alegando nas redes sociais que tem sofrido censura e vem sendo acusado injustamente de usar essa rede para propagar fake news.
 
De acordo com o Conjur, o advogado, não identificado na matéria, pediu uma limintar à Justiça paulista para suspender o bloqueio do Facebook, mas o juiz Renato Borsanelli entendeu que não há urgência que justifique a medida. Ele ainda precisa ouvir o Facebook antes de deliberar. A plataforma já foi intimada.
 
Na mesma noite, a imprensa divulgou que um procurador da República em Goiás saiu em defesa do MBL e intimou o Facebook a esclarecer as circunstâncias da ação contra o movimento. Ailton Benedito teria sinalizado que se o Facebook não prestar informações, poderá ser processado.
 
Desde a semana passada, o MBL vinha fazendo uma campanha nas redes contra o Facebook, por causa da parceria que a plataforma firmou com agência de checagem que se dizem independentes. Essas agências analisam conteúdo que viralizam nas redes sociais e classificam o material de acordo com a veracidade dos fatos narrados. Os sites que eventualmente tenham sido considerados como propagador de fake news são denunciados por essas agências ao Facebook, que trata de puni-los reduzindo o alcance de suas postagens.
 
Nessa toada, o MBL vinha divulgando até os dados pessoais dos jornalistas que atuam nas agência de checagem.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Além de R$ 72 mil, Michelle recebeu mais R$ 17 mil da esposa de Queiroz

4 comentários

  1. MBL, são tudo, menos liberais.

    Dentro da ideologia liberal a propriedade deve ser respeitada, ou seja, sendo o Facebook uma empresa privada quem define as regras é ela mesmo, logo liberais que fazem movimentos contra liberdade de expressão e contra a iniciativa privada são tudo menos liberais.

  2. Filho feio

    Não tem pai….

    Deveria alegar “Sindrome de abstinencia de Face”.

    Kronenberg estava certinho quando fez Videodrome.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome