Delator da Odebrecht pede investigação sobre prova apresentada contra Lula

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Não é apenas a defesa de Lula que pediu uma perícia em documentos apresentados pela Odebrecht como provas em uma ação penal na qual o ex-presidente é acusado de receber vantagens indevidas da empreiteira. Um dos delatores da empresa, Paulo Melo, também pediu uma investigação sobre um documento que supostamente leva sua assinatura, mas ele nega a autoria.

“Designado em 2010 pela Odebrecht para avaliação de imóveis para uma nova sede do Instituto Lula, o engenheiro Paulo Ricardo Baqueiro de Melo solicitou à Justiça realização de exame grafotécnico para negar a paternidade de um documento fornecido pela empreiteira à Operação Lava Jato como sendo de sua autoria”, informou a Folha desta quinta (21).

“Com o requerimento apresentado nesta terça-feira (19), o ex-diretor superintendente da Odebrecht Realizações Imobiliárias (OR) pretende provar que não é o signatário de uma anotação indicando uma conta no exterior de onde teria saído o dinheiro para a compra de um terreno na Vila Clementina”, acrescentou.

Segundo a reportagem, em um banco de dados da Odebrecht obtido no exterior surgiu um arquivo denominado “Paulo Melo x MO (Marcelo Odebrecht)”, com a data de 21 de setembro de 2010. “No arquivo, escrito à mão, há um bilhete com dados de uma empresa offshore e de uma conta no exterior. Sob as informações, a assinatura P Melo.”

O delator nega que essa seja sua assinatura. Mas, de acordo com a reportagem, se ficar atestado que o vínculo do engenheiro com o bilhete, ele pode perder benefícios do acordo de delação.

Leia também:  As mãos de Lula, que seguram a mão do povo que segura as mãos de Lula, por Fernando Morais

Isso porque Melo afirmou às autoridades que teria acompanhado Lula na visitia de avaliação de um imóvel comprado pela Odebrecht para o Instituto, mas negou que tenha cometido crime de lavagem de dinheiro. Ele reconheceu apenas que o imóvel seria escriturado por um valor R$ 3 milhões abaixo do o que foi pago, o que configura crime de sonegação.

O advogado André Damiani afirmou ao jornal que, dentro do departamento de propina da Odebrecht “nunca houve delegação para autorização de pagamentos”, logo, Melo não tinha poder para autorizar a remessa do dinheiro. “Esse exame grafoscópico vai comprovar o relato ofertado por ele no âmbito de sua colaboração”, disse o defensor.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. A ORCRIM vaza por todos os lados

    Prezados,

    É salutar que a brava e perseverante equipe de advogados que fazem a defesa técnica do ex-Presidente Lula esteja atenta a todos esses lances.

    Nesta fase de transição, após a saída de Rodrigo Janot e antes da consolidação do grupo ‘de confiança’ da nova PGR, Raquel Dodge, muito fogo amigo, muita sujeira escondida sob tapetes e muito assassinato de reputação de integrantes de facções rivais dentro do MPF pode vazar.

    Além da defesa de Lula e de outros acusados-perseguidos pela ORCRIM lavajateira, os blogs e portais independentes devem ficar atentos e cultivar fontes entre integrantes do MPF cuja perda de prestígio, poder e influência estejam na iminência de acontecer e também entre os que agora são alçados ao topo da pirâmide corporativa, interessados estes últimos em expor os podres daqueles que consideram desafetos e que, até a saída de Janot, estavam sobre a carne seca.

    Do ponto de vista jornalístico e da defesa da democracia é fundamental que os blogs e portais progressistas explorem ao máximo essas brigas entre facções, de modo a descontruir e desmontar completamente a ORCRIM lavajateira. É preciso arrancar os dentes e as garras do ‘monstro’ (para relembrar Sepúlveda Pertence), para que um futuro governo legítimo e democrático enquadre o MP naquilo que estabelce a CF/1988. Mais ainda: é preciso colocar na Carta Magna limites claros à atuação dessa instituição, hoje repleta de poder, mas sem nenhum controle por parte da sociedade civil e por parte dos poeders democráticos (legislativo e ecxecutivo).

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome