Banqueiro do propinoduto paulista vendeu apartamento a FHC

Jornal GGN – O dono do banco onde estava a conta “Marilia” – que abastecia o propinoduto da Siemens, no cartel dos trens de São Paulo – é a mesma pessoa que vendeu o apartamento adquirido pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, logo que deixou a presidência. E é um veterano conselheiro de políticos. Trata-se do banqueiro Edmundo Safdié. Em 2006,  tornou-se réu, acusado de lavagem de dinheito do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta, incurso na Ação Pena Pública no. 2004.61.81.004588-1, que tramita em segredo de Justiça. http://www.jfsp.jus.br/20061031celsopitta/

A rigor,  a compra do apartamento pode ser apenas coincidência. O apartamento adquirido – 450 m2 do Edifício Chopin, rua Rio de Janeiro, Higienópolis – fica a poucos metros do antigo apartamento de FHC, na rua Maranhão. Na época, FHC anunciou que pagara R$ 1,1 milhão pelo apartamento – valor considerado muito baixo por moradores do edifício. Mas também podia ser um agrado de Safdié, para se vangloriar de vender um imóvel para um ex-presidente.

Em outras operações, Safdié foi  mais controvertido. E a reincidência na lavagem de dinheiro – após o caso Pitta – pode explicar as últimas movimentações de Edmundo Safdié, vendendo seus ativos para outro banco.

A conta “Marília” estava no Leumi Private Bank da Suiça, antigo Multi Commercial Bank. Entre 1998 e 2002 – segundo documentos em poder da Polícia Federal – a conta movimentou 20 milhões de euros. Aslton e Siemens – as principais financiadores do esquema – compartilhavam a conta. Segundo revelou ao Estadão o ex-presidente da Siemens Adilson Primo, a movimentação era feita pela própria matriz da empresa. Fontes do Ministério Público Estadual informaram a IstoÉ que dessa conta saiu o dinheiro para o conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado) Robson Marinho e para os lobistas Arthur Teixeira e José Geraldo Villas Boas (leia aqui).

Nesse período, a instituição era controlada por Safdié, da tradição dos banqueiros libaneses-judeus que aportaram no Brasil no pós-Guerra e especializaram-se em administrar fortunas nos grandes mercados internacionais.

A saga dos Safdié

Edmond Safdié foi um brilhante banqueiro que fundou o Banco Cidade em 1965 e, nos tempos do regime militar, mantinha estreitas relações com o general Golbery do Couto e Silva.

Em 1966 entrou no ramo de gestão de fortunas e administração de recursos no mercado internacional. Adquiriu em Genebra, Suiça o Multi Commercial Bank, mais tarde convertido em Banco Safdié. Em 1988 criou o Commercial Bank of New York. http://www.safdie.com.br/institucional/index.html

No final dos anos 90, a família decidiu concentrar-se em gestão de patrimônio, reorganizou as empresas e concentrou a gestão de patrimônio no banco suíço.

No final de 2012, Banco Safdié foi adquirido pelo Leumi, maior banco de Israel pelo critério de ativos. No Brasil, a família concentrou-se apenas na gestão de ativos depois que a crise de 2008 lançou desconfiança geral sobre gestores de ativos. Também podem ter contribuído para a reestruturação do grupo as ações internacionais contra lavagens de dinheiro, que expuseram Edmundo no caso Celso Pitta. http://www.leumiprivatebank.com/

 

O apartamento de FHC

Logo que saiu da presidência, Fernando Henrique Cardoso adquiriu de Edmundo Safdié o apartamento no 8o andar do edifícil Chopin, a poucos metros de seu apartamento anterior.

Na época, anunciou-se o preço de R$ 1,1 milhão. Embora anterior ao boom de imóveis em São Paulo, considerou-se que o preço estava subavaliado, para um imóvel de 450 metros quadrados.  http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDR48918-6009,00.html

 

 

8 comentários

  1. Amigos, quando o assunto

    Amigos, quando o assunto envolve irregularidades, para os petistas são indícios, os ticanos são coincidências. Engraçado!

  2. O Ap

    Ah! … se o Lula fosse o comprador. Quantas manchetes e reportagens daquela “imprensa” iriam abundar por

    este país…

  3. Forçar a barra

    Prezado Nassif

    Você podia dormir sem essa notícia pra lá de requentada.

    Você sabe fazer contas e cálculos finaceiros. A  compra foi  realizada em meados de 2002. O resto é forçar a barra.

    FHC merece muita crítica. Mas não por essa compra, pra lá de transparente.

    Dessa vez, você extrapolou. Pena!

    Abs

    Paulo de Tarso Venceslau

  4. os propinodutos dos TUCANOcrataS enDEMoniados
    …-não sou lá essas coca-colas em francês…daí a minha possível falha na interpretação….”o banco das safadezas” deve ser esta a interpretação….a meu ver, o ex-premier da itália …êle ,o Beliscone ou “beliscão” tambem não sou bom em italiano…o Al capone, etc, são aprendizes diante do nosso “capo maior”…ele nos enganou a todos(os que teem ou tiveram confiança na fera)…-o homem é perigoso…-se blindou a sombra dos “intocáveis” TUCANOCRATAS enDEMoniados e enquanto vendiam o Brasil, disfaçava a opinião pública para longe do mensalão TUCANOCRATA MINEIRO),a imprensa (a marron),atiçava o fumaceiro em torno do mensalão do PT…(café pequeno em comparação)…ao tempo em que tentava ofuscar a figura impoluta d’a maior expressão da verdadeira liderança popular deste país “-LULA !…-o pau de arara que deu certo”…para a grandeza desta grande nação…-Goethe-Br.
    obs: não sou petista nem peitista…mas um brasileiro
    de verdade com todas as letras…

  5. Pegou leve
    Rapaz, apartamento em Higienópolis a R$ 2.500,00 o m2, subavaliado?

    Pegou leve hem?!!!

    Ou foi ironia?

    Acho que pegou leve, e o momento é de pegar leve mesmo.

    Um abraço Nassif. Sou seu fã. O modo responsável como você apresenta e comenta as informações é um exemplo raro no jornalismo brasileiro de hoje em dia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome