Cunha deve depor à PF sobre inquérito contra Michel Temer

]

Jornal GGN – O deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB) foi convocado pela Polícia Federal para depor, na manhã desta quarta (15), no inquérito que investiga o presidente Michel Temer e o ex-assessor especial Rodrigo Rocha Loures no Supremo Tribunal Federal, a reboque das revelações da JBS. Temer foi gravado por Joesley Batista dando aval à suposta compra do silêncio de Cunha e Lúcio Funaro. Rocha Loures ainda foi indicado pelo presidente para ser o intermediário da JBS com o governo. Em troca, ele teria recebido pelo menos R$ 500 mil em propina, e os recursos foram rastreados pela PF.

Segundo informações do Poder 360, a defesa de Cunha ‘pediu cópia de todos os arquivos e gravações do inquérito e tenta adiar a audiência. Ele está preso em Curitiba desde outubro de 2016. De acordo com os advogados, há elementos na investigação que ainda não são conhecidos pelo ex-deputado. ‘Nomeadamente gravações de áudios ambientais e ligações telefônicas’. O relator do inquérito contra Temer, ministro Edson Fachin, não decidiu sobre os pedidos de Cunha.”

Temer é investigado por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução à Justiça. Há expectativa de que o procurador-geral da República Rodrigo Janot ofereça a denúncia ao Supremo até o fim de junho.

Apesar das gravações contra Temer e da prova de pagamento de propina a Rocha Loures, que também está preso, o vice-líder da bancada federal do PMDB, Carlos Marun, disse que não acredita que o depoimento de Cunha possa agravar a situação de Temer. “Tenho a convicção de que o presidente não tem responsabilidade em nenhuma das situações que lhe acusam. E tenho a convicção de que o depoimento de Eduardo Cunha vai simplesmente corroborar isso que estamos dizendo”, afirmou.

Para Marun, que se reuniu com Temer mais cedo, o plenário da Câmara deverá barrar a denúncia de Janot “por mais de 300 votos”. “A convicção é de de que essa denúncia não será considerada pelo Parlamento. As bases são frágeis, provas pífias e as circunstâncias de sua obtenção são controversas. É uma denúncia que não tem a mínima chance de prosperar”, disse à Folha de S. Paulo.
 
 Assine
 

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador