Barroso diz que está mais preocupado com pandemia do que “risco democrático”

Ministro do STF e presidente do TSE chamou de "teorias conspiratórias" e "retóricas" as declarações do governo sobre atos autoritários e uso das Forças Armadas

Jornal GGN – O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, afirmou estar “mais preocupado” com os desdobramentos da pandemia do coronavírus, “do que com o risco democrático”, nas conotações levantadas pelo governo e aliados, nos últimos dias, sobre a interferência das Forças Armadas.

O ministro deu declarações, nesta sexta-feira (12), à imprensa, afirmando que não enxergava a possibilidade de risco à democracia, e que estava mais preocupado com a pandemia. “Eu hoje em dia estou mais preocupado com os desdobramentos da pandemia e o impacto social que vai produzir na vida das pessoas do que com o risco democrático, que acho que está mais associado à retórica”, disse.

Para Barroso, a suspeita de que policiais militares poderiam se envolver em alguma medida autoritária do presidente é “teoria conspiratória” e associar as Forças Armadas à quebra da institucionalidade “é ofensivo”.

Mesmo com as declarações, nos últimos dias, do próprio presidente e de integrantes do governo, incitando dispositivos da Constituição que supostamente sustentariam o uso das Forças Armadas para atos autoritários contra a queda do presidente, o ministro não viu riscos.

“Não houve nenhuma decisão judicial descumprida (pelo governo Bolsonaro), não houve nenhuma decisão do Congresso descumprida. Por isso que eu tenho separado retórica de fatos”, justificou.

Mas ao ser questionado sobre a declaração do ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, criticando como “casuístico” e “político” o processo que pode cassar a chapa de Bolsonaro com seu vice, Hamilton Mourão, no Tribunal Superior Eleitoral, ou afirmações do próprio presidente (leia aqui), Barroso disse “não há risco”.

“O TSE não é um ator político. O TSE é um ator institucional que se move pelas categorias do direito. E, portanto, o presidente não corre nenhum risco, nem de ser perseguido, nem de ser protegido no TSE”, disse.

Leia também:  Alckmin se torna réu na Justiça Eleitoral de SP por corrupção

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Caso os golpistas botem as garrinhas de fora, ele foge pra Miami. Por isso ele tem medo do corona mas não tem medo da barbárie que ele ajudou a estabelecer

  2. Este um álibi escancarado…
    Se a preocupação fosse realmente a covid-19 e seus efeitos no Brasil, ele teve a chance dezenas de vezes por dia para criar situação nas quais invocado poderia agir!
    E o que pode fazer hoje?
    Ele criou este álibi para que numa eventual anulação da chapa de bolsonaro, que não haja novas eleições e assim poderia ser invocado um parlamentarismo tupiniquim com maia assumindo este carga, pois ele vem agindo no muro, agradando a gregos e troianos…

    3
    1
  3. Será que o corona vírus pediu suspensão, ou, arquivamento do processo de cassação?

    Não há como aceitar volta atrás nesse momento. Não podemos suportar mais 2 anos e meio desse governo de monstros insensíveis, destruidores da economia e da soberania do Brasil, que foram trazidos pela infame Lava Jato.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome